Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
24.06.16
ED. 5397

Pimentel recorre à venda da Light para acender a luz na Cemig

 O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, quer fazer da Cemig a sua agenda positiva. Busca uma solução a jato para os péssimos resultados financeiros da estatal mineira. Pimentel foi denunciado por prática de corrupção na Operação Acrônimo e seu afastamento do cargo está sendo analisado pelo Superior Tribunal de Justiça. Dificilmente a Cemig conseguirá se livrar da desmobilização de ativos como saída para reduzir o passivo. O endividamento tem uma relação dívida líquida/Ebitda de quatro vezes. Segundo projeções da própria empresa, deverá bater em cinco vezes até o fim do ano. O resultado é exatamente o dobro do limite estipulado nos estatutos da Cemig, que é de 2,5 vezes.  O prato principal do programa de venda de controladas da companhia deverá ser a Light, da qual a Cemig tem 26%. Somente com essa transação, a estatal projeta receber em torno de R$ 1,5 bilhão – valor baseado na cotação média dos últimos dois anos, mais um prêmio de controle da distribuidora de energia elétrica carioca. O valor é equivalente a 10% do total do endividamento da companhia mineira. A opção pela venda da Light ganhou força após a aquisição esse mês da gaúcha AES Sul pela CPFL por R$ 1,7 bilhão. O acordo no Rio Grande do Sul é visto no mercado como o ponto de partida de um intenso processo de consolidação no setor de energia elétrica. Esse cenário torna a venda da Light muito mais atraente para investidores, já que a empresa ocupa o quinto lugar no ranking de distribuição do país, com receita de R$ 11 bilhões e área de concessão no segundo maior mercado consumidor de energia do país. A CPFL é vista pela Cemig como uma candidata natural ao negócio em função de sua estratégia de se consolidar como líder no segmento – tem 15% de mercado, à frente da Eletropaulo e da Cemig. A Enel, dona da Ampla, já teria sido procurada pela estatal. A Light e a Ampla têm áreas de concessão contíguas no Rio de Janeiro. Com a transação, a Enel terá ganhos operacionais e ainda passará a ter 8% de participação na distribuição de energia, do mesmo tamanho da Cemig. As seguintes empresas não se pronunciaram: Cemig.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.06.16
ED. 5397

Danone compra para saltar no ranking

 Depois de colecionar derrotas na disputa com a arquirrival Lactalis no Brasil –, a concorrente comprou a área de lácteos da BRF e fábricas da LBR –, o presidente da Danone, Dario Marchetti, recebeu da matriz a ordem que esperava ansiosamente: virar a mesa no mercado brasileiro. Marchetti ganhou licença para comprar de uma só tacada duas empresas. Para encurtar a distância das líderes em laticínios, o executivo tem na prancheta de aquisições a Aurora, de Santa Catarina, e a paulista Embaré. Juntas tirariam a Danone da humilhante nona posição no ranking do setor e catapultariam a empresa para a vice-liderança, ocupada justamente pela Lactalis. O grupo passaria a ter uma produção anual de 1,5 bilhão de litros de leite, mais de 300% acima do que captou no ano passado. Para não ser derrotado novamente, Marchetti não apenas tomou a dianteira das negociações com a Aurora e a Embaré, antes de qualquer movimento da Lactalis, como também fez uma oferta de compra com porteira fechada.  As transações são consideradas pela matriz e pelo presidente da Danone como vitais para sua permanência à frente da companhia. Afinal, após um longo ciclo de crescimento da empresa francesa, com a multiplicação por dois da receita a cada cinco anos desde 2004, a Danone está em um ritmo de velocidade baixíssima. Marchetti, já há dois anos e meio no cargo, sofreu com uma forte queda da produção da empresa em 2015. Nem pode alegar ao board que o mercado está ruim para todos. Dos 15 maiores fabricantes de laticínios do país, mais da metade conseguiu aumentar a captação de leite. As seguintes empresas não se pronunciaram:  Danone.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Paulo Rocha está cantando de galo que vai barrar as pretensões de Jader Barbalho de ter o apoio do PT para fazer o próximo prefeito de Belém e lançar seu filho, o ministro Helder Barbalho, como candidato a governador do Pará em 2018. O senador petista diz que já tem maioria no diretório da capital paraense para barrar a aliança com Jader. A ver se é só gogó.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.06.16
ED. 5397

Ao pé do ouvido

O governador do Maranhão, Flavio Dino, tornou-se um dos conselheiros prediletos da presidente afastada Dilma Rousseff. Dino liga quase todos os dias e visita Dilma nos fins de semana. Tem um jeito de falar que acalma e motiva, ao mesmo tempo, a presidente.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O prejuízo de R$ 400 milhões no ano passado – o pior desde 2001 –, não é a única má notícia para a Basf . A empresa ainda está vendo escorregar entre os dedos a liderança no segmento de tintas imobiliárias. O grupo tem crescido abaixo da concorrência e vê a sombra da Akzo Nobel se aproximar. A diferença de share entre as duas se mede em menos de dois pontos percentuais. As seguintes empresas não se pronunciaram: Basf.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.06.16
ED. 5397

Desalinhado

O ministro José Serra vai trocar o embaixador do Brasil em Cuba. Cesário Melantonio Neto é visto no Itamaraty como muito petista.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.06.16
ED. 5397

Última imagem

A Canon deverá voltar a ser uma “sem fábrica” no Brasil. A empresa pretende desativar sua planta na Zona Franca de Manaus, onde são produzidas câmeras fotográficas digitais. Procurada, a Canon diz “desconhecer o assunto”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.06.16
ED. 5397

Pneu careca

 Encerrado o período de adesão ao programa de proteção ao emprego, a Yamaha parte para cortes radicais de custos, com demissões e encerramento de linha de produção. A crise é geral, mas é a empresa quem está acusando maiores perdas. A líder do setor Honda segue aumentando sua participação de mercado. As seguintes empresas não se pronunciaram: Yamaha

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.