Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
28.04.16
ED. 5357

Temer quer trocar concessões por privatizações ao pé da letra

 Pode ser que não dê tempo. Pode ser que resistências políticas e corporativas inviabilizem o projeto. Pode ser que tecnicamente várias obras e serviços públicos não caibam no modelo. Mas a disposição de Michel Temer é clara: substituir as concessões por privatizações puro-sangue. A proposta visa despertar um maior interesse dos investidores em participar dos leilões de venda para valer. No fundo, seria uma adaptação do regime de privatizações que vigorou no governo FHC ao atual, que mescla empresas em funcionamento com companhias a serem construídas. A lógica por trás da mudança é que o modelo de concessões reduz o apetite dos potenciais compradores por ter um prazo de uso e devolução, portanto sem a posse permanente do ativo. A privatização não; ela transforma o bem em propriedade. Além do mais, o novo modelo exterminaria com os complicadores que foram pendurados no leilão de concessões, tais como taxa de retorno e modicidade. Bastaria ao governo, a exemplo da Vale, deter uma golden share.  Temer revigoraria o império do maior preço. As empresas compradoras teriam maior liberdade de arrumar o seu negócio, inclusive formar preços. A regra para os recursos captados nos leilões de privatização seria a “fórmula Simonsen”, ou seja, não poderiam ser gastos em custeio das despesas do governo, mas em novos investimentos e abatimento da dívida pública. Paralelamente à mudança, a cada vez mais provável gestão Temer promoveria o fortalecimento da estrutura regulatória do governo. O movimento poderia ser resumido em poucas palavras: descomplicar e entregar para sempre.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.04.16
ED. 5357

Bancada da bola chuta todas para escanteio

 A bancada da bola tem suado a camisa como nunca. Como se não bastasse o esforço para esvaziar duas CPIs simultâneas – a do Futebol, no Senado, e a da Máfia do Futebol, na Câmara –, seus componentes já saíram a campo em uma nova missão: chutar para o mato o projeto de lei apresentado na semana passada pelo deputado Otavio Leite (PSDB-RJ) que prevê a criação das Sociedades Anônimas do Futebol (SAFs). A zaga parlamentar é composta pelos deputados Jovair Arantes (PTB-GO), relator do processo de impeachment de Dilma Rousseff e ex-dirigente do Atlético-GO, Marcus Vicente (PP-ES), ex-presidente interino da CBF, e Vicente Candido, que acumula o mandato com o posto de diretor de assuntos internacionais da Confederação. Não estão sozinhos. Além da própria CBF, um grande clube do Rio e outro de São Paulo, este último com raízes fincadas no Congresso, já trabalham contra o projeto.  O projeto de lei de Otavio Leite abre caminho para que os clubes captem recursos em bolsa com a emissão de ações das SAFs, uma espécie de sociedade de propósito específico que abrigaria investidores e parceiros. Em tese, uma ideia que pode dar samba. Mas, como se sabe, o que é bom para o futebol nem sempre – ou quase nunca – é bom para a cartolada. Os dirigentes enxergam na proposta o risco de perder espaço e poder.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.04.16
ED. 5357

Pato de aço

 O presidente da CSN , Benjamin Steinbruch, já avisou que dessa vez não será o tapa buraco da Fiesp. O barão do aço está imerso em seus problemáticos negócios e atravessando um período pessoal ruim. Além do mais, sabe que a Fiesp hoje é uma miríade de indústrias de araque mescladas com corretores de seguros. É esse exército de brancaleone que iria comandar caso topasse ir para o sacrifício.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.04.16
ED. 5357

Candidato Major Olímpio

 Fernando Haddad, João Doria e Celso Russomano terão um adversário de grosso calibre, ao menos nos debates na televisão. O deputado federal Major Olímpio deverá oficializar nos próximos dias sua candidatura à Prefeitura de São Paulo pelo Solidariedade. Egresso da PM do estado, o deputado é conhecido, digamos assim, pela sua farta munição verbal. Não custa lembrar que na cerimônia da posse virtual de Lula na Casa Civil, no Palácio do Planalto, ele teve de ser retirado pela segurança após gritar “Vergonha”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.04.16
ED. 5357

Passe errado

 Frase atribuída ao senador Romário ao se referir à sigilosa passagem de Eduardo Paes por Genebra para uma suposta reunião com dirigentes do COI: “Minhas viagens à Suíça são públicas e registradas nas redes sociais”. Romário não perdoa Paes. Para ele, o prefeito do Rio teria sido o responsável por vazar a informação de que o ex-jogador teria uma conta secreta em um banco suíço.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.04.16
ED. 5357

Silêncio duplo

 Não foi apenas Michel Temer que convidou o Secretario de Segurança de São Paulo, Alexandre de Moraes, para a AGU sem consultar previamente o governador Geraldo Alckmin. Moraes também só levou o assunto ao atual chefe após dizer “sim” ao futuro patrão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.04.16
ED. 5357

Agenda nuclear

 O governo Mauricio Macri abriu conversações com o Itamaraty e o Ministério da Defesa para comprar urânio brasileiro. Ressalte-se que os argentinos fecharam um acordo com a China para construir duas usinas nucleares no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.04.16
ED. 5357

Inapetência

 A Ecopetrol, que, no ano passado, vendeu 30% do bloco FZA-M-320 para a JX Nippon, está doida para reduzir ainda mais sua participação no negócio. Já ofereceu outros 20% à própria petroleira japonesa. Assim, dividiria com os asiáticos o controle do bloco, na Foz do Amazonas. As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: JX Nippon e Ecopetrol

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.04.16
ED. 5357

Passo o ponto

Em recuperação judicial, a Mabe tenta empurrar sua fábrica de fogões e geladeiras de Hortolândia (SP) para a chinesa Haier . Procurada pelo RR, a Mabe não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.