Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
17.12.15
ED. 5271

Quem será o novo ministro da Fazenda?

  Agora, parece que vai mesmo. Sem as propaladas cartas de demissão, Joaquim Levy deve deixar o governo agastado, após trabalhar que nem um mouro sem contar com um minuto sequer de apoio do governo. Mas, rei morto, rei posto. O RR faz seu ranking de candidatos ao cargo, com o respectivo par no Ministério do Planejamento. Não se espantem com o brutal coeficiente de dispersão. Ele reflete a atual geleia brasileira.  Otaviano Canuto na Fazenda com Nelson Barbosa no Planejamento: 69%. Canuto seria um desagravo ao próprio Levy, que o teria indicado para o cargo. Hoje, se encontra esquentando cadeira no Banco Mundial. Contra sua indicação a indisposição de trabalhar com Barbosa em permanente estado de fritura.  Nelson Barbosa e Luiz Guilherme Schymura: 65%. Uma dobradinha cantada já há algum tempo. Schymura tem um bom temperamento e afinou as ideias com Barbosa no Ibre, quando o convidou para trabalhar na casa durante um interstício da sua missão do governo. Dá Barbosa na Fazenda.  Luiz Gonzaga Belluzzo: 30%. Tem lá suas convicções cepalinas, com a vantagem de mudar de ideia conforme a circunstância. De sorte, pode se acasalar bem com Barbosa. Uma dica: Dilma Rousseff adora Belluzzo.  Aloizio Mercadante: 4%. É um coringa: tanto pode ser um “aspone” quanto titular da Fazenda. Levará o Congresso à loucura e a mídia ao delírio. As negociações políticas avinagrarão e os vazamentos transformarão Watergate em jardim da infância. Até dá para ser com Barbosa, mas ele preferiria um empresário. Quem? Quem?  Luciano Coutinho: 2%. De temperamento zen, qualificadíssimo, com a confiança de Dilma, é bem capaz de alinhar com Barbosa. A contraindicação é o papel que lhe foi confiado de tourear os pepinos do governo  Henrique Meirelles: 0,5%. Essa última operação de contrainformação lançando-o como candidato a ministro de Michel Temer o transformou de solução em proscrito. De qualquer forma, fica uma fezinha, porque, com Dilma, tudo é possível. A aposta é em qualquer nome para o Planejamento, menos Barbosa.  Jorge Gerdau: 0,5%. Entoaria os versos de “Trabalho”, uma das orações preferidas de Lutero (Senhor, meu Deus, meus bens e meu cargo não estão sob o meu poder). Carregaria Vicente Falconi para o governo, onde ele se destacaria por falar invariavelmente a mesma coisa.  Abílio Diniz: 0,2%. Montaria uma academia de ginástica no gabinete da Fazenda e levaria o Tarpon para fazer o planejamento do governo.   Luiz Carlos Trabuco: – 100%. Um sonho tão inviável como sempre foi.  José Serra: – 1.000.000%. Delírio total! Pura provocação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Papillon

 Empreiteiro brasileiro já é culpado antes de nascer. No caso de Marcelo Odebrecht, a presunção atávica já virou uma questão de direitos humanos. Marcelo foi mantido preso por decisão do STJ para “não interferir no processo de apuração dos crimes”. Se provas houvesse, ele estaria sendo julgado. Como é um “processo”, essa situação pode, teoricamente, demorar um tempo maior do que uma eventual condenação, caso as denúncias contra ele se transformem em provas. Marcelo é uma espécie de Papillon pós-moderno, que não cometeu crime julgado e transitado nem tentou fugir da cela.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Atacadinho

O Carrefour não conseguiu transformar o aumento das vendas do Atacadão em rentabilidade. Apesar da receita 10% maior – nada mau para um PIB a menos 3,5% –, vai fechar o ano no zero a zero. Alguma cabeça na direção do Atacadão ainda vai acabar pagando essa conta. A seguinte empresa não retornou ou não comentou o assunto: Atacadão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Pés descalços

 A venda da Alpargatas para a J&F pegou a Grendene no contrapé, justo no momento em que a fabricante gaúcha elaborava seu plano estratégico para 2016. “Elaborava”, aliás, não é o termo mais correto. Talvez o melhor seja dizer “esquartejava”. A Grendene reduziu praticamente à metade os investimentos previstos para o próximo ano, inicialmente fixados em R$ 120 milhões. A seguinte empresa não retornou ou não comentou o assunto: Grendene.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Caldo de cana

 Após vender seus ativos industriais para a norte-americana Black River, o agora ex-usineiro Antonio Ruette pode estudar com calma as propostas que recebeu pelos seus dois mil hectares de plantações de cana em São Paulo. É sua chance de colocar uma dinheirama no bolso. O empresário não recebeu um só tostão dos R$ 680 milhões que a Black River pagou pelas duas usinas. Os recursos serão usados na quitação de dívidas ou modernização das plantas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Base aliada

 Marido e pai zeloso, Eduardo Cunha chegou a cogitar a hipótese de a mulher, Claudia Cruz, e os filhos passarem uma temporada no exterior para protegê-los da estressante conjuntura nacional. Mas a família, em consenso, decidiu permanecer unida.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Diesel de sobra

 A recessão atingiu a Petrobras até na Zona Franca de Manaus. A companhia pretende suspender por até 30 dias as atividades da Refinaria Isaac Sabbá (Renam), no Amazonas. Os estoques estão bem acima do aceitável, notadamente os de óleo diesel, em função da queda da atividade das indústrias locais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Etanol de milho

 A norte-americana BioUrja está instalando sua primeira usina de etanol de milho no Brasil, mais precisamente no Mato Grosso do Sul. O investimento gira em torno dos US$ 100 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Nova safra

 Na esteira da decisão do presidente Mauricio Macri, que reduziu a tributação sobre a exportação de grãos, o Grupo AMaggi já faz planos de retomar os investimentos na Argentina.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Atlantic City

 O deputado Ciro Nogueira, do PP, é incansável. Mesmo com todas as atenções voltadas ao pedido de impeachment, o parlamentar continua catando assinaturas para o seu projeto de lei que propõe a reabertura dos casinos no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Pergunta que não quer calar:

 Até agora ninguém cogitou a hipótese de André Esteves fazer uma delação premiada. Por quê?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.