Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
19.10.15
ED. 5229

O orixá que habita o Palácio do Planalto

 Diz-se na Bahia que o ministro chefe do Gabinete Civil, Jaques Wagner é filho de Xangô, orixá do trovão e ligado à justiça. Que seja, mas ele também reza pela benção do profeta Davi. É preciso mesmo estar ungido para desenrolar as missões que lhe foram incumbidas. Wagner foi despachado para o Planalto com o múnus de rabiscar a minuta de uma II Carta ao Povo Brasileiro, bala de prata para enfrentamento da incredibilidade econômica, a ser usada após a superação do round golpista. Paralelamente vai afinar, dentro do Palácio, o jogo de espelhos, especialidade do chefe Lula. Algo mais ou menos como simular que o ex-presidente não pensa aquilo que disse, mas que o que disse está combinado com a presidenta e que Dilma vocaliza e governa diferente do que Lula supostamente deseja, mas no fundo, pasmem, é tudo a mesma coisa. Dessa tradução do realismo fantástico dependeria o futuro do PT e, é claro, sua performance nas eleições de 2018.   Assim, em suas articulações no núcleo duro do governo e nas entranhas do Congresso, Wagner garante, por exemplo, que o ex-presidente é a favor do ajuste fiscal, enquanto “o chefe” manda brasas no palanque contra a recessão, queda do salário real e no próprio Joaquim Levy. Tido como o mais manhoso dos petistas, cabe a Wagner negociar com o ministro da Fazenda. A diferença em relação à difícil conversa com Aloizio Mercadante é abissal. O baiano é bom de bico, fala mansa. Mal sabe Levy que Wagner vem fazendo sua cama para que, já já, venha, então, o messias Henrique Meirelles. Por enquanto, nesse finzinho de crepúsculo, o titular da Casa Civil vai acertando com seu companheiro da Fazenda os detalhes para encerrar, de uma vez por todas, a novela das empreiteiras, que está empatada há meses no mesmo capítulo, congelando a infraestrutura do país no período pré-cambriano. Wagner tem negociado com as construtoras o acordo de leniência engendrado por Levy para o desembargo das construtoras.   Nos préstimos do bom baiano pode também ser creditada a recente e indigesta rodada de conversações com Eduardo Cunha, reabrindo um canal de diálogo com o presidente da Câmara. Wagner assumiu o lugar de Temer na negociação política com suavidade, deixou Renan plácido como as águas da praia de Itacimirim, e, pasmem, conseguiu que Dilma ficasse restrita a suas aptidões, fazendo conferências sobre como estocar o vento. Wagner fala ao telefone com Lula todos os dias. Diz que gosta mesmo é de ficar em casa, um apartamento de classe média alta, no bairro da Federação, em Salvador, com vista para o mar ao fundo. Do lado, se encontra a Igreja de São Lázaro. Um conhecido médico baiano, considerado o maior parceiro de Wagner, conta que ele toma cervejinha com o pior desafeto da mesma forma que bebe com os amigos. O cabra é protegido.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.15
ED. 5229

Dassault aprende lição com a derrota para a Saab

  A Dassault Aviation aprendeu a lição. Depois da humilhante derrota para a sueca Saab na disputa pelo fornecimento de jatos para a Força Aérea Brasileira, o grupo francês está mudando completamente a estratégia de atuação no país. Sai de cena a postura imperial que fechou portas em Brasília e entra no circuito um jogo diplomático muito parecido com o adotado pela Saab. A companhia vai montar uma base no país da sua área de defesa e já negocia parcerias com a Embraer para desenvolvimento de tecnologia aeronáutica e até a produção conjunta de peças de jatos militares. Em todas as tratativas, estão previstas maciças doses de transferência de tecnologia. Precisou apanhar para entender. A postura é diametralmente oposta à adotada pela Dassault antes do anúncio do vencedor na licitação da FAB.   A companhia procurou o ministro da Defesa, Aldo Rebelo, com a promessa de construir uma fábrica no país, como está fazendo a Saab, caso saia vencedora em novas licitações das Forças Armadas. A Marinha têm interesse em renovar parte da frota aérea e as três Forças pretendem adquirir equipamentos de defesa, cujos contratos deverão chegar a R$ 3 bilhões. A Dassault pretende ainda montar um colar de empresas fornecedoras nacionais, inclusive com participação no capital de algumas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.15
ED. 5229

Helibras

  O projeto da Helibras de construção de um helicóptero 100% nacional tem rachaduras por todos os lados. Na melhor das hipóteses, sairá do papel em 2025. E olha que era o negócio mais importante do grupo antes da crise.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.15
ED. 5229

Porta de saída

  O fechamento às pressas do Royal Bank of Canada em 2013 ainda causa burburinhos no BC. Os correntistas tiveram apenas um dia para encerrar as contas. O caso está servindo de base para mudanças em normas que tratam do encerramento de operações de bancos no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.15
ED. 5229

Baixa voltagem

  A CBA, produtora de alumínio da Votorantim, teria oferecido à Alcoa sua participação de 15% na hidrelétrica gaúcha Barra Grande. Procurada, a CBA não confirmou a venda.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.15
ED. 5229

Capitania

 Helder Barbalho não tira o Pará da cabeça. A prioridade do ministro dos Portos é a licitação de três terminais no Porto de Belém em 2016, ano eleitoral. Pura coincidência. O PMDB não elege o prefeito da cidade desde 1988

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.15
ED. 5229

Cartas ao léu

 As cartas de demissão do ministro Joaquim Levy à presidente Dilma estão parecendo as cartas do governo brasileiro ao FMI, escritas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.15
ED. 5229

Guimba

 O Brasil perde importância para a Philip Morris. Com os baixos resultados, a matriz teria suspendido o passe livre para que a subsidiária exporte cigarros. Formalmente, a companhia nega a suspensão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.