Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
13.10.15
ED. 5225

China Construction junta seus tijolos no Brasil

Nem Camargo Corrêa, nem OAS, tampouco Engevix e muito menos UTC. A primeira empreiteira asiática disposta a aportar nessas latitudes quer somar pequenas unidades para se tornar grande no setor. A China State Construction Engineering Corporation (CSCEC) analisa a consolidação de empresas menores para disputar um mercado em que os principais players estão impedidos ou debilitados. A CSCEC não é uma aspirante qualquer. Trata-se da primeira colocada no ranking da revista World Construction e sob qualquer critério é uma das cinco maiores empreiteiras do mundo, com filiais em 29 países, 230 mil empregados e faturamento anual da ordem de US$ 130 bilhões. No ano passado, deu as caras pela América do Sul, fechando o acordo para execução das obras dos aquedutos Paraná-Estacas e Mandisovi Chico, na província de Entre Ríos, localizada ao norte de Buenos Aires. No Brasil, ainda está invisível. A CSCEC já delegou mandato para que sejam realizados os estudos sobre as companhias com perfil adequado. Elas devem ser de médio e pequeno portes, ter especializações complementares, notória habilitação técnica e possibilidade de aquisição a preços baixos. Dependendo da combinação dessas variáveis, as compras podem ser duas, três ou mais. Os primeiros alvos seriam as baianas GDK e Setel Construtora, empresas que poderiam ser adquiridas na bacia das almas, ao valor de aproximadamente US$ 150 milhões. Com a compra das duas empreiteiras, a CSCEC teria uma qualificação equivalente à que a Odebrecht tem hoje no Brasil. A iniciativa iria ao encontro dos planos da Petrobras, que vem estimulando o ingresso de empresas estrangeiras para disputar o fechado mercado brasileiro. Procuradas pelo RR, GDK e Setel preferiram não se pronunciar sobre o assunto. A GDK, que se enrolou com o episódio do Land Rover e foi citada na operação Lava Jato, encontra-se em processo de levantamento da recuperação judicial e está negociando sua parte boa (acervo técnico, equipamentos e estrutura operacional). Os passivos ficariam na antiga companhia. Essa nova empresa é que seria negociada com os chineses. No pacote iria também um estaleiro, localizado na Bahia, com 80% das instalações terrestres já construídas e voltado para a fabricação de módulos e plataformas offshore. Os chineses estão atentos às possibilidades de ganhos em estaleiros. Para se ter uma ideia, uma unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência, que será licitada pela Petrobras ao preço de US$ 1,6 bilhão, teria todo o investimento pago em três anos considerando-se 8% de lucro líquido. A Setel, por sua vez, tem prestação técnica em praticamente todos os segmentos da infraestrutura: obras aeroportuárias, rodovias e saneamento. A empresa tem atividade inteiramente complementar à da GDK. Caso os contatos sigam bom rumo, o escritório central da CSCEC será instalado no Rio de janeiro. O mercado de obras identificadas para as quais os chineses estariam aptos soma mais de US$ 20 bilhões. A título de qualificação, os megaempreiteiros construíram o “Ninho de Pássaro”, estádio olímpico de Pequim, e as principais instalações para os últimos Jogos em Londres.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.15
ED. 5225

Beleza roubada

Até o momento, Roberto Lima tem falhado em uma de suas maiores missões na presidência da Natura: recuperar o market share na área de cosméticos. Neste ano, a empresa deverá aparecer pela primeira vez em mais de uma década com uma participação inferior a 30%. A queda acumulada nos últimos cinco anos chega a cinco pontos percentuais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.15
ED. 5225

Dr. No do Twitter

O Twitter de Eduardo Cunha virou a “Tribuna do Desmentido”. Em apenas uma semana, o presidente da Câmara negou ter se encontrado com Aécio Neves, negou ter participado de um movimento para a dissolução do bloco do PMDB na base governista, negou ter trabalhado para ser diretor da Petrobras no governo de FHC e negou que tenha dito a famosa frase “Não caio antes dela”. Sobre a Suíça, nenhuma linha.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.15
ED. 5225

Descarga

O presidente da Chesf, José Miranda, deverá ser eletrocutado do cargo até o fim do ano. A estatal virou recordista de atrasos no Sistema Eletrobras: quase uma centena de projetos da área de transmissão estaria com o cronograma descumprido. Aliás, o ministro Eduardo Braga costuma se referir a Miranda como “aquele que só me traz problema”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.15
ED. 5225

Comperj

A Petrobras está tentando atrair a Repsol Sinopec para o projeto do Comperj. Por baixo, por baixo, ainda faltam US$ 4,2 bilhões para a conclusão das obras no complexo petroquímico. Mais da metade desse valor caberia ao novo sócio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.15
ED. 5225

Bilhete único

Responsável pela venda de ingressos para as Olimpíadas do Rio, a alemã CTS Eventim veio para ficar. Na mira, a compra de casas de espetáculo e de arenas esportivas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.15
ED. 5225

Natal às avessas

O ano da Pirelli em Santo André deverá acabar no dia 30 de novembro. A companhia pretende interromper a produção durante todo o mês de dezembro. É mais uma tentativa de reduzir os estoques, abarrotados desde o primeiro semestre.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 No PSDB, notadamente no PSDB de Aécio Neves, há quem compare a trapalhada de Geraldo Alckmin com o sigilo de documentos do metrô à recente decisão de Dilma Rousseff de tirar poderes dos comandantes das Forças Armadas. Tanto um quanto outro tiveram de voltar atrás no dia seguinte, quando a lambança já estava consumada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.15
ED. 5225

Cabo de guerra

As primeiras conversas entre o Rede e o PSOL para uma candidatura conjunta à Prefeitura do Rio, em 2016, não foram animadoras. Alessandro Molon e Marcelo Freixo, estrelas ascendentes da política fluminense, até topam dividir a chapa. Mas nenhum dos dois quer ser vice.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.15
ED. 5225

DuPont

A DuPont busca um novo sócio para o projeto de produzir etanol de milho no Brasil. A Dedini, em recuperação judicial, virou sabugo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.