Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
25.08.15
ED. 5192

Depois de Washington, as línguas viperinas de Brasília

A viagem de Joaquim Levy a Washington, no último fim de semana, desencadeou um pipocar de ruidosos boatos. Tudo foi dito, a começar pela sua própria saída do cargo, passando por uma crise de estresse e uma missão secreta junto ao Banco Mundial para a negociação de uma linha especial de financiamento às concessões de obras públicas. Todos os tiros passaram longe do alvo. As motivações reais foram bem mais prosaicas. A ida aos Estados Unidos teve um objetivo regenerativo. Levy é disparadamente o ministro mais sacrificado do governo, seja pela agenda extensa e pressões políticas, seja por se manter afastado da família, que reside na capital norte-americana. Espera-se que a breve passagem por Washington tenha sido revigorante. Ao regressar ao Brasil, não restará outra alternativa ao ministro da Fazenda se não se reencontrar com a realidade que tanto tem lhe nauseado. A cada tentativa de avanço em direção ao equilíbrio fiscal, tome uma saraivada de metralhadora. Para cada pequena redução de despesa, parte integrante do grande mosaico da política fiscal, há um Mansueto de Almeida ou um Armínio Fraga reclamando a sua insuficiência – mesmo sabendo seu valor no somatório. A medida pontual de criação de uma linha de crédito do BB para o destroçado setor automobilístico é destratada como um subsídio inspirado na nova matriz econômica, quando os recursos foram captados no mercado e não houve sequer o repasse de um grão do Tesouro. A reoneração, por sua vez, é vilipendiada como novo gravame, quando, na verdade, é simplesmente o retorno às condições anteriores à efeméride de Guido Mantega. De todas as agruras, contudo, não são as aleivosias e trapaças o que mais incomoda o ministro. Joaquim Levy detesta quando lhe põem o epíteto de “ministro da derrama”. É dez milhões de vezes melhor ser chamado de “mãos de tesoura”. Até porque este último apelido é verdadeiro. O ministro é disparado o mais ortodoxo do governo e só não desbasta mais os gastos por saber que um superávit estrutural exigirá mudanças constitucionais. Agora, como é notório, a política econômica tem de pedir bênção ao estamento parlamentar. Nesse ambiente ardido, Levy dá sua permissão para que duvidem de qualquer afirmação de que ele planeja aumentar a carga tributária nacional. A bola da vez são medidas que aumentem a produtividade do país e a desmobilização de ativos do Estado. Imposto mesmo só na sua massacrante rotina. É por essas e por outras que Levy foi a Washington adoçar um pouco a vida.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.08.15
ED. 5192

Three Gorges deixa EDP Energias do Brasil à meia luz

O próprio presidente da EDP Energias do Brasil, Miguel Setas, já começa a se perguntar até quando terá uma cadeira para se sentar e uma empresa para trabalhar? Todas as decisões da China Three Gorges (CTG), que assumiu o controle da EDP em 2011, apontam para o encolhimento das operações do grupo no mercado brasileiro. Os asiáticos procuram um comprador para a capixaba Escelsa, uma das distribuidoras da EDP no país – a outra é a paulista Bandeirante. Segundo o RR apurou, Miguel Setas vem mantendo conversações com a canadense Brookfield e a Equatorial Energia. A inapetência chinesa em relação ao Brasil não se restringe à área de distribuição. Os investimentos em geração foram cortados praticamente a zero. A medida atingiu não apenas os projetos hidrelétricos e termelétricos, mas também de energia eólica, até outro dia a grande aposta da EDP no Brasil. Na própria EDP do Brasil, ninguém se arrisca a dizer até onde vai a disposição dos chineses para enxugar a operação do grupo no país – e é melhor nem perguntar. O fato é que a Three Gorges está particularmente preocupada com o nível de alavancagem da subsidiária. Nos últimos 12 meses, a dívida líquida dobrou de tamanho, chegando perto dos R$ 5 bilhões. A relação endividamento/ patrimônio líquido, que, historicamente, sempre girou em torno de 50%, já está perto do um para um. Consultada, a EDP não confirma as informações. * Equatorial e Brookfield preferiram não responder ao RR.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.08.15
ED. 5192

Pé no freio

A crise bateu na porta de Jacob Barata, dono de um terço de toda a frota de transporte urbano do Brasil. O empresário estaria em busca de um comprador para a Guanabara Diesel, uma das maiores revendedoras de caminhões e ônibus da Mercedes-Benz. * A Guanabara Diesel não se manifestou sobre o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.08.15
ED. 5192

Momento de fé

Há um frisson na Assembleia de Deus de Madureira, no Rio. Corre a informação de que seu mais célebre e pródigo fiel, Eduardo Cunha, participará da noite de orações programada para a próxima sexta-feira. O nome do evento é que parece um tanto quanto despropositado para a ocasião: “Vigília da Vitória Total”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.08.15
ED. 5192

Matrícula

A gestora norte-americana Southern Cross está à caça de ativos na área de educação no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.08.15
ED. 5192

BR Distribuidora

Promete ser tensa a reunião do Conselho de Administração da BR Distribuidora, marcada para amanhã. Entre outros assuntos, os conselheiros deverão discutir uma drástica redução no número de funcionários terceirizados da estatal. *** Por falar em BR, o presidente da companhia, José Lima de Andrade Neto, saiu de férias na semana passada. Antes, portanto, de receber o cartão vermelho. * A BR Distribuidora não quis se aprofundar sobre os temas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.08.15
ED. 5192

Três turnos

Numa daquelas medidas que tiram toda a credibilidade do negócio, a CPI dos Fundos de Pensão pretende convocar dirigentes das mais de 100 empresas com participação societária da Previ, Petros e Funcef. Só se os deputados começarem a marcar depoimentos para as madrugadas. A CPI tem menos de 160 dias para finalizar seu trabalho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.