Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
01.06.15
ED. 5132

Compra do Aché é o remédio para todos os males da EMS

 O empresário Carlos Sanchez, que, ultimamente, tem frequentado com recorrência a prateleira dos escândalos, quer voltar a  gôndola dos grandes negócios na indústria farmacêutica. O dono da EMS estaria se unindo ao fundo norte- americano Advent para fazer uma oferta pelo controle do Aché, pertencente a s famílias Depieri, Siaulys e Baptista. Ressalte-se que esta não é a primeira tentativa da gestora de recursos de desembarcar em um grande laboratório nacional. Em 2013, o Advent manteve conversações com a goiana Teuto, que acabou se associando a  Pfizer. Caso se confirme, a compra do Aché tem tudo para ser uma das maiores operações de M&A já realizadas no setor, seja pelos valores envolvidos, seja pelo seu impacto no mercado. Há quase dois anos, o Aché abriu tratativas com diversos laboratórios internacionais – entre eles a própria Pfizer e o Novartis – para a venda do seu controle, mas nenhum dos candidatos aceitou pagar o preço exigido pelas três famílias. O tempo passou, mas, segundo o RR apurou, o valor segue no mesmo patamar: em torno dos US$ 5 bilhões. No caso específico da EMS, este é o preço para se chegar ao paraíso. Com a aquisição do Aché, a companhia de Carlos Sanchez se consolidaria como o maior fabricante de medicamentos do país, com uma receita consolidada superior a R$ 13 bilhões. Praticamente metade desse valor viria da venda de genéricos. O peso da EMS no setor é proporcional a  influência de Carlos Sanchez, talvez o empresário do ramo farmacêutico com mais trânsito junto ao governo nos últimos anos. Tamanho prestígio tem seus efeitos colaterais, como vem mostrando o noticiário recente. Coincidência ou não, o avanço sobre o Aché se dá no momento em que a EMS enfrenta uma grave crise institucional. O laboratório foi citado como um dos clientes da consultoria de José Dirceu. Aliás, um dos clientes, não! “O cliente”! Segundo as investigações, a companhia encabeça a lista de pagamentos ao exministro, com um desembolso total de quase R$ 8 milhões. Além disso, a EMS é mencionada na Lava Jato como uma das parceiras da Labogen, empresa que tinha entre seus sócios o doleiro Alberto Youssef.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.06.15
ED. 5132

Cemig é uma usina de planos perdidos

Uma a uma, as “promessas de campanha” de Fernando Pimentel para a Cemig estão se esfarelando junto com as contas públicas de Minas Gerais. O plano de investimentos de R$ 5 bilhões previsto para este ano e o compromisso de manter a distribuição de 50% dos lucros já são páginas viradas no folhetim da estatal – ver RR nº 5.125. Agora, o que está se transformando em fumaça é um dos principais projetos não apenas da companhia como do próprio estado. A Cemig deverá suspender a construção de um gasoduto de 475 quilômetros, a maior parte localizada no Triângulo Mineiro – empreendimento orçado em aproximadamente R$ 2 bilhões. Segundo o RR apurou, o governo mineiro interrompeu as conversas que vinham sendo mantidas desde o ano passado com um grupo de investidores chineses que participaria do projeto – entre eles a fabricante de equipamentos XCMG, recém-instalada na cidade de Pouso Alegre. Procurada pelo RR, a Cemig disse “desconhecer as informações”. Caso o projeto do gasoduto seja efetivamente engavetado, o governador Fernando Pimentel e a direção da Cemig ao menos poderão jogar parte da culpa sobre os ombros da Petrobras. Até agora, não há qualquer garantia de que a estatal levará adiante a construção de uma fábrica de amônia em Uberaba. Um dos principais motivadores para a instalação do pipeline sempre foi o fornecimento de gás para a planta industrial da Petrobras. Sem ela, a viabilidade econômica do gasoduto fica bastante comprometida.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.06.15
ED. 5132

Oferta da Elektro

A Iberdrola planeja uma oferta de ações da Elektro – oficialmente, a distribuidora nega a operação. Seria praticamente um novo IPO. Nos últimos anos, a empresa quase desapareceu das bolsas: seu free float é de apenas 1%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.06.15
ED. 5132

Agnus dei

A denúncia da PF sobre a eventual participação da Odebrecht na Lava Jato poderia ser feita por e-mail e não por intermédio da imprensa. Melhor, poderia ser feita em um guichê de atendimento ao público. Seria curioso: – Bom dia! O senhor participou de alguma iniciativa para formação de cartel? – Não, não participei, não! – Ok, obrigado. Vamos avisar a  mídia que o senhor disse que não é corrupto. Próximo…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.06.15
ED. 5132

Hocus Pocus

O publicitário Nizan Guanaes está mimetizando João Dória Jr. Só falta a gomalina no cabelo. Ambos são sacerdotes da marketinagem sobre a autoajuda empresarial. No caso de Nizan, não deixa de ser uma pena.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.06.15
ED. 5132

Bolsinhas

A BM&F Bovespa, que comprou recentemente 8% da Bolsa de Santiago, está prestes a fechar a aquisição de 5% do capital da Bolsa de Valores da Colômbia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.06.15
ED. 5132

Hotel Glória

A um ano da Olimpíada e pressionado a aumentar a rede hoteleira na cidade, o prefeito Eduardo Paes decidiu intervir na interminável novela do Hotel Glória. Fez chegar a Eike Batista uma proposta para que ele retome a reforma do prédio mediante isenção de ISS por um determinado período. ? A onda chinesa não para de crescer

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.06.15
ED. 5132

A Huawei

A Huawei tem importado um volume cada vez maior de mão de obra para a sua fábrica de equipamentos de telefonia em Sorocaba (SP). Consultada, a empresa informou que 80% do seu efetivo no país são compostos de profissionais brasileiros. Nada contra os chineses, mas, segundo o RR apurou, há cerca de três anos o índice de ?brasileirização? era de quase 90%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.