Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
27.03.15
ED. 5089

Esteves mergulha nas águas viscosas da Petrobras

 André Esteves nunca escondeu que não tem pruridos em escavar ativos podres. Eis aí a carcaça do Bamerindus como prova inconteste. Mas, neste momento, é melhor não mexer com as mãos limpas em projetos que atravessam a calçada da Lava Jato. O banqueiro vai usar luvas cirúrgicas e terceirizar sua participação para entrar de banda no setor da construção pesada. A Petrobras, como sempre, é a meca. Esteves quer aproveitar a crise de liquidez das empreiteiras de estirpe para reservar seu assento em futuras cartas- convite da estatal. O expediente encontrado é a compra de um pedaço da Triunfo por meio de um fundo offshore. Receita manjada, essa operação ficará no quintal. Na sala, a Triunfo contratará o BTG para vender participação em algumas subsidiárias. O objetivo de ambas as iniciativas é gerar recursos para a compra de uma empresa do setor que agregue a  Triunfo capital humano e maior tecnologia em obras do ramo. Em idos nem tão distantes, Esteves namorou uma empresa da construção pesada, a Delta, mas a aquisição não andou. É provável que André Esteves não tenha a menor ideia, mas existiu no Brasil, nos idos dos anos 30, um híbrido de banqueiro e empreiteiro que prestou os melhores serviços ao país, notadamente a  indústria nacional. Trata-se de Roberto Cochrane Simonsen, flor rara da elite empresarial. O presidente do BTG se identifica com outras espécies, a dos predadores financeiros e os caçadores de tesouros públicos desprotegidos. O Esteves predador não é nenhuma novidade. Mas, o caçador de arcas mal cuidadas é um ente em desenvolvimento. Fincou seu primeiro pé na Petrobras, em 2012, em um ativo desguarnecido. Comprou 50% dos blocos da estatal na africa; raspou o que tinha na Nigéria, Tanzânia, Angola, Benin, Gabão e Namíbia. Na primeira estimativa, o valor total dos campos foi calculado em US$ 7 bilhões. Depois, foi recalculado em US$ 4,5 bilhões, posteriormente reduzido para US$ 3,05 bilhões. Moral da história: a operação de compra acabou sendo fechada em US$ 1,5 bilhão. O BTG pagou o menor dos menores preços – o TCU investiga se foi ele quem arbitrou o valor -, auferiu dividendos de US$ 150 milhões no oitavo mês, prevê ganhar US$ 1,8 bilhão em três anos e pode realizar a cláusula do contrato de abandonar o negócio, sem fazer qualquer investimento, a qualquer tempo (uma espécie de “Pasadena das savanas”). Esteves também bicou a Petrobras via BR Distribuidora, no fatídico ano de 2012. Nesse ponto da história, o assunto se torna mais periclitante devido ao ingresso na trama do doleiro Alberto Youssef. Ele associa Esteves ao propinódromo da estatal. Junto com seu sócio Carlos Santiago, o “Carlinhos”, na Derivados do Brasil (DVBR), o banqueiro teria embolsado R$ 300 milhões em investimentos nos postos, ao custo módico de R$ 6 milhões em propina. Com a Triunfo, Esteves passaria também a ser dono do aeroporto de Viracopos e de rodovias. O verdadeiro oceano a ser singrado, contudo, são as águas viscosas da Petrobras.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.15
ED. 5089

Delação em bloco

Ventos que chegam de Curitiba trazem a informação de que a UTC Engenharia costura um acordo de leniência com a Justiça. Não custa lembrar que, na paralela, Ricardo Pessoa, dono da construtora, também negocia uma delação premiada com o Ministério Público Federal. Ou seja: deduragem em dose dupla.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.15
ED. 5089

Direções opostas

Rogério Fasano não desiste da ideia de instalar um hotel com seu sobrenome em Nova York. O problema é que seu sócio José Auriemo, hoje o principal acionista do grupo hoteleiro, torce o nariz para o projeto. Procurado, o Fasano negou a desavença.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.15
ED. 5089

Genéricos

O laboratório Mutual Pharmaceutical, um dos maiores fabricantes de genéricos dos Estados Unidos, pretende entrar no mercado brasileiro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.15
ED. 5089

Câmbio santo

A alta do dólar deverá salvar o ano da alemã Stihl no Brasil. A fabricante de cilindros para motores e ferramentas motorizadas projeta um aumento de receita de 25% graças aos contratos de exportação para outras subsidiárias do grupo na Europa e nos Estados Unidos – número que a empresa não confirma oficialmente. A boa nova é que, com este número, o plano de investimentos de R$ 1 bilhão no Brasil está são e salvo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.15
ED. 5089

Charles de Gaulle

A Aéroports de Paris (ADP) deverá aterrissar na próxima rodada de licitações de terminais aeroportuários. Provavelmente, terá a companhia da holandesa Schipol, que administra o aeroporto de Amsterdã.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.15
ED. 5089

Para inglês ver

Tirar Thomas Traumann da Secom e colocá-lo na comunicação da Petrobras é mais ou menos como se o governo apeasse Guido Mantega do Ministério da Fazenda e o remanejasse para o BNDES. Se tudo se resume a uma dança das cadeiras, Dilma bem poderia ter mandado Traumann para o lugar de Aloizio Mercadante.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.15
ED. 5089

Papéis trocados

Espinha na garganta de muito acionista controlado, a Tarpon deverá experimentar do próprio veneno. Fundos minoritários da Abril Educação já se movimentam para barrar a oferta de recompra de ações da empresa. Desde que a Tarpon adquiriu o controle, em fevereiro, o papel já subiu 25%, superando os R$ 12,15. Ou seja: os R$ 12,33 por ação que a gestora de recursos pagou aos Civita e estendeu aos minoritários ficou barato demais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.15
ED. 5089

Caça ao tesouro

A sul-africana Gold Fields- que opera aqui “do lado”, no Peru – já sabe onde encontrar ouro no Brasil: em jazidas no Pará e em Goiás.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.15
ED. 5089

Após frustrada negociação com o Hermes Pardini

Após frustrada negociação com o Hermes Pardini, os acionistas controladores do Fleury pretendem reabrir ainda neste semestre o processo de venda do laboratório. Sobre o balcão, uma participação de 41%, avaliada em algo perto de R$ 1,2 bilhão

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.