Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
27.02.15
ED. 5069

Nos pampas, Gatsby se escreve com “G” de Grendene

Se Scott Fitzgerald tivesse nascido em Porto Alegre, o Gatsby seria um nouveau riche, com modos toscos e o hábito de usar camisas rosa e azul bebê espalhafatosas. O Gatsby dos pampas seria a mais perfeita tradução de Alexandre Grendene, o mais novo bilionário brasileiro a ser incluso na lista da Forbes e Midas da indústria calçadista tupiniquim. Se, no passado, Alexandre e a sua sandália melissinha, emoldurada pelo rosto redondo da Xuxa, mais parecia uma imagem reflexa de Humberto Saade e suas calças índigo blue Dijon, vestidas bem atarracadas pela angulosa modelo Luiza Brunet, qualquer comparação agora é fora de propósito. O conglomerado Grendene, com suas participações cruzadas com a Vulcabras, pertencente ao seu irmão gêmeo, Pedro, é vaca leiteira de divinas tetas da raça Nelore Grendene, criada exclusivamente por este último mano. Aliás, Pedro é o que se pode chamar de o oposto de Alexandre, discreto na medida em que biliardários conseguem ser: vive malocado no seu Citation Sovereign, mora em um prédio no Jardim Paulista, onde é vizinho de Hortência, a rainha do basquete, e prefere Saint-Tropez a  Punta. O augusto nome de Pedro somente saiu da risca quando sua esposa, Tânia Bulhões, foi investigada pela Polícia Federal por subfaturamento de bens importados vendidos pelas suas lojas de luxo. Mau momento em que a PF realizava uma batida em sua propriedade, onde recolheu R$ 1,5 milhão em cheques e R$ 630 mil em espécie. Ainda bem que, nesta nefanda hora, Tânia e Pedro estavam bem longe, almoçando na Riviera francesa. É bem verdade que os ventos empresariais não sopram boas novas para os dois irmãos. O planejamento feito no final de 2014 incluiu o cancelamento de novas contratações e cortes duros nos gastos da Grendene. Futuras demissões são comentadas no chão de fábrica, prática que Alexandre tira de letra (já demitiu milhares e milhares). Mas nada que seja capaz de alterar muito a bagatela de R$ 450 milhões que o empresário tira líquido por ano. É essa dinheirama que lhe permite almejar um novo voo, entre a benemerência e o empreendedorismo. Alexandre Grendene quer assumir a controvertida Arena Grêmio, entregue praticamente de mãos beijadas pela combalida OAS ao clube de Baltazar, Renato Gaúcho e Hugo de León. Gremista inveterado, Alexandre só possui uma paixão maior do que a pelo tricolor gaúcho: a sua cadelinha Kate, alva como a neve de Aspen. Um amor tão grande, tão grande, e desfrutado também por sua senhora, a belíssima Nora Teixeira, a quem foi dado um papel bem mais importante na construção do império do que Alexandre teima em não enxergar, com olhos somente voltados as suas compreensíveis futilidades. Ele e “Norinha” comemoraram com o luxo de um verdadeiro Gatsby o aniversário de 10 anos da mimosa Kate próximo do Carnaval, em sua mansarda de Punta del Este. Já foi um upgrade em relação ao aniversário anterior, celebrado em um hotel em Miami, quando Kate tomou algumas gotas de um vinho com preço em torno de US$ 900 em um pratinho de prata. Mas olhando o futuro é tudo pequeneza. Punta já ficou minúsculo. Quem sabe na próxima festa, Kate corra sozinha, livre e exuberante pelo gramado verde da Arena Grêmio, ao grito uníssono da torcida do Gre-Nal: “Parabéns, au, au! Parabéns, au, au!”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.15
ED. 5069

Tolerância zero

O Santander vai azucrinar ainda mais a turma da inadimplência. Ao longo de 2014, o índice de empréstimos a  pessoa física com atraso superior a 90 dias caiu de 3,7% para 3,3%. Os espanhóis apostam que empurram essa taxa para menos de 3% até o terceiro trimestre.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.15
ED. 5069

Novas cenas

O cineasta Fernando Meirelles ensaia um novo papel. Deve entrar no ramo de distribuição de filmes, em parceria com investidores norte- americanos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.15
ED. 5069

Poeira no asfalto

O novo presidente da Volvo na América Latina, Claes Nilsson, já assumiu o cargo vestindo o figurino de carrasco. Na pauta da montadora, mais uma rodada de demissões na fábrica de caminhões de Curitiba. Em dezembro, 206 operários foram dispensados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.15
ED. 5069

UBS Brasil

A presidenta do UBS no Brasil, Sylvia Coutinho, tem se cobrado dia e noite pelos modestos resultados do banco. Nem precisava. De cobranças, já basta as que tem recebido dos suíços.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.15
ED. 5069

Limão amargo

Da caipirinha que os japoneses da Itochu preparavam sobrou apenas o bagaço do limão. O projeto do grupo de montar uma trading no Brasil voltada a  comercialização de álcool e açúcar escorreu pia abaixo. A parceria com a Bunge ficou no papel e as conversações com a Cosan não passaram disso, conversações…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.15
ED. 5069

Estrela

Corre entre as prateleiras de brinquedos a informação de que Carlos Tilkian está negociando a venda de uma parte da Estrela.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.15
ED. 5069

INB de mudança

O ministro Eduardo Braga tem feito gestões junto a Aloizio Mercadante com o intuito de transferir a Indústria Nucelares Brasileiras (INB) da Pasta de Ciência e Tecnologia para a área de Minas e Energia. Será falta do que fazer?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.15
ED. 5069

Ventos da Bahia

O governador Rui Costa está embalando uma série de medidas para estimular a instalação de parques eólicos na Bahia. O pacote inclui de incentivos fiscais a empréstimos da Desenbahia, a agência de fomento do estado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.15
ED. 5069

O empresário Mauro Campos

O empresário Mauro Campos ganhou o leilão do estaleiro Caneco, mas não levou. O consórcio capitaneado por Campos ainda não conseguiu comprovar capacidade financeira para honrar o pagamento, razão pela qual a assinatura do contrato de venda não foi autorizada pela Justiça do Rio de Janeiro. Campos corre contra o tempo em busca de funding. O estaleiro Rio Nave, controlado pelo empresário, depende das instalações do antigo Caneco para construir suas embarcações.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.