Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
03.02.15
ED. 5054

Só o apoio das ruas afasta o fantasma da renúncia

Nem Joaquim Levy é tão irredutível, nem Dilma Rousseff é tão vira-casaca. Por mais que pareça inverossímil, a presidenta e o ministro da Fazenda têm um acordo de sintonia fina entre a política de ajuste e os indicadores sociais. Os dois terão de ceder um pouquinho. Segundo um dos ministros mais prestigiados, a conversa entre Dilma e Levy sempre foi balizada pelo fato de a faxina nas contas públicas levar em consideração a responsabilidade social. Algo parecido com o que faz o Banco Central norte-americano, só que aplicado a  política fiscal. O social não terá motivos para festejar em 2015 e, provavelmente, em 2016, mas não será o arrasa- quarteirão que está sendo projetado. Para isso, o governo conta com a resiliência da taxa de desemprego. Nesse cenário, o índice de 4,3% apurado em dezembro teve enorme valor simbólico. Não apenas por ter representado o menor patamar de toda a série histórica, mas, sobretudo, por corroborar que os níveis de retenção do trabalho vêm resistindo a  economia cadente. Por mais paradoxal que isso possa parecer, a retração da atividade econômica não tem contaminado a taxa de desemprego. Esse fenômeno se explica, em grande parte, pelo fato de que os números trazem embutido um nível elevado de empreendedorismo – leia-se pessoas que deixaram seus postos de trabalho para abrir seu próprio negócio, notadamente na área de serviços, que cresce expressivamente acima da atividade industrial. Há quem considere que o salário mínimo foi mais importante em termos de distribuição de renda do que até mesmo as políticas de transferência do governo. Visto sob esse prisma, a notícia nada alvissareira é que o futuro reajuste do mínimo vai refletir dois anos de PIB declinante – 2013 e 2014 -, o que deverá se repetir também em 2016. De qualquer forma, mesmo que diminuto, o salário terá o crescimento real. No entanto, há males que vêm para o bem. Neste momento em que a economia se arrasta, uma política mais contida de reajuste pode ter um efeito colateral positivo, tornando-se fator de manutenção do nível de emprego. A olho nu, pode parecer que a preocupação com o social seja mais um blefe de Dilma Rousseff. Esta pauta está mesmo longe de figurar entre as premissas absolutas que conduzem Joaquim Levy. Ele, no entanto, tem a noção radical do quanto o êxito da sua missão está diretamente vinculado a  capacidade de manter a fama de mau. Muito do discurso de que fará o ajuste econômico a qualquer preço é guiado pela necessidade de reverter as expectativas. Levy sabe o que está falando e, sobretudo, para quem está falando. Mas tanto ele quanto Alexandre Tombini aumentam alguns tons na promessa para entregar o que é possível. No Planalto, no entanto, a conversa é outra. É bem verdade que o RR lava suas mãos, pois Dilma não cumpre o que fala. O que a presidenta da República diz, notadamente em relação a  economia, sequer se escreve. Afinal, não dá para entregar maus-tratos fiscais com carinho social. Acuada por todos os lados, Dilma só conta com os saldos positivos das suas políticas compensatórias. Ela sabe melhor do que ninguém que o controle do segundo mandato dependerá cada vez mais de sua popularidade. Na atual circunstância, se o torniquete apertar em demasia, Dilma acabará perdendo não apenas a voz rouca das ruas, mas também a voz roufenha do PT. Nesse caso, então, a renúncia não seria uma hipótese descartável.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.02.15
ED. 5054

Energia a galope

a€ sombra da ameaça de racionamento, a Aneel prepara a toque de caixa um leilão de energia termelétrica. Deverão ser comercializados 1,5 mil megawatts.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.02.15
ED. 5054

Sabesp

Geraldo Alckmin sinalizou ao presidente da Sabesp, Jerson Kelman, um aporte extra de até R$ 1 bilhão na companhia. Resta saber o que o secretário de Fazenda, Renato Villela, o “Levy” de Alckmin, pensa sobre o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.02.15
ED. 5054

Três das chamadas empreiteiras médias

Três das chamadas empreiteiras médias andam papeando sobre a fusão dos seus negócios. Brincadeira ou não, a nova empresa poderia se chamar “Ego” ou “Ogo”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.02.15
ED. 5054

Fronteira elétrica

Os governos do Brasil e do Peru retomaram as conversações para a construção de uma hidrelétrica bilateral. O projeto, em torno de US$ 4 bilhões, seria conduzido pela Eletrobras e pela Electroperu. Entre tantas pendências, provavelmente as duas estatais terão de buscar uma nova empreiteira. Originalmente, o trabalho caberia a  OAS. Mas, agora, convenhamos…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.02.15
ED. 5054

Torre do terror

Quase todas as noites, os executivos da Hines no Brasil são atormentados pelo mesmo pesadelo, que se manifesta em duas versões. Na mais “branda”, chega o ano de 2018 e a Petrobras decide não renovar o aluguel da Torre do Almirante, no Centro do Rio. Na versão mais angustiante, a estatal devolve o imóvel antes do prazo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.02.15
ED. 5054

Lombalgia

Os gestores do Pátria Investimentos cansaram de tanta malhação. O private equity deverá se desfazer da sua participação na rede de academias Bio Ritmo. É suor demais para rentabilidade de menos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.02.15
ED. 5054

Ao relento

O ex-senador Osmar Dias anda se sentindo meio órfão. O motivo não está muito claro, mas seu partido, o PDT, não tem feito lá muita força para assegurar sua permanência na vice-presidência de Agronegócio do Banco do Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.02.15
ED. 5054

Ar condicionado

Os sul-coreanos da Midea vibram com o calor dos trópicos. As vendas de aparelhos de ar condicionado da empresa em janeiro cresceram 20% no comparativo com o mesmo mês em 2014. Se vai ter energia para manter essa parafernália ligada, são outros quinhentos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.02.15
ED. 5054

Leite derramado

 A francesa Lactalis, que comprou os ativos da BRF na área de laticínios, cogita fechar até três das 12 fábricas herdadas. Procurada, a empresa informou “ainda não ter informações concretas sobre o assunto”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.02.15
ED. 5054

Leito privado

O BTG Pactual retomou contato com o Carlyle para a venda da Rede D`Or. O primeiro encontro entre executivos do banco e do fundo ocorreu em meados deste mês, logo após a sanção da presidente Dilma Rousseff ao artigo que permite a participação de capital estrangeiro em hospitais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.