13.05.19
ED. 6112

Conto do falastrão

Era uma vez um paladino cantante das mazelas da Petrobras. Representante das maiores distribuidoras de combustíveis do país, o diretor de planejamento da Plural, Helvio Rebeschini, tomou como sua missão a crítica permanente à estatal. Bate no refino, endividamento, excesso de pessoal, intervencionismo, insegurança jurídica, bate até na alma do ex-presidente Ernesto Geisel. Virou folclore esse “Roniquito Chevalier” do setor de distribuição de soprando marimbondos contra a Petrobras. Mas tudo tem seu limite. O diretor da Plural desatinou de defender um corte de 30% dos funcionários da estatal, excedente de pessoal que não faria a menor diferença, segundo suas contas. A história passou a ser contada nos corredores da empresa, passando de algo desimportante a um fato gerador de revolta. Rebeschini ganhou seus minutos de fama. Se ousar uma incursão pela Av. Chile encontrará um monte de petroleiros dispostos a sangrar o combustível da sua garganta matraqueira.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.