Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
10.01.19
ED. 6030

Negócio de pedigree

A gestora Warburg Pincus vai dar adeus a seus bichinhos de estimação: colocou à venda a participação de 54% na Petz, maior rede de petshops do Brasil, com 67 lojas. Desde que entrou no negócio, em 2013, o faturamento saltou de R$ 200 milhões para R$ 1 bilhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Apetite redobrado

Warburg Pincus e Gávea Investimentos, acionistas do Grupo GPS, começam a tracejar o IPO da holding, que engloba desde serviços na área de segurança empresarial ao negócio de refeições coletivas. O prato deve ser servido no primeiro semestre de 2019. Com faturamento na casa de R$ 2,8 bilhões, a GPS tem se notabilizado pelo apetite aquisitivo, notadamente no segmento de refeições: só no ano passado comprou quatro concorrentes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.16
ED. 5474

Disputas societárias rasgam o figurino da Restoque

 A frustrada fusão com a InBrands esgarçou de vez o já frágil tecido societário da Restoque, holding do varejo de vestuário que reúne marcas como Dudalina, Rosa Chá e Le Lis Blanc. Donas de 44%, as norte-americanas Warburg Pincus e Advent se articulam com outros acionistas para ampliar sua presença no Conselho e tomar a gestão da empresa. A movimentação estaria sendo acompanhada pela compra de ações em Bolsa – na primeira semana de outubro, em um intervalo de apenas três pregões, a cotação chegou a subir 10%. O objetivo das duas gestoras seria tirar da linha de frente da Restoque os empresários Marcio Camargo, fundador e maior acionista individual, e Marcelo Faria de Lima. Embora somem uma participação societária inferior à dos norte-americanos, ambos dão as cartas na administração. Camargo e Lima ocupam respectivamente a presidência e a vice-presidência do Conselho. “Culpa” da própria Warburg e da Advent, que aceitaram esta configuração ao vender a Dudalina para a Restoque e se associar à empresa, no fim de 2014. A harmonia societária não durou sequer uma coleção de verão. Poucos meses depois, todos já travavam uma briga de gato e rato pelo controle da companhia.  O round mais recente se deu em abril deste ano, Lima e Camargo teriam se unido a outros investidores na tentativa de aumentar o número de representantes no Conselho e, assim, reduzir o espaço da Warburg e da Advent. Prontamente, as duas gestoras compraram ações em Bolsa, aumentaram sua participação e barraram a ofensiva dos dois investidores. Agora, querem dar o xeque-mate, tirando os desafetos do comando do board. Warburg e Advent jogam na conta de Marcio Camargo e de Marcelo Lima o fracasso nas negociações com a InBrands. Ambos teriam feito uma série de exigências para concluir a associação. Foi uma das razões para a InBrands desistir da fusão, juntamente com o risco jurídico que a Restoque carrega. Os irmãos Renê e Renato Mauricio Hess de Souza – da família fundadora da Dudalina – questionam na Justiça a venda da grife para a Advent e a Warburg, em 2013. Ambos querem desfazer o negócio, o que automaticamente significaria o cancelamento da transferência da marca para a própria Restoque.  O mau desempenho da Restoque apimenta ainda mais a relação entre seus sócios. No primeiro semestre deste ano, a receita caiu 8% em relação ao mesmo período de 2015. Já o Ebitda recuou 29%. O maior fator de pressão, no entanto, é o crescente passivo. A relação dívida líquida/Ebitda já está em três para um. Há pouco mais de dois anos, era de dois para um. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Restoque e Advent, Warburg.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.16
ED. 5450

Onipresença

 A Ultrapar está rastreando aquisições na Argentina e no Chile. O negócio deverá ser feito em parceria com a Warburg Pincus. A companhia de private equity, com sede em Nova York, participou da disputa pela AleSat, vendida para a Ultrapar. Se tivesse se antecipado um pouquinho, a dupla teria levado na bacia das almas os postos da antiga Peres Companc, na Argentina, vendidos pela Petrobras Energia. • Procuradas, as seguintes empresas não se pronunciaram ou não comentaram o assunto: Grupo Ultra.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.08.16
ED. 5424

Camil in USA

A Camil Alimentos sonha alto após a entrada do Warburg Pincus em seu capital. A empresa enxerga na associação um passaporte para a compra de fabricantes de alimentos nos Estados Unidos. Ao lado da Angra Holdco, o Warburg comprou 31,75% da Camil que pertenciam ao Gávea. • Procuradas pelo RR, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Camil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.07.16
ED. 5412

Saúde em dia

 A norte-americana Warburg Pincus é candidatíssima à compra de ativos na área de saúde no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.06.16
ED. 5392

Fundos querem a InBrands longe do cabide da Restoque

 Marcio da Rocha Camargo, acionista controlador da Restoque, imaginou que poderia operar seus sócios, costurando-os quase a fórceps ao projeto de fusão com a InBrands. Mas é o empresário que corre o risco de acabar operado e costurado por eles. Os outros dois grandes acionistas da companhia, Warburg Pincus e Advent, não estariam dispostos a participar do aporte de capital necessário para a fusão e a consequente criação da maior holding de moda do país, com mais de 20 grifes e faturamento de R$ 3 bilhões. Camargo já dava a presença da dupla como favas contadas. No entanto, as gestoras questionam a operação, os valores envolvidos e seus benefícios para a companhia. Estima-se que a associação entre as duas empresas só se viabilize mediante uma capitalização superior a R$ 500 milhões. Warburg e Advent, donos de 44% da Restoque, são o fiel da balança: sem eles, vai ser difícil Camargo fechar a conta.  Não é de hoje que as duas gestoras e Marcio da Rocha Camargo vivem às agulhadas. Os norte-americanos contestam a política de aquisições do empresá- rio, que, na visão dos fundos, entulhou as prateleiras do grupo com marcas demais e resultados de menos. Ainda assim, Camargo acreditou que conseguiria arrastá-los para a operação por conta do tamanho do negócio. Os norte-americanos, ressalte-se, não estão sozinhos no bloco do contra – aliás, se há alguém isolado neste momento é o fundador da Restoque. A postura reativa da Warburg e da Advent reflete o descontentamento dos demais acionistas da companhia, estampado nas cotações da ação. Desde o anúncio do memorando de entendimentos para a fusão com a InBrands, no dia 3 de junho, a Restoque derrete na Bolsa. Em menos de duas semanas, perdeu mais de um quarto do seu valor de mercado.  Entre os investidores predomina a percepção de que a associação é um negócio, no mínimo, duvidoso. A Restoque já carrega uma dívida líquida equivalente a 3,7 vezes seu Ebitda. Ao se associar com a InBrands, vai pendurar no seu cabide uma empresa com uma relação passivo/Ebitda de quase quatro vezes. Ao mesmo tempo, herdará diversas grifes tão ou mais deficitárias quanto as suas, como Richards e Ellus. Procuradda pelo RR, a Restoque não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.09.15
ED. 5198

Saldo de inverno

A norte-americana Warburg Pincus, que já é acionista da Dudalina, tem cerca de US$ 200 milhões no bolso do colete para a aquisição de novas participações no varejo brasileiro. Está tudo tão barato.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.06.15
ED. 5149

Pós-graduação

A norte-americana Warburg Pincus estaria negociando a compra de uma participação na Eduinvest, dona dos colégios Anhembi- Morumbi e Anchieta. Com os recursos, o empresário Marco Gregori, controlador do grupo, espera matricular seu nome na lista de consolidadores do setor.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.