Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
02.09.16
ED. 5447

O quinta coluna da construção pesada

 A saída de Vítor Hallack do comando da Camargo Corrêa não foi motivada somente pela passagem de bastão para a terceira geração do grupo. A presença do executivo tornou-se insustentável devido à sua rejeição unânime por todos os grandes players da construção pesada. Hallack é considerado um traidor da classe, um oportunista que se aproveitou da condição de a Camargo Corrêa ter inaugurado a temporada de delações premiadas para denegrir as demais construtoras no exterior.  Só a Camargo Corrêa tinha o benefício do perdão; a concorrência era morfética perante a Lei, o governo e o mercado. O fato é que a convivência com seus pares, a exemplo da Associação Brasileira da Indústria de Base-Infraestrutura (Abdib) e do Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon), tornou-se inviável. Hallack, aos olhos dos demais comandantes do setor, era Judas Iscariotes. O cargo de CEO não é compatível com a transformação da parceria histórica do oligopólio das empreiteiras em uma praça de guerra. Estava planejado, sim, que Vitor Hallack deixaria a presidência da Camargo Correa por decisão da família controladora de trazer para o management a prole em ascensão. Mas a destruição da diplomacia empresarial da construtora no seu núcleo duro de articulações certamente precipitou o processo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.11.15
ED. 5252

O Silvério dos Reis da construção pesada

 As entrevistas casadas do presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa, Vítor Hallack, à Folha de S. Paulo e ao Valor Econômico racharam de vez o top five da construção pesada. Hallack foi às páginas para louvar suas delações e acordos e dizer que “passa a ter posição privilegiada e a sociedade já percebeu isso”.  Hallack vem sendo chamado de “traidor”, “sujo” e “Calabar”, somente para citar alguns epítetos, porque as demais empreiteiras descobriram que a Camargo Corrêa está trabalhando essas informações na mídia no exterior. A ideia é fechar os mercados no estrangeiro para as demais empresas brasileiras, propalando que todas se encontram sem capital reputacional para disputar as concorrências públicas. Se houver nova delação premiada, é bom que a Camargo Corrêa se cuide.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.