Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
14.03.19
ED. 6072

Aterrissagem

A francesa Vinci vai despejar potência no bloco de seis aeroportos do Nordeste, que será leiloado amanhã.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.01.18
ED. 5783

Amálgama

Carlyle, Vinci e Advent estariam trocando figurinhas em torno de uma possível combinação de ativos na área de educação. O objetivo de parte a parte seria engordar o gado para uma venda conjunta do negócio. Do lado do Carlyle e da Vinci, a operação passaria pela Uniasselvi; no caso do Advent, envolveria o Centro Universitário Serra Gaúcha.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.01.17
ED. 5539

Volta às aulas

O fundo norte-americano Advent já teria apresentado uma oferta pelas participações da Vinci e do Carlyle na Uniasselvi. A rede de universidades está avaliada em torno de R$ 1,3 bilhão. Se consumada, a operação será um reencontro de velhos conhecidos. O Advent foi sócio da Kroton, que, por sua vez, controlou a Uniasselvi até outubro de 2015.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.05.16
ED. 5376

Aterrissagem

 A francesa Vinci, que já comprou a Orteng Engenharia, pretende participar da próxima rodada de concessões aeroportuárias. O grupo administra 20 terminais na França, Portugal e Camboja.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.12.15
ED. 5273

Vai sobrar vaga

 Há um impasse em torno da venda da Estapar, a rede de estacionamentos controlada pelo BTG. A francesa Vinci quer comprar apenas alguns ativos da empresa e não o pacote completo. Ou seja: nesse modelo, o banco ainda terá de sair à caça de um segundo comprador para as operações menos atraentes da companhia. Procurada pelo RR, a BTG não retornou e não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.10.15
ED. 5236

Venda da Uniasselvi

  Rodrigo Galindo, acionista e presidente da Kroton, ainda tentou esticar um pouco mais as negociações para a venda da rede de universidades Uniasselvi, na expectativa de que surgisse um investidor disposto a pagar a pedida inicial do grupo, de R$ 1,6 bilhão. Mas, como Godot nunca chega, foi voto vencido e teve de engolir a oferta conjunta dos fundos Carlyle e Vinci, em torno de R$ 1,1 bilhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.