fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
27.08.18

Negociação

O norte-americano HIG Capital estaria negociando a compra do hospital da Unimed, na Barra, avaliado em R$ 600 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.03.18

Saúde financeira

Julio Bozano e Elie Horn, dono da Cyrela, são candidatos à compra de uma participação no hospital da Unimed-Rio na Barra da Tijuca. A operação é avaliada em aproximadamente R$ 600 milhões. Bozano e Horn se uniram recentemente para criar a Hospital Care, holding que já fechou a compra do Hospital São Lucas de Ribeirão Preto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.10.17

Unimed vs. Celso Barros

O contencioso entre a Unimed-Rio e seu ex-presidente Celso Barros caminha para um novo round. A diretoria da operadora de planos de saúde está decidida a responsabilizar judicialmente o ex-dirigente caso fique comprovada a ocorrência de ilegalidades fi cais na sua gestão. A Polícia Federal, que entrou no caso ao lado da Receita, investiga há seis meses supostas fraudes tributárias na companhia, da ordem de R$ 500 milhões. Ressalte-se que a Unimed-Rio já processa Barros e outros ex-dirigentes por irregularidades contábeis no balanço de 2014.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.02.17

Fantasmas da Unimed

Pressionados por uma dívida de R$ 2 bilhões, os dirigentes da Unimed-Rio rezam para que não surja a sua frente qualquer outra assombração do passado. Nos tempos de Celso Barros, quando começou a acumular dívidas tributárias com o governo e a prefeitura do Rio, a operadora contratou o escritório de Adriana Ancelmo para ajudar na questão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.12.16

Tomografia contábil

A aprovação das contas da Unimed-Rio em 2014 e 2015, em assembleia realizada ontem, não serenou os ânimos entre os médicos. Associados da cooperativa exigiram uma perícia nos balanços. Há dúvidas – ou seriam certezas? – em relação ao real prejuízo nos últimos dois anos, oficialmente de R$ 548 milhões. Procurada, a Unimed-Rio confirmou que a perícia será feita.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.11.16

Mal para a saúde

A compra da Clínica São Vicente pela Rede D’Or caiu como uma ducha de água fria sobre a direção da Unimed-Rio. A operação diminuiu consideravelmente as chances do Grupo D’Or comprar de imediato o hospital da empresa de planos de saúde na Barra da Tijuca. Avaliado em R$ 700 milhões, trata-se do único trunfo da Unimed para reduzir sua dívida de quase R$ 2 bilhões.

•••

 Por falar em Unimed-Rio, a ANS subiu o tom nas negociações para que a Unimed Brasil assuma o controle da enferma coligada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.11.16

Vidas aflitas

 Por conta das “crises” – a da economia e a sua própria –, a Unimed-Rio já teria perdido cerca de cem mil clientes do início de 2015 para cá. Hoje, são 830 mil vidas.

• Procuradas pelo RR, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Unimed-Rio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.10.16

Até o limite

 A ANS está empenhada em buscar uma solução de mercado para a Unimed-Rio , com a flexibilização das exigências para a transferência da carteira. A liquidação da empresa é a última instância na lista de hipóteses da agência.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.10.16

Unimed-Rio divide a conta da UTI com Celso Barros

 Celso Barros pode até ter se “esquecido” da Unimed-Rio, mas os cinco mil cooperativados da Unimed-Rio não se esqueceram de Celso Barros. Em meio à gravíssima crise financeira e ao crescente risco de liquidação do plano de saúde, os associados da empresa aprovaram a abertura de uma ação de responsabilidade contra Barros, destituído da presidência da cooperativa em julho. A medida deverá se estender também a outros nomes da antiga diretoria, como Alfredo Cardoso, que ocupou a superintendência-geral da operadora de medicina de grupo entre março de 2015 e julho deste ano. Os médicos – em especial o grupo político “Segunda Opinião”, que sempre fez oposição a Barros – querem o bloqueio do patrimônio pessoal do pediatra e de outros ex-executivos para cobrir as perdas da empresa, que carrega um passivo próximo dos R$ 2 bilhões.  Em assembleia realizada no último dia 27 de setembro, os cooperativados da Unimed-Rio se recusaram a fazer um aporte em torno de R$ 500 milhões na empresa. A decisão colocou ainda mais dúvidas sobre a capacidade de sobrevivência do plano de saúde. Dirigentes da própria Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) já declararam que a solução para os problemas financeiros da Unimed-Rio passa obrigatoriamente pela capitalização. A empresa ainda tenta outro caminho, com a venda de ativos, a começar por um hospital na Barra da Tijuca. Seu patrimônio, no entanto, da ordem de R$ 1 bilhão, cobre apenas a metade do passivo total.  Independentemente do receituário que a UnimedRio vai adotar, a firme disposição dos cooperativados é trazer o ex-todo poderoso Celso Barros para o centro do problema. Entre os sócios da empresa, predomina o sentimento de que, em certa medida, sua destituição da presidência foi muito mais um prêmio do que um castigo. Hoje, o médico e a companhia parecem viver em mundos diferentes. Nos últimos dias, enquanto o risco de liquidação extrajudicial da empresa dispara, Barros tem dedicado seu tempo a uma série de reuniões para traçar sua estratégia de campanha nas eleições à presidência do Fluminense. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Unimed-Rio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.02.16

Sem saúde

  A Unimed-Rio sofreu mais uma derrota junto à ANS. A agência rejeitou o pedido da empresa para adiar o prazo de apresentação dos balanços de 2014 e 2015, fixado em 31 de março. Até o momento, no entanto, os associados da cooperativa ainda não teriam aprovado sequer as contas de 2014, que, originalmente, apontaram um prejuízo de R$ 198 milhões. A Unimed-Rio diz que “os números estão em fase final de auditoria” e, uma vez consolidados, serão divulgados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.