Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
22.05.19
ED. 6119

JAC e Suzuki cada vez mais distantes

A Suzuki já não acredita mais no interesse da JAC Motors em arrendar sua fábrica em Itumbiara (GO). Para cada semana de conversações com os japoneses, o empresário Sergio Habib some do mapa durante mais de um mês, sem avançar qualquer milímetro na operação. Habib é o dono do grupo SHC, por sua vez, responsável pela marca JAC Motors no Brasil. Aliás, há quase uma década o empresário promete que a JAC terá produção própria no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.10.15
ED. 5226

Suzuki deixa seu sócio brasileiro na estrada

O empresário Eduardo Souza Ramos, sócio de duas grandes montadoras asiáticas no Brasil, trafega entre o rochedo e o mar. De um lado, tem a Operação Zelotes a triscar na lataria da MMC Automotores, representante da Mitsubishi Motors no país e suspeita de participar do suposto esquema de propinas no Carf; do outro, está prestes a ser ejetado da sociedade com a Suzuki, iniciada em 2008. A desativação da fábrica da montadora em Itumbiara (GO), apenas dois anos após sua inauguração, jogou combustível numa relação societária que já vinha aos trancos e barrancos. A Suzuki entende que Souza Ramos tomou a decisão de desativar a fábrica movido única e exclusivamente por seus interesses e negócios pessoais, passando por cima da estratégia traçada para a marca no Brasil. Para os japoneses, o empresário usou a crise no setor automotivo como pretexto para transferir a produção dos veículos Suzuki para a unidade da Mitsubishi em Catalão, também de sua propriedade, reduzindo, assim, a taxa de ociosidade no complexo industrial. Ou seja: tirou da mão direita para encher sua mão esquerda. Procurada, a Suzuki afirmou desconhecer as informações. Pretexto por pretexto, a Suzuki agora tem um bem maior para se desenganchar de Souza Ramos e assumir sua operação no Brasil, decisão que já vem sendo maturada há algum tempo. Antes, no entanto, tem mais um imbróglio para resolver. Os japoneses e o empresário batem de frente em relação ao pagamento dos custos decorrentes do fechamento da fábrica de Itumbiara. Souza Ramos tenta jogar a conta para cima dos sócios. Talvez seja melhor dizer, futuros ex-sócios.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.