fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
14.04.22

A culpa não é só da Petrobras

Em uma das muitas vezes em que falou sobre a Petrobras, Jair Bolsonaro até pareceu dizer uma rara verdade: a estatal deveria fazer mais marketing, ainda mais nesse momento em que vem sendo crucificada pela alta dos preços dos combustíveis. Contudo, ficou mesmo na meia verdade. A estatal só não faz mais marketing devido ao cabresto imposto pela Secom, braço da Presidência, que controla conteúdo e volume de anúncios da estatal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.04.22

Serviços prestados

O chefe da Secom, o coronel da PM do Distrito Federal André Costa, caiu nas graças do clá Bolsonaro. Costa deverá ganhar uma nova missão, integrando o bunker de campanha do presidente Jair Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Fabio Wajngarten, ex-ministro chefe da Secom, está cotado para voltar ao “governo”, atuando na campanha de Jair Bolsonaro. Além do próprio presidente, Wajngarten mantém boa relação com Eduardo Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.08.21

Será que Aras vai dar esse tiro?

Há pressão dentro do Ministério Público para que a Procuradoria Geral da República denuncie a Secretaria de Comunicação (Secom) por incitação ao crime, com base no artigo 286 do Código Penal. A informação foi passada ao RR por um influente subprocurador da República. Na quarta-feira passada, a Secom celebrou o Dia do Agricultor postando a imagem de um homem armado com um rifle – bem ao gosto do “chefe”. Consultada se vai ou não apresentar denúncia, a PGR saiu-se com uma resposta padrão, dizendo que “não antecipa posicionamentos ou manifestações”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.21

O décimo-terceiro trabalho de Hercules

A Secom tem se dedicado a uma missão praticamente impossível: levantar todos os ângulos de críticas ao presidente Jair Bolsonaro em seus relatórios de análise da mídia, que são enviados diariamente ao chefe. Mais fácil seria limpar as estrebarias de Aúgia ou matar o gigante Gerião. A cada dia, os veículos de imprensa encontram novas perspectivas para bater em Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.03.21

O onipresente Flavio Rocha

Mais um sinal da força do almirante Flavio Rocha no governo. Híbrido de secretário de Assuntos Estratégicos e ministro-chefe da Secom, Rocha tem participado ativamente das discussões em torno da implantação de uma rede privativa de comunicação do governo no âmbito dos leilões do 5G.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.03.21

Uma lupa na Secom

Em uma de suas primeiras missões na Secom, o almirante Flavio Rocha deverá passar um pente fino nos contratos publicitários firmados na gestão de Fabio Wajngarten. O curioso é que a Secom não negou a informação. Consultada pelo RR, informou que o “novo secretário analisa a estrutura organizacional, processos e fluxos administrativos, projetos em andamento e contratos em vigor”. Ao que tudo indica, Wajngarten já foi mais próximo da família Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.03.21

“Spoiler”

O almirante Flavio Rocha aproximou-se consideravelmente do ministro das Comunicações, Fabio Farias, nas últimas semanas. Parece até que estava adivinhando que seria escolhido por Jair Bolsonaro para assumir a Secom…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.01.21

A polêmica de cada dia

A retomada das entrevistas quase diárias de Jair Bolsonaro no “cercadinho do Alvorada”, que haviam sido reduzidas, é atribuída a um conselho do chefe da Secom, Fabio Wajngarten.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.11.20

Quando a Secom perde as estribeiras

Não é só na cúpula do governo que tem gente batendo cabeça. Também falta diálogo entre os coordenadores de comunicação dos órgãos federais. Há dias uma assessora de imprensa da Controladoria Geral da União entrou na rede social do grupo pedindo ajuda para resolver “um problema mais ou menos urgente” no órgão. Em tom irônico, e sem se preocupar em saber do que se tratava, um assessor da Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) criticou de forma sarcástica o modo como a colega usava a rede para resolver seus problemas. Ralhou com ela advertindo que, se o assunto era sério, aquele não deveria ser o meio adequado. Chegou a dizer que “mais ou menos urgente” exigia tradução. Urgente, até prova em contrário, é uma coisa só. Se não, escolheria se o assunto era mais ou menos relevante. O RR não disse de modo algum que o assessor irritadiço era o chefe da Secom, José Elísio de Oliveira.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.