fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos

O ex-chanceler Celso Amorim desaconselhou Lula a insistir na sua polêmica tese sobre a guerra entre Ucrânia e Rússia. Em recente entrevista à revista Time, o petista jogou para cima do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, parte da culpa pelo conflito. A ver o que Lula fará com a recomendação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.05.22

Diplomacia da omissão

Circula no Itamaraty a informação de que a OEA deverá emitir, nos próximos dias, uma nova nota condenando os ataques da Rússia à Ucrânia. Promessa, mais uma vez, de pressão da comunidade internacional cobrando um posicionamento do Brasil, na condição de membro da entidade. Até agora o governo Bolsonaro passou em branco. Não assinou a primeira declaração da OEA, no fim de fevereiro, repudiando a invasão da Ucrânia. Tampouco apoiou a resolução aprovada pela Organização dos Estados Americanos em 25 de março pedindo a retirada “imediata” das tropas russas do território ucraniano. Na ONU, o Brasil adotou uma postura dúbia: condenou as ações russas no âmbito Conselho de Segurança da entidade, mas votou contra a expulsão do país do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.04.22

Mais pressão sobre o custo da energia

Segundo um empresário do setor de energia, a estatal boliviana YPFB já sinalizou a importadores brasileiros de gás natural que os preços do produto deverão ser reajustados em até 20%. O aumento será aplicado nas próximas renovações de contrato, como consequência, principalmente, dos efeitos da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.04.22

Embraer traça seu plano de voo para voltar à China

O RR apurou que a Embraer planeja retomar a produção de aeronaves na China. O projeto sobre a mesa passa pela fabricação do jato comercial E2, uma evolução do E-190, por meio de uma joint venture com um parceiro local. De acordo com uma fonte ligada à empresa, o principal candidato é a Comac (Commercial Aircraft Corporation of China), que chegou a ser cogitada como eventual compradora da própria Embraer após o rompimento da associação com a Boeing, em 2020.

Segundo informações apuradas pelo RR nos meios militares, a operação conta com a simpatia das Forças Armadas. Do ponto de vista geoeconômico, há uma oportunidade de ocupação de espaço, potencializada pelos conflitos entre Rússia e Ucrânia e suas consequências sobre o setor.

No rastro do ataque à Ucrânia, as sanções internacionais impostas à Rússia podem deixar um vácuo comercial no mercado de aviões na Ásia. A região é um dos principais compradores do Sukhoi Superjet 100 (SSJ100), aeronave regional de até 100 passageiros produzida pela russa Sukhoi. Ressalte-se que, nos próximos anos, nenhum outro país do mundo vai adquirir mais aviões do que a própria China. Estimativas do setor apontam que, até 2040, os chineses vão demandar mais de 1,5 mil jatos de até 150 lugares.

Retomar a produção no país asiático devolveria à fabricante brasileira uma posição estratégica nesse jogo, perdida há cerca de cinco anos, com a hibernação da Harbin Embraer Aircraft Industry, joint venture criada com a Avic (Aviation Industry Corporation of China). Vento que sopra lá, sopra cá. Do lado da Comac, por sua vez, a aliança com a Embraer permitiria mitigar um grave problema: a dificuldade de certificação internacional das suas aeronaves.

A indústria aérea chinesa enfrenta notórios percalços na homologação de seus projetos, ao contrário da Embraer, conhecida no mercado pela capacidade de adequação de suas aeronaves a padrões internacionais. Consultada sobre os planos de voltar a produzir na China, a Embraer não quis se manifestar. O fato é que o projeto, de certa forma, marcaria o fim de um complexo período de transição da companhia.

Ou melhor, de “destransição”. A empresa ficou praticamente parada por quatro anos: passou dois anos se preparando para ser Boeing e outros dois para deixar de ser. Vários funcionários deslocados para os Estados Unidos tiveram de ser reinternalizados. Havia projetos conjuntos sendo desenvolvidos em Eugenio de Melo, distrito de São José dos Campos, aos quais pouquíssimos engenheiros do lado brasileiro tinham acesso; a primazia era quase toda de profissionais da Boeing. Como se diz dentro da própria fabricante brasileira, só agora a Embraer está voltando a ser Embraer.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.03.22

Balança comercial

A Índia está compensando a redução dos embarques de soja para a Rússia. Segundo informações filtradas do Ministério da Agricultura, as exportações do cereal para o país asiático cresceram 15% no mês de março, em comparação com o mesmo período no ano passado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.03.22

Rússia leva Cargill a aumentar aportes em energia renovável

O conflito entre a Rússia e a Ucrânia, que jogou os preços do petróleo nas alturas, está estimulando a Cargill a repensar seu plano de investimentos em energia renovável no Brasil. Os norte-americanos, segundo o RR apurou, pretendem aumentar os aportes e a capacidade dos projetos em desenvolvimento. De acordo com uma fonte próxima à empresa, a estratégia da Cargill passa pela entrada no segmento de geração eólica, com a construção de usinas próprias.

Os norte-americanos estudam também aumentar a produção de energia a biomassa – a empresa tem uma joint venture no setor com o Grupo São João, a SJC Bioenergia. A prioridade é suprir o consumo das instalações do grupo no país – unidades de esmagamento de soja, fábricas de alimentos, terminais portuários, entre outros negócios. Hoje, a Cargill depende basicamente de terceiros. A empresa mantém, por exemplo, um PPA (Power Purchase Agreement) com a Ômega Energia, válido até 2030, para a compra de energia eólica.

Consultada pelo RR, a Cargill não quis se pronunciar. Na semana passada, a Cargill anunciou a suspensão de seus investimentos na Rússia. A guerra no Leste europeu e suas consequências econômicas aumentaram a urgência na substituição da matriz energética. O mundo todo caminha nessa direção, e a Cargill também. No momento, a companhia está desenvolvendo projetos de geração eólica em dez outros países, entre os quais Estados Unidos, Índia, Chile e Colômbia.

Some-se à premência dos fatos outra variável importante: os investimentos em fontes renováveis de energia fazem parte do plano global da Cargill de redução das suas emissões de carbono. A meta do grupo é cortar a liberação de gases de efeito estufa de sua cadeia de suprimentos global em 30% por tonelada de produto até 2030.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.03.22

O preço da guerra

Efeito colateral da guerra entre Rússia e Ucrânia sobre o agronegócio brasileiro: distribuidores de fertilizantes do Centro-Oeste já estão pagando US$ 850 pela tonelada do cloreto de potássio. No início de fevereiro, o preço estava em torno de US$ 320. A preocupação dos militares com o risco de desabastecimento do insumo no país é mais do que justificável – ver RR edição de 7 de março.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.03.22

O “custo Putin” para as térmicas brasileiras

A guerra entre Rússia e Ucrânia deve jogar pólvora nos custos da geração térmica no Brasil. Segundo o RR apurou, cálculos preliminares do Ministério de Minas e Energia apontam que os gastos para o abastecimento das termelétricas a gás ou diesel poderão duplicar caso o conflito se estenda por dois meses ou mais. Os estudos levam em consideração as projeções de alta do petróleo e derivados no mercado internacional e seu impacto sobre a política de preços da Petrobras. O Brasil tem 166 usinas movidas a gás natural e outras 2.260 a óleo diesel. Menos mau que São Pedro está ajudando com as chuvas recentes. O ONS estima que os lagos do subsistema Sudeste/Centro-Oeste, por exemplo, chegarão ao fim deste mês com algo em torno de 60% da capacidade. A se confirmar, será o melhor nível desde meados de 2016.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.03.22

Conflito na Europa oriental pode ser bem longo

A guerra entre Rússia e Ucrânia poderá demorar muito. Ao menos a julgar pelos dados contidos no documento reservado de 26 páginas elaborado pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME), ao qual o RR teve acesso. À luz das informações disponíveis no relatório, não se deve desprezar o poder de fogo e a capacidade de resistência da Ucrânia para retardar os ataques russos, notadamente no combate aéreo. De acordo com o documento, “as defesas antiaéreas em Kiev e em outras cidades parecem estar em boas condições, o que deixa os russos com a difícil escolha entre lançar ataques de alta altitude e correr o risco de provocar efeitos colaterais na população ou lançar ataques à baixa altura, correndo o risco de serem abatidos.”.

É sintomático, como aponta a ECEME, que a Rússia não esteja utilizando todo o seu poderio aeronáutico. Além dos sistemas de defesa ucranianos, há outras razões para esse cenário. O relatório da Escola cita “a quantidade limitada de munições guiadas de precisão (PGMs) disponíveis para a maioria das unidades de caça da VKS (Forças Aeroespaciais Russas). Durante operações de combate na Síria, no ano passado, apenas a frota Su-34 fez uso regular de PGMs e mesmo essas aeronaves de ataque especializadas recorreram regularmente às bombas não guiadas e ataques com foguetes.

Isso indica a falta de adestramento para o uso dessa munição e um possível esgotamento do estoque da mesma, depois da campanha da Síria.” Outra explicação cogitada é que “a VKS não está confiante em sua capacidade de desconflitar com segurança surtidas de aeronaves em larga escala com a atividade das baterias de mísseis terra-ar russas, operadas pelas Forças Terrestres.” De acordo com a ECEME, “incidentes de fogo amigo por unidades terrestres têm sido um problema para as forças aéreas ocidentais e russas em vários conflitos desde 1990”. A Escola de Comando e Estado -Maior do Exército aponta ainda outras fragilidades da Força Aérea russa. É o caso do “número relativamente baixo de horas de voo que os pilotos da VKS recebem a cada ano.”

Segundo o relatório, “embora seja difícil encontrar números precisos em cada unidade, declarações oficiais russas sugerem uma média de 100 a 120 horas por ano, além da falta de acesso a simuladores modernos para treinamento.” O combate aéreo, ao que tudo indica, é uma vulnerabilidade das forças militares de Vladimir Putin. A ECEME enfatiza que “apesar de um impressionante programa de modernização de cerca de 350 novas aeronaves de combate modernas na última década, pode ser que os pilotos da VKS tenham dificuldades para empregar efetivamente muitas das capacidades teóricas de suas aeronaves no ambiente aéreo complexo e contestado”. Nesse caso, reforça a Escola, “o comando da VKS pode hesitar em se compro- meter com operações de combate em larga escala, que mostrariam a lacuna entre as percepções externas e a realidade de suas capacidades.”

A Ucrânia tem se aproveitado dessa debilidade militar russa. A resposta ucraniana vem, sobretudo, com o uso de aeronaves Su-25, que voam em pares e têm realizado “vários ataques de mísseis e bombas a colunas de veículos blindados e militares inimigos nas regiões de Kiev e Zhytomyr”, afirma a ECEME no mesmo documento reservado. Aviões da Ucrânia realizam ofensivas também nas regiões de Chernihiv e de Berdyansk. Há registros de pelo menos quatro ataques com bombas a colunas mecanizadas, comboios com combustível e lubrificantes na região. O país tem utilizado ainda drones Bayraktar TB2 para atacar blindados e o sistema de mísseis antiaéreo Buk, da Rússia. De acordo com a ECEME, “há indícios que a Ucrânia atacou a base aérea russa de Taganrog, que abriga aeronaves de transporte Il-76. dos aviões.

A Ucrânia possui mísseis balísticos que poderiam ser empregados em tal ataque, como o Tochka-U. Caso seja comprovado, o ataque demonstra que a Ucrânia ainda tem capacidade de utilizar o espaço aéreo de forma ofensiva, inclusive além do seu território.” Nesse cenário, os ucranianos têm conseguido superar a assimetria das respectivas Forças Aéreas, ao menos em termos numéricos. De acordo com dados do serviço de pesquisa estratégica Inteligência Janes mencionados no documento da ECEME, a Rússia soma 132 bombardeiros, contra nenhum da Ucrânia. Tem ainda 832 caças, contra 86 dos ucranianos. A Força Aérea russa reúne também 358 aviões de transporte, cinco vezes mais do que o inimigo – 63 aeronaves.

O único quesito em que a Ucrânia leva vantagem é na sua frota de drones: 66 a 25. Ainda assim, a Ucrânia tem imposto duras perdas à Rússia. No último dia 2 de março, pontua a ECEME, pilotos de caça ucranianos interceptaram e derrubaram dois aviões russos. A Ucrânia te se utilizado também de mísseis antiaéreos S-300. Já o sistema de mísseis Buk M-1 derrubou um míssil de cruzeiro e um helicóptero da Rússia. A Escola de Comando e Estado-Maior do Exército ressalta que “a tomar por referência a atuação desses meios aéreos e antiaéreos ucranianos, conclui-se que a Rússia ainda não possui a superioridade aérea em todo o Teatro de Operações (TO)”. Diz a ECEME: “A Força Aérea Russa ainda não desfruta de total superioridade aérea na Ucrânia, apesar da larga vantagem numérica, o que é parte da razão para o lento progresso do Exército no terreno”.

Ou seja: a eficiência da Ucrânia no combate aéreo tem sido importante para conter ou ao menos postergar a investida russa sobre Kiev. As manobras para a tomada da capital são intensas. O informe da ECEME enfatiza o esforço russo para chegar à cidade pelo lado leste, vide o ataque uma base militar localizada em Sumy. A aproximação de um comboio russo a noroeste do Rio Dnieper indica ações coordenadas “para o isolamento e a conquista de pontos na orla da capital”.

Tais ações, segundo a avaliação da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, sugerem “a mudança da natureza dos alvos selecionados pela Rússia. Enquanto no princípio da campanha, os alvos priorizados eram, primordialmente, postos de comando e controle, bases aéreas, sensores da artilharia antiaérea e depósitos de munição, no atual momento, estão sendo direcionados esforços para minar a vontade de lutar do defensor, atuando contra alvos no interior de localidades densamente povoadas (Kharkiv e Kiev) e que possam contribuir para a modelagem da dimensão informacional, como torres de televisão e prédios de governo local.” Simultaneamente aos avanços terrestres, os bombardeios têm se intensificado. O documento cita que “a Rússia continuou a atingir estruturas civis em áreas urbanas, das quais destacam-se o edifício de administração regional de Kharkiv e uma torre de TV em Kiev. Em ambos os casos, provavelmente foram empregados mísseis. No caso do edifício, há indícios da utilização de um míssil de cruzeiro Kalibr. Assim, verifica-se a importância de empregar a Artilharia Antiaérea em meio urbano, em defesa a estruturas sensíveis.”

A era dos ciberataques

O relatório da ECEME cita também o combate entre Rússia e Ucrânia na nevrálgica área de Inteligência. Está patente, segundo o documento, que “desde o início, os russos possuíam conhecimento suficiente sobre as estruturas estratégicas da Ucrânia”. Esse estudo estratégico, de acordo com a Escola, “facilitou o levantamento de alvos altamente compensadores a serem atacados no início e durante o transcurso da invasão”. A Rússia, por exemplo, dedicou-se, desde o começo, à tomada de aeroportos, “já pensando em um apoio logístico por meio aéreo em larga escala para operações futuras ou alvos com suas vulnerabilidades”. Ainda assim, também na guerra virtual, a Ucrânia tem conseguido resistir e ganhar tempo. Sua tática consiste, sobretudo, no emprego de ataques cibernéticos contra sistemas de Comando, de Comunicações e de Controle. O próprio ministro da Transformação Digital, Mykhailo Fedorov, convocou abertamente colaboradores para realizar ciberataques, notadamente de negação de serviço DdoS – tipo de ataque em que criminosos usam várias máquinas para enviar solicitações a um servidor com o objetivo de sobrecarregá-lo e impedir que ele seja usado por usuários verdadeiros. Também houve invasões a sites de empresas, de bancos e de órgãos do governo da Rússia. A página oficial do Kremlin, por exemplo, chegou a ficar fora do ar. A Escola de Comando e Estado -Maior do Exército chama a atenção para o fato de que “a atual guerra já mostra uma evolução no contexto da Guerra Híbrida: grupos de indivíduos ou hackers com conhecimento de cibernética participando do conflito ao realizarem ataques ou explorações cibernéticas junto aos países contendores de dentro de seus lares ou de seus escritórios, o que torna o ambiente de operações militares ainda mais complexo, com implicações para o ramo da inteligência e da contrainteligência.”

A disputa da narrativa

O documento reservado da ECEME dedica razoável espaço para tratar das operações de informação e desinformação. Rússia e Ucrânia se enfrentam em outro combate, o da narrativa, para disseminar sua versão dos fatos seja entre os seus, seja, sobretudo, entre a comunidade internacional. Persuadir a opinião pública global é um dos fronts desta guerra. Nesse quesito, a Ucrânia leva notória vantagem, ao ter o apoio maciço de boa parte das grandes potências globais. Os pilares do discurso do país citados pela ECEME, são: a resistência ucraniana surpreendeu os russos; princípio de autodeterminação dos povos; heroísmo do povo ucraniano; elevação a herói do presidente Zelensky; destaque à desproporcionalidade de potência militar entre a Ucrânia e Rússia; solicitação de adesão por parte da Ucrânia à União Europeia; acusação contra a Rússia de realizar bombardeios contra alvos civis, além de ataques terroristas e crimes de guerra”. Do lado da Rússia, as ações de informação têm como objetivo principal difundir a ideia de que as Operações Militares Especiais na Ucrânia não são uma invasão. O trabalho de comunicação de Moscou tem se dedicado a propagar justificativas para o ataque, entre as quais “defender os interesses russos na Ucrânia; proteger a população majoritariamente russa na região de Donbass; refutar a expansão da OTAN junto às fronteiras russas; combater o pretenso nazifascismo ucraniano que aplaca a população de etnia russa, sobretudo no leste da Ucrânia”.

Guerra informacional

O relatório da ECEME elenca uma série de ações de propaganda de guerra realizada pelos dois lados do conflito. O governo da Ucrânia, por exemplo, alçou o soldado Vitaly Skakun ao status de herói de guerra e “símbolo de virilidade” por ter “sacrificado a própria vida” ao destruir uma ponte para deter a aproximação de uma coluna de blindados russos. O governo Putin, por sua vez, ataca a suposta censura sofrida pela agência de notícias russa Sputnik e cunhou a expressão “frenesi russofóbico” do Ocidente, incorporada ao discurso de autoridades, como o ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov. A Escola militar cita ainda que “a Rússia se utilizou de ataque cinético (destruição de uma torre de transmissão de Kiev por meio de bombardeamento), na tentativa de corromper o fluxo de informações e transmissão de dados (não cinético) ucraniano, bem como a realização de ataque na Infraestrutura da Unidade de Operações Psicológicas da Ucrânia.” Essas ações, aponta o relatório, “demonstram claramente a importância dada pela Rússia à dimensão informacional do ambiente operacional”. Ou seja: além de pólvora, muita informação e contrainformação ainda será disparada de parte a parte.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.03.22

Fertilizante vira tema estratégico da área de Defesa

O conflito entre Rússia e Ucrânia levou o Plano Nacional de Fertilizantes para o âmbito da segurança nacional. Segundo o RR apurou, o presidente Jair Bolsonaro tem sido aconselhado a tirar a elaboração do futuro programa da Casa Civil e levá-la para a Secretaria de Assuntos Estratégicos, a cargo do almirante Flavio Rocha, ou para o próprio Ministério da Defesa. A recomendação vem da ala militar do governo. A dependência brasileira dos fertilizantes importados, assunto que, durante décadas, foi conduzido com pouca atenção por seguidas gestões, passou a ser discutido nos Altos-Comandos das Forças Armadas, inteiramente debruçados sobre os impactos da guerra na Europa.

Cabe lembrar que o próprio ministro da Defesa, general Braga Netto, acompanhou Bolsonaro na recente visita à Rússia, principal fornecedor de adubo ao Brasil. Para muitos, o encontro com Putin não passou de marketing diplomático, um evento sem agenda específica. No entanto, naquele momento, a questão dos fertilizantes estava há algum tempo no radar das Forças Armadas.

A reunião com o presidente russo já tinha como objetivo a garantia de manutenção do suprimento dos nutrientes. Foram os militares e não os ministros Tereza Cristina, Paulo Guedes ou Carlos Alberto de França que fizeram o Palácio do Planalto mudar de rota e eleger o assunto como prioridade. A cada dia que passa, as preocupações dos Altos-Comandos mais se justificam. Na última sexta-feira, o governo russo determinou que os produtores de fertilizantes suspendam temporariamente as exportações devido aos problemas logísticos provocados pela guerra. No caso dos fertilizantes, o Brasil depende tanto ou mais dos russos quanto os chineses das proteínas brasileiras.

Não custa lembrar que o Plano Quinquienal da China prevê intensivo plantio de grãos em países como Indonésia, Tailândia e Vietnã, como forma de reduzir a necessidade de importação de grãos brasileiros. O Brasil precisa fazer o mesmo: diversificar suas fontes e aumentar expressivamente a produção interna de adubo, o que deve se dar através de estímulo ao capital estrangeiro, leia-se, por exemplo, a Mosaic ou mesmo a russa Eurochem. Além da atração de investimentos externos, a redução da dependência estrangeira passa também pela entrada ou retorno de grandes companhias ao setor de fertilizantes, casos de Petrobras, Bunge e Vale (ver RR de 21 de fevereiro).

Para os militares, o que está em jogo é uma questão de soberania. Quarto maior consumidor de fertilizantes do mundo, o Brasil importa o equivalente a 85% da demanda interna. Praticamente um quarto desse insumo vem da Rússia. Entre 2020 e 2021, as compras de nutrientes russos saltaram de US$ 1,8 bilhão para US$ 3,5 bilhões. Esse valor corresponde a mais de 60% das importações provenientes da Rússia. Ou seja: a depender da extensão dos combates com a Ucrânia e das consequências comerciais do conflito, o Brasil pode vir a ser duramente afetado na sua principal área de produção econômica, o agronegócio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.