fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
14.10.20

Fast track

Após pagar antecipadamente R$ 5,1 bilhões referentes às outorgas da Malha Paulista e da Norte-Sul, a Rumo Logística espera receber o “troco”: o apoio do governo para acelerar o processo de devolução da concessão da Malha Oeste. ANTT e TCU são os principais obstáculos no caminho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.20

Descarrilamento

A Vale é uma das grandes interessadas que o governo acelere a relicitação da Malha Oeste, no Mato Grosso – a atual concessionária, a Rumo Logística, já iniciou os trâmites para a devolução da licença. O impasse e o atraso nas obras de recuperação da ferrovia têm obrigado a empresa a recorrer ao transporte rodoviário, mais caro, para escoar cem mil toneladas de minério de ferro extraídas pelaMCR, subsidiária integral da Vale.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.09.20

IPO a caminho

Criada a partir da costela da Vale, a VLI Logística prepara seu IPO. Se serve de estímulo, a Rumo Logística acaba de captar R$ 6,4 bilhões com uma oferta subsequente de ações.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.04.20

A “licitação” do ano na infraestrutura

Em meio à pandemia do coronavírus – ou melhor, por causa dela -, o ministro Tarcísio Freitas tem feito gestões junto ao TCU para acelerar a renovação antecipada da concessão da Malha Paulista, pertencente à Rumo Logística. A ANTT já deu o sinal verde – na semana passada, encaminhou toda a documentação ao Tribunal de Contas. Falta apenas o imprimatur do TCU. Com a Covid-19, a renovação da licença da Malha Paulista deve ser uma das raras notícias positivas no setor de infraestrutura em 2020. A extensão do contrato está vinculado a investimentos da ordem de R$ 4 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.12.19

Os sinuosos trilhos do TCU

O empresário Rubens Ometto, dono da Rumo Logística, está cuspindo marimbondos em relação ao TCU. A leitura é que o parecer encaminhado pelo Tribunal de Contas à ANTT, com 39 recomendações, mais emperra do que ajuda na renovação antecipada da concessão da Malha Paulista. Ressalte-se que boa parte das determinações veio do Ministério Público Federal. Na interpretação da Rumo, o TCU lavou as mãos em relação ao caso. A rigor, o ministro Augusto Nardes, relator do processo, não precisaria consultar o órgão – uma vez que o regimento interno do TCU dispensa esse procedimento em casos de privatização ou prorrogação de concessões. Agora, caberá à ANTT deliberar em cima do nada conclusivo relatório do Tribunal. Enquanto isso, mais de R$ 8 bilhões em investimentos atrelados à prorrogação da concessão estão congelados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.07.19

Trilhos sinuosos

A Rumo Logística, que arrematou a Norte-Sul, está conversando com outras operadoras, a exemplo da VLI, sobre a utilização da ferrovia. O chamado direito de passagem é uma das zonas cinzentas do edital e quase levou o TCU a suspender a licitação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.05.19

Rumo ao exterior

A Rumo Logística estaria preparando uma emissão de títulos no exterior. Seria o trem-pagador para financiar a recente compra da concessão da Ferrovia Norte-Sul e o plano de investimentos na Malha Paulista, de R$ 4,5 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.04.19

Norte-Sul para na “estação STF”

A Rumo Logística ganhou, mas pode não levar. A FerroFrente, que reúne associações de trabalhadores do setor ferroviário, entrou com recurso no STF para anular o resultado do leilão da Norte-Sul, vencido pela empresa de Rubens Ometto. O caso está nas mãos do ministro Luiz Roberto Barroso. Não é uma voz isolada. De acordo com a fonte do RR, a russa RZD, que desistiu de disputar a licitação por discordâncias quanto às regras do jogo, também estaria avaliando a judicialização do caso. O nó é o chamado direito de passagem, que permite à concessionária da Norte-Sul o transporte de cargas por ferrovias de outras operadoras. A própria RZD desistiu de participar do leilão por entender que as regras sobre o direito de passagem não eram claras. A FerroFrente tentou suspender a realização da licitação pelo mesmo motivo. Antes mesmo do leilão, espocaram acusações de que o edital foi feito para favorecer a Rumo e a VLI Logística, justamente as duas únicas empresas que disputaram o certame. Ambas controlam ferrovias que levam ao Porto de Santos, exatamente o ponto de escoamento mais importante para os clientes que utilizarão a Norte-Sul. Portanto, estando nas duas concessões, tanto a Rumo quanto a VLI não teriam o menor risco de serem barradas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.03.19

Segundo ato

Informação que circulava ontem no Ministério de Infraestrutura pouco depois do leilão da NorteSul, na B3: a Rumo Logística, que arrematou a licença da ferrovia, vai buscar um sócio para dividir os investimentos de R$ 3 bilhões. A russa RZD seria forte candidata a embarcar nessa locomotiva. O bilhete incluiria ainda a entrada no capital da Malha Paulista, controlada pela Rumo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.02.19

RZD na Norte-Sul

A russa RZD abriu um canal de interlocução com o Ministério de Infraestrutura. O assunto sobre a mesa é a privatização da Norte-Sul, prevista para o fim de março. O grupo já acenou com financiamento de bancos internacionais – o investimento mínimo obrigatório é de quase R$ 3 bilhões. Os russos entrariam na licitação lado a lado da Rumo Logística.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.