fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
10.09.21

Âncora ao mar

Estão bem adiantadas as negociações para a Cosan compra os 51% da chinesa CCCC no projeto de construção de um terminal privado no Porto de São Luís (MA). A empresa de Rubens Ometto já é dona dos outros 49%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.21

Mais gás para a Compass

A Compass, leia-se Cosan, abriu conversações com a YPFB para aumentar substancialmente o volume de gás contratado da estatal boliviana. Trata-se de um movimento estratégico para a empresa de Rubens Ometto. Dona da Comgás, a Compass acaba de comprar o controle da Gaspetro, herdando participações em 19 distribuidoras estaduais de gás.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.08.21

Compass rumo ao sul

Rubens Ometto está com todo gás. O RR apurou que a Compass, leia-se Cosan, vai disputar a privatização d gaúcha Sulgás, prevista ainda para este ano. Pode ser o ativo de número 20 no portfólio da empresa. Com a compra do controle da Gaspetro junto à Petrobras, por R$ 2 bilhões, a Compass herdou participações em 19 distribuidoras do setor.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.07.21

As startups de Ometto

O empresário Rubens Ometto estaria envolvido em um projeto de aquisição de startups da área de energia renovável. Não está claro se é investida solo ou por meio da Raízen, sociedade entre a Cosan, de Ometto, e a Shell.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.05.21

Recursos naturais

Circula que Rubens Ometto estaria mirando em projetos de energia renovável. Não se sabe se penduraria os empreendimentos na Compass ou na Raízen. Faz mais sentido na segunda.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.04.21

Cabo de guerra

A Raízen, de Rubens Ometto, tem jogado duro na negociação do reajuste salarial dos trabalhadores do setor sucroalcooleiro. O RR teve a informação de que a empresa reluta em aceitar o piso mínimo de R$ 1.944,86 proposto pelo sindicato da categoria.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.01.21

Inimigo meu

O empresário Rubens Ometto está engasgado com o vira-casaca de Marcos Lutz. Prestes a assumir uma cadeira no Conselho de Administração do Ultra, Lutz presidiu a Cosan, controlada por Ometto, até abril do ano passado. Tempo suficiente para levar de bandeja para a nova casa informações estratégicas de estudos feitos pelo grupo sucroalcooleiro sobre os ativos em refino da Petrobras. Por coincidência, Ultra e Cosan – por meio da Raízen, joint venture com a Shell – estão duelando pela compra das refinarias Refap, no Rio Grande do Sul, e Repar, no Paraná.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.12.20

Rumo à Ferrogrão

A Rumo Logística, de Rubens Ometto, é tratada dentro do Ministério da Infraestrutura como forte candidata ao leilão da Ferrogrão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.11.20

O leque da Cosan

Quem tem dindim pode doar dinheiro para campanhas eleitorais fadadas a não terem êxito. O dono do Grupo Cosan, Rubens Ometto, por exemplo, entregou R$ 200 mil ao pole position da prefeitura de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). Mas deu também metade da bufunfa de Covas para o tucano Andrea Matarazzo, cuja vitória era, digamos, impossível. Vá lá que alguma doação seja coisa de amizade. Os R$ 2,3 milhões que o empresário jogou no pleito (Ometto foi o quarto maior doador das eleições no primeiro turno) sobram para agraciar perdedores e ganhadores.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.12.19

Os sinuosos trilhos do TCU

O empresário Rubens Ometto, dono da Rumo Logística, está cuspindo marimbondos em relação ao TCU. A leitura é que o parecer encaminhado pelo Tribunal de Contas à ANTT, com 39 recomendações, mais emperra do que ajuda na renovação antecipada da concessão da Malha Paulista. Ressalte-se que boa parte das determinações veio do Ministério Público Federal. Na interpretação da Rumo, o TCU lavou as mãos em relação ao caso. A rigor, o ministro Augusto Nardes, relator do processo, não precisaria consultar o órgão – uma vez que o regimento interno do TCU dispensa esse procedimento em casos de privatização ou prorrogação de concessões. Agora, caberá à ANTT deliberar em cima do nada conclusivo relatório do Tribunal. Enquanto isso, mais de R$ 8 bilhões em investimentos atrelados à prorrogação da concessão estão congelados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.