fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
17.11.20

Faltou o senhorio

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, tem propalado em Brasília que a MP da Casa Verde e Amarela será votada ainda em novembro. Só faltou o principal: combinar com Rodrigo Maia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.20

O caldeirão eleitoral de Luciano Huck começa a ferver mansamente

Depois de um primeiro momento de recusa, a esposa de Luciano Huck, Angélica, é a principal entusiasta da candidatura do marido. Disputará o lugar de primeira dama mais bonita da história do país.

  •  Luciano Huck já não descarta mais publicamente sua candidatura. Segundo seus colaboradores mais próximos, as condições para a disputa presidencial nunca foram tão boas.
  • A reticência de Rodrigo Maia em fazer qualquer afago à candidatura de Huck é estratégica. Se apoiar o presidenciável agora, fica sem moeda de troca futuramente.
  •  Maia se considera uma opção para vice de Huck, caso a rejeição a Moro na área política se revele muito grande.
  • De qualquer forma, Huck está indexado ao DEM, a quem chama de “direita leve”. O prefeito de Salvador, ACM Neto, é um dos seus principais assessores.
  • As articulações de Huck junto ao empresariado têm uma segunda intenção: sensibilizar o PSDB em relação à sua candidatura. Como se sabe, os melhores interlocutores com o “partido da social democracia”, são os plutocratas da Faria Lima.
  • O empresariado paulista, especialmente, disputa desde já quem será mais o próximo do candidato.
  • O clã dos Diniz está empenhado até a alma em uma futura “presidência de Luciano Huck”.
  • O chanceler do PSDB, Fernando Henrique Cardoso, já jogou suas fichas no apresentador-candidato.
  • Para Cardoso somente Huck tem a empatia necessária para evitar que Bolsonaro ganhe mais uma.
  • Na área da política econômica, o “candidato Huck” traz uma novidade: um teto do gasto mais alto concomitantemente à volta do regime de metas do primário. Apud Armínio Fraga, o Paulo Guedes de Huck.
  • No meio ambiente, o economista Sérgio Besserman é quem está mais próximo de Huck. Como se sabe o discurso do presidente terá a preservação ambiental como um dos pontos centrais.
  • Armínio tem grupos técnicos trabalhando para construção do programa de governo em todas as áreas.
  • Por enquanto, o banqueiro chama os trabalhos de contribuição pública. Mas para quem? Bolsonaro? É óbvio que se trata de um planejamento para o governo Huck. Armínio Fraga é explicitamente o futuro ministro da Fazenda de Huck. Terá o papel que Guedes teve de acalmar os mercados. No quesito bom senso, comparado ao atual ministro, Armínio é uma mudança da água para o vinho.
  • Huck tem conversado com seus consultores sobre as providências em relação a sua plêiade de empresas “caso” venha a ser candidato à presidência. Não dá para ter tudo.
  • A mesma questão diz respeito a sua situação profissional de apresentador exclusivo – ele e sua esposa Angélica – da TV Globo. Huck é muito bem quisto pela família Marinho. Qualquer solução em relação à Globo será para facilitar sua candidatura. Tudo dentro dos conformes.
  • Os pensadores da “campanha” de Huck consideram que o “candidato” captura eleitores de todos os segmentos, inclusive dos bolsonaristas. As elites e os antilulistas já são dados jogados.
  • E o povão? Huck é conhecido em todo o país. Uma das ideias dos seus colaboradores é que o apresentado-candidato rode o Brasil inteiro – com ênfase no Norte e Nordeste – visitando famílias nas suas casas. O frenesi com sua chegada será transformado em lives e utilizadas na campanha. O mote será “nunca um presidente foi tão amado”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.11.20

Na ponta do lápis

Nas contas do general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo, a candidatura de Arthur Lira à presidência da Câmara, em fevereiro, já tem 210 votos certos. Ficariam faltando 46 para a vitória. Isso, claro, no cenário em que Rodrigo Maia é impedido de disputar a reeleição.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.11.20

Clubes querem chutar o Profut para março

O RR bate na bola de primeira: existe uma avançada articulação entre os dirigentes dos grandes clubes brasileiros e o governo para que a suspensão dos pagamentos do Profut seja estendida ao menos até o fim do primeiro trimestre de 2021. As tratativas passam também pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia. A ideia é equalizar o prazo do waiver ao encerramento da temporada de 2020, que vai ocorrer apenas entre fevereiro e março do ano que vem. Esse encontro de contas depende fundamentalmente da receita da TV: a premiação pelo Brasileiro deste ano só será paga depois de março. Ou seja: nos três primeiros meses do ano os clubes não teriam receita suficiente para arcar com o retorno das parcelas do Profut, o programa de refinanciamento das dívidas fiscais das agremiações.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.11.20

O dia do BC

A Câmara votará no dia 17 de novembro o projeto da autonomia do Banco Central, aprovado no Senado. Palavra do próprio Rodrigo Maia a uma fonte do RR em conversa ontem à tarde. Para que esse prazo seja cumprido, o provável é que a Câmara não altere o texto do Senado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.11.20

De Rodrigo Maia para Rodrigo Maia

Um grupo de governadores está articulando um ato de desagravo ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pelos ataques feitos pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Na Câmara, há quem diga que é o próprio Maia é que está “articulando a articulação” dos governadores.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.10.20

Operação tartaruga?

Surgiu mais um ponto de tensão entre o Palácio do Planalto e Rodrigo Maia. O motivo é a demora da tramitação da Medida Provisória 998 na Câmara. A MP, que extingue subsídios a projetos de geração renovável no valor aproximado de R$ 500 milhões/ano, sequer tem relator escolhido. A validade da MP vai até 2 de novembro, podendo ser estendida pelo Congresso até 2 de janeiro de 2021. O temor do governo, no entanto, é que as eleições municipais costumam reduzir o ritmo das votações no Legislativo. Não custa lembrar que, recentemente, Maia deixou a MP 984, referente aos direitos de transmissão esportiva no Brasil, morrer de morte morrida, sem ser votada na Câmara.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.10.20

Férias do barulho

Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre cogitam suspender o recesso parlamentar de janeiro, para votar projetos de reformas paralisados no Congresso. O problema é que as primeiras conversas reservadas com os líderes partidários, segundo o RR apurou, não foram das mais favoráveis. As agendas dos congressistas estarão ocupadas com outra prioridade: janeiro será o mês de posse de diversos prefeitos e vereadores.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.10.20

Comissão 5G

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, vão levar ao governo a proposta de criação de uma comissão de parlamentares para participar da contratação da tecnologia 5G no Brasil. Esse grupo teria a missão de discutir medidas com o Ministério da Comunicação e acelerar projetos de lei relacionados aos leilões da nova frequência. Ou seja: o Congresso passaria a ter algum protagonismo em relação a um projeto que deve movimentar mais de R$ 300 bilhões em investimentos. A ver se o Palácio do Planalto vai dar essa brecha.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.20

Toda a postagem será castigada

Segundo um dos integrantes do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o colegiado deverá referendar, na reunião de hoje, a pena de censura à procuradora do Trabalho Margaret Matos de Carvalho. Em um post do Instagram, Margaret insinuou que Rodrigo Maia recebeu propina do governo para aprovar a reforma da Previdência. O caso é considerado dentro do Ministério Público: ele mostra a tendência do CNMP de punir manifestações de cunho político dos procuradores.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.