fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
15.05.19

Já se foi o tempo em que o Banco Itaú ganhava todas

Pode ser que o Itaú esteja ainda regurgitando a fusão com o Unibanco. Ou – quem sabe? – não é a crise de identidade provocada pela saída de Roberto Setúbal da presidência da instituição. Ou talvez seja simplesmente uma fuligem na engrenagem do banco dos engenheiros. Também pode ser o conjunto dessas variáveis.

O fato é que o Itaú tem tido uma queda recorrente de performance na geração de lucro líquido comparativamente à concorrência privada. Os “itaulatras” do mercado já começam a suspeitar que algo mudou, ou está mudando. Os números demonstram que desde o primeiro trimestre de 2018 – e sempre em comparação ao trimestre anterior – o Itaú vem perdendo a competição pela lucratividade com Bradesco e Santander. Ou seja: são cinco trimestres seguidos de um resultado inferior ao da concorrência, com uma única exceção: somente no primeiro trimestre de 2019, oItaú conseguiu superar o Santander,com crescimento de 8,1% no lucro líquido, contra 2,4% do Santander.

Mas o banco perdeu de lavada no período para o Bradesco (evolução do lucro líquido de 14,6%). É claro que esses percentuais precisam ser analisados com ressalvas, à luz de outras réguas e tecnicalidades. O Itaú é um colosso. Em outros indicadores, tais como o crescimento da carteira de crédito, perde e ganha – tem perdido mais, diga-se de passagem. E quando a comparação é pelo retorno anualizado sobre o PL Médio (ROE) – a “mãe de todos os indicadores” – o Itaú segue na frente em relação aos demais concorrentes privados. Mas pode se afirmar também que, em alguns casos, conta mais a ditadura da escala do que propriamente a gestão. A dúvida que sobressai das medições é se o banco não está com alguma ferrugem na sua máquina de gerar resultados. Que venham mais trimestres.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.02.19

Suderj informa

Suderj informa: sai Roberto Setubal e entra Júlio Bozano (ainda que em condições de jogo diferentes).

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.01.18

Alpargatas reserva um espaço para as roupas da Restoque

A compra da Alpargatas foi apenas a primeira peça na coleção. Os Setubal e os Moreira Salles entram em 2018 dispostos a transformar a companhia na grande consolidadora de marcas de vestuário e calçados do país. Desde já, enxergam um cavalo passando encilhado à sua frente: a Restoque, que esteve muito perto de uma fusão com a Inbrands no início de 2017. A empresa reúne grifes que cairiam muito bem no closet da Alpargatas, a exemplo de Dudalina, Le Lis Blanc e Rosa Chá, entre outras.

A aquisição daria origem a um conglomerado com 14 marcas, R$ 4,5 bilhões em vendas e um Ebitda combinado da ordem de R$ 1,5 bilhão. Procuradas, Itaúsa e Cambuhy – holdings, respectivamente, dos Setubal e dos Moreira Salles – não se pronunciaram, assim como a Restoque. Há portas entreabertas no capital da Restoque. As gestoras norte-americanas Advent e Warburg Pincus não aderiram à recente oferta de ações da companhia e já teriam sinalizado a intenção de reduzir ainda mais sua participação acionária ou, no limite, deixar o negócio. Mesmo com o forfait no aumento de capital, a dupla ainda tem um quinhão relevante na Restoque, com 42%.

Seria o suficiente para a Alpargatas desembarcar na companhia já com o status de maior acionista individual. A compra da Restoque permitiria à Alpargatas fortalecer a presença no segmento de grifes de maior padrão, no seu caso uma prateleira ainda com espaços vazios. À exceção da Osklen, a empresa está predominantemente concentrada em marcas populares, caso, sobretudo, da Havaianas, e em fabricantes de calçados e artigos esportivos, como Topper e Mizuno. Ressalte-se ainda que o conglomerado de vestuário dos Setubal e dos Moreira Salles receberia uma roupa limpinha. Os atuais acionistas da Restoque já fizeram o “trabalho sujo”: em um ano, a empresa fechou 26 lojas, desativou duas fábricas da Dudalina e cortou mais de um terço da equipe de trabalho em áreas como administração e comercial.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.17

Questão de hierarquia

A revelação de que quatro clientes da XP Investimentos foram vítimas do “erro de um agente autônomo” arranhou o humor de Roberto Setubal. Apesar de ter cedido à presidência do Banco Itaú a Cândido Bracher, ele considera que as questões de imagem institucional são com ele. Menos mal que a XP vai ressarcir as perdas de R$ 5 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.08.17

O candidato da XP Investimentos

Em recente pesquisa, a XP pediu a investidores institucionais que apontassem um nome alternativo para a Presidência da República, ou seja, fora do rol dos candidatos tradicionais. Deu Luciano Huck na cabeça. O que mais chamou a atenção, no entanto, foi outro dos citados: a XP encontrou um lugar para o patrão Roberto Setubal entre os vencedores alternativos. Nada como ter dinheiro sobrando para se jogar um pouco fora com excentricidades.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.08.17

Roberto Setubal, primeiro e único

O co-presidente do Conselho de Administração do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, tem aprovado a performance do seu substituto na presidência do banco, Candido Bracher Botelho. Com pequenas ressalvas. O que se ouve na rádio corredor do Itaú é que, na avaliação técnica, Candinho seria imbatível. Mas, na comunicação, ainda estaria faltando algo, um estilo próprio da casa ou, como se diria, um “toque de Setubal”. No fundo, o dono do Itaú se acha insubstituível.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Já pensou nas grifes da Alpargatas e da InBrands (holding que reúne Ellus, Richards, Alexandre Hercovitch) penduradas em um só cabide? Os Setúbal e os Moreira Salles já pensaram.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.06.17

“Síndrome de Setúbal”

A mosca azul da “perenidade” parece ter picado Jayme Garfinkel, controlador da Porto Seguro. O empresário tem flertado com a ideia de remendar mais uma vez o estatuto da seguradora e estender sua permanência na presidência do Conselho. Pela regra original, ele deveria ter deixado o cargo de chairman em novembro de 2016, ao completar 70 anos. No entanto, pouco antes da data limite, subiu o teto para os 72 anos, prorrogando seu mandato até o fim de 2018. Agora, se pergunta por que não seguir “aconselhando” formalmente seus executivos até os 74 ou 75 anos? Talvez seja a proximidade com Roberto Setubal, seu sócio – o Itaú é dono de 30% da seguradora. Setubal mudou o estatuto do banco e ganhou mais dois anos na presidência. De todo o modo, caso Garfinkel se contente em ser jubilado ao fim do ano que vem, o clã já tem um potencial sucessor no Conselho da Porto Seguro: em março deste ano, Bruno Garfinkel, filho de Jayme, deixou a diretoria de automóvel da empresa para se aninhar no board. Procurada pelo RR, a Porto Seguro não se pronunciou até o fechamento da edição.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.12.16

Um pedido de Setubal tem força de decreto

O futuro ex-presidente do Banco Itaú, Roberto Setubal, está dedicando uma parte do seu tempo para exercitar a atividade de lobista. E parece que um pedido de Setubal cala fundo no Palácio do Planalto e no Ministério da Fazenda. O banqueiro clamou pela redução do recolhimento compulsório para que seja aumentado o crédito – e também para mitigar a progressiva perda da rentabilidade bancária com a queda dos juros, mas isso ninguém precisa saber. Não deu outra: o governo já está estudando a medida. O RR cantou essa pedra na edição de 25 de novembro, afirmando que a nova matriz econômica – noves fora as pedaladas e barbeiragens na gestão da banca do Estado – vai deixar muitas das vivandeiras da ortodoxia com saudades. Em tempo: Lula, por motivos diferentes, está defendendo a mesma medida.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.11.16

Do banco para os palanques

• Prestes a deixar a presidência do Banco Itaú, Roberto Setubal tem planos de entrar na vida pública. A exemplo de seu pai, Olavo Setubal, que foi prefeito de São Paulo e ministro das Relações Exteriores no governo de José Sarney.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.