Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
24.07.18
ED. 5916

Troca de posições

A rede varejista Império Móveis Eletro, de Pernambuco, é candidata a incorporar lojas da Máquina de Vendas, leia-se Ricardo Eletro, no Nordeste. Pode ser um bom negócio para os dois lados. A recém-criada Império Móveis aceleraria sua expansão na região; por sua vez, a Máquina de Vendas passaria adiante pontos de venda deficitários. Em tempo: o mundo dá voltas. A Império Móveis pertence ao empresário Richard Saunders, que, em 2011, vendeu a Eletro Shopping para a própria Máquina de Vendas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.04.18
ED. 5844

Ricardo Eletro na vitrine

As tratativas para a venda da Ricardo Eletro avançaram nas últimas semanas. Representantes de bancos credores, que tomaram as rédeas da operação, estariam no exterior em negociações simultâneas com a chilena Falabella e a alemã Steinhoff. A Ricardo Eletro
tem cerca de 600 lojas, R$ 6 bilhões/ano em receita, mas um contrapeso difícil de carregar: uma dívida de R$ 1,4 bilhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.02.18
ED. 5800

Esmagamento

A Máquina de Vendas, segundo o RR apurou, deverá fechar mais 20 lojas da bandeira Ricardo Eletro. Seria uma exigência dos bancos credores, que, ainda não assumiram o controle da companhia, mas, na prática, determinam cada passo de Ricardo Nunes, controlador do grupo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.01.18
ED. 5780

Banho de loja na Ricardo Eletro

Os bancos credores prestes a assumir a gestão da Ricardo Eletro já estariam discutindo medidas para dar uma chacoalhada na operação de e-commerce da rede varejista. O negócio teria ficado meio de lado nos últimos tempos devido à grave crise financeira da companhia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.12.17
ED. 5761

Minoritário no caminho da Ricardo Eletro

O largo sorriso que o empresário Ricardo Nunes voltou a exibir na TV como garoto-propaganda da Ricardo Eletro contrasta com seu semblante fechado nas últimas reuniões com os credores da holding Máquina de Vendas. Os bancos têm pressionado Nunes a resolver o quanto antes a pendenga com os Salfer, minoritários da companhia. A família Salfer contesta a reestruturação societária da Máquina de Vendas e a emissão de R$ 1,6 bilhão em debêntures, exatamente os pilares da renegociação da dívida da rede varejista. Os Salfer não concordam com o modelo da operação, que diluirá sua participação no capital da Máquina de Vendas de 7% para menos de 2,5%. O receio dos bancos é que, no limite, a já manifesta intenção do clã de levar o caso para arbitragem inviabilize o plano de reestruturação da holding varejista, dona da Ricardo Eletro. A operação prevê a transferência do controle às próprias instituições financeiras.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.17
ED. 5746

Vai ter Natal na Ricardo Eletro

Os executivos da Ricardo Eletro começam a respirar aliviados. Grandes fabricantes de eletrodomésticos e eletroeletrônicos, como Whirlpool e LG, estão normalizando o fornecimento de produtos para a rede varejista. A medida vem na esteira do acordo entre a empresa e seus credores, que assumirão o controle do negócio. Houve um momento em que os dirigentes da Ricardo Eletro temeram por um Natal de prateleiras quase vazias.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.07.17
ED. 5661

Breve estadia

Prestes a assumir o controle da Máquina de Vendas em troca de uma dívida de R$ 1,5 bilhão, os bancos credores não vão ficar muito tempo vendendo geladeira e liquidificador. Já abriram canais de negociação com potenciais candidatos à aquisição da rede varejista, dona da bandeira Ricardo Eletro. Entre os pretendentes está a chilena Falabella, que, recentemente, manteve gestões para a compra da ViaVarejo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Ricardo Nunes, dono da Máquina de Vendas, tem feito o que pode para evitar o fechamento de lojas da Ricardo Eletro. Não está fácil…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.01.17
ED. 5545

Banco de reservas

Se as negociações com o Casino para a compra do controle da ViaVarejo não decolarem, a chilena Falabella tem um Plano B para o Brasil: a Máquina de Vendas, leia-se Ricardo Eletro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.02.16
ED. 5300

Máquina de Vendas é um território dividido ao meio

  O adversário mais duro de Corrado Varoli, recém-contratado para comandar a reestruturação da Máquina de Vendas, não será a recessão econômica, a queda do consumo ou mesmo a má performance da companhia. O ex-presidente da Goldman Sachs na América Latina terá como maior desafio gerar resultados em uma empresa rachada ao meio pelas disputas entre seus controladores, Ricardo Nunes e Luiz Carlos Batista. Que o diga o ex-Pão de Açúcar Enéas Pestana, antecessor de Varoli na árdua tarefa de reerguer a rede varejista. Pestana pouco saiu do lugar nos seis meses em que ficou à frente da gestão. Fechamento de pontos de venda, redefinição do modelo de lojas, negociação de uma fatia do capital: praticamente tudo o que ele recomendou ou ensaiou executar esbarrou nas divergências entre Nunes e Batista.  Desde a fusão entre a Ricardo Eletro e a Insinuante, em 2010, a coabitação societária entre o acelerado e mercurial Ricardo Nunes e o cauteloso e contido Luiz Carlos Batista nunca foi um mar de rosas. As divergências se agravaram no ano passado, durante a gestão de Richard Saunders, que assumiu a presidência após vender sua rede varejista, a Eletro Shopping, para o grupo. Saunders foi alçado ao comando para ser uma espécie de algodão entre cristais, um elemento neutro entre os dois acionistas. A tal solução pacificadora, no entanto, acabou se revelando um paiol. No entendimento de Batista, Saunders tornou-se um títere movimentado pelos dedos de Ricardo Nunes. Suas principais medidas – cortes de custos e demissões de executivos – teriam por trás a assinatura do fundador da Ricardo Eletro. Pior: suas mexidas se concentraram no Nordeste, nas lojas da Insinuante, justamente o território de Batista. O curto circuito foi inevitável. Saunders deixou o cargo em maio do ano passado. E, se ele era mesmo uma extensão de Nunes na gestão executiva, agora não há mais intermediários: o empresário se impôs e, no início deste mês, assumiu a presidência no lugar de Enéas Pestana. Tem a missão de frear uma queda nas vendas que chegou aos 10% em 2015.  Entre os executivos egressos da Ricardo Eletro habituados a psicografar os movimentos de Ricardo Nunes, há quem diga que, no fundo, no fundo, o empresário se arrependeu da fusão com a Insinuante. No seu mundo ideal, a associação seria desfeita e ele voltaria a mandar e desmandar numa empresa só sua. Será que Corrado Varoli se credenciaria a desatar uma fusão?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.07.15
ED. 5153

Efeito colateral

A estratégia da Sony de espalhar quiosques próprios por shoppings de todo o país tem criado uma série de atritos com grandes revendedores como Casas Bahia e Ricardo Eletro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.