Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
17.01.19
ED. 6035

InBrands e Restoque na mesma vitrine

O RR apurou que InBrands e Restoque voltaram a conversar. Em jogo, o que pode ser a maior a operação de M&A da área de moda já feita no país, com a criação de uma holding com faturamento anual de quase R$ 2 bilhões e um Ebitda na casa dos R$ 400 milhões. Do lado da InBrands, marcas a exemplo de Richards, Ellus e Herchcovitch; da parte da Restoque, grifes como Le Lis Blanc e Dudalina. A reaproximação se dá dois anos depois de uma frustrada tentativa de fusão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.12.17
ED. 5759

Benchmarking às avessas

A abertura de capital da Restoque tem servido de sinal alerta para empresas de porte similar que estão na fila do IPO, como Ri Happy, Banco Inter e Tivit. Desde 30 de novembro, quando a holding da área de moda concluiu sua oferta de ações, o papel já caiu quase 20%. Antes disso, a dona das marcas Dudalina, Le Lis Blanc, entre outras, teve sucessivas amostras do baixo apetite do mercado. Inicialmente, a Restoque esperava captar R$ 800 milhões. No fim, ofertou apenas R$ 200 milhões, sendo que o total de ações subscritas parou nos R$ 148 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.12.16
ED. 5523

Coleção 2017

O norte-americano Advent está arrumando as gavetas para se desfazer da sua participação na Restoque, holding do setor de vestuário. A queda do consumo e a frustrada fusão com a InBrands falaram mais alto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.16
ED. 5474

Disputas societárias rasgam o figurino da Restoque

 A frustrada fusão com a InBrands esgarçou de vez o já frágil tecido societário da Restoque, holding do varejo de vestuário que reúne marcas como Dudalina, Rosa Chá e Le Lis Blanc. Donas de 44%, as norte-americanas Warburg Pincus e Advent se articulam com outros acionistas para ampliar sua presença no Conselho e tomar a gestão da empresa. A movimentação estaria sendo acompanhada pela compra de ações em Bolsa – na primeira semana de outubro, em um intervalo de apenas três pregões, a cotação chegou a subir 10%. O objetivo das duas gestoras seria tirar da linha de frente da Restoque os empresários Marcio Camargo, fundador e maior acionista individual, e Marcelo Faria de Lima. Embora somem uma participação societária inferior à dos norte-americanos, ambos dão as cartas na administração. Camargo e Lima ocupam respectivamente a presidência e a vice-presidência do Conselho. “Culpa” da própria Warburg e da Advent, que aceitaram esta configuração ao vender a Dudalina para a Restoque e se associar à empresa, no fim de 2014. A harmonia societária não durou sequer uma coleção de verão. Poucos meses depois, todos já travavam uma briga de gato e rato pelo controle da companhia.  O round mais recente se deu em abril deste ano, Lima e Camargo teriam se unido a outros investidores na tentativa de aumentar o número de representantes no Conselho e, assim, reduzir o espaço da Warburg e da Advent. Prontamente, as duas gestoras compraram ações em Bolsa, aumentaram sua participação e barraram a ofensiva dos dois investidores. Agora, querem dar o xeque-mate, tirando os desafetos do comando do board. Warburg e Advent jogam na conta de Marcio Camargo e de Marcelo Lima o fracasso nas negociações com a InBrands. Ambos teriam feito uma série de exigências para concluir a associação. Foi uma das razões para a InBrands desistir da fusão, juntamente com o risco jurídico que a Restoque carrega. Os irmãos Renê e Renato Mauricio Hess de Souza – da família fundadora da Dudalina – questionam na Justiça a venda da grife para a Advent e a Warburg, em 2013. Ambos querem desfazer o negócio, o que automaticamente significaria o cancelamento da transferência da marca para a própria Restoque.  O mau desempenho da Restoque apimenta ainda mais a relação entre seus sócios. No primeiro semestre deste ano, a receita caiu 8% em relação ao mesmo período de 2015. Já o Ebitda recuou 29%. O maior fator de pressão, no entanto, é o crescente passivo. A relação dívida líquida/Ebitda já está em três para um. Há pouco mais de dois anos, era de dois para um. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Restoque e Advent, Warburg.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.06.16
ED. 5392

Fundos querem a InBrands longe do cabide da Restoque

 Marcio da Rocha Camargo, acionista controlador da Restoque, imaginou que poderia operar seus sócios, costurando-os quase a fórceps ao projeto de fusão com a InBrands. Mas é o empresário que corre o risco de acabar operado e costurado por eles. Os outros dois grandes acionistas da companhia, Warburg Pincus e Advent, não estariam dispostos a participar do aporte de capital necessário para a fusão e a consequente criação da maior holding de moda do país, com mais de 20 grifes e faturamento de R$ 3 bilhões. Camargo já dava a presença da dupla como favas contadas. No entanto, as gestoras questionam a operação, os valores envolvidos e seus benefícios para a companhia. Estima-se que a associação entre as duas empresas só se viabilize mediante uma capitalização superior a R$ 500 milhões. Warburg e Advent, donos de 44% da Restoque, são o fiel da balança: sem eles, vai ser difícil Camargo fechar a conta.  Não é de hoje que as duas gestoras e Marcio da Rocha Camargo vivem às agulhadas. Os norte-americanos contestam a política de aquisições do empresá- rio, que, na visão dos fundos, entulhou as prateleiras do grupo com marcas demais e resultados de menos. Ainda assim, Camargo acreditou que conseguiria arrastá-los para a operação por conta do tamanho do negócio. Os norte-americanos, ressalte-se, não estão sozinhos no bloco do contra – aliás, se há alguém isolado neste momento é o fundador da Restoque. A postura reativa da Warburg e da Advent reflete o descontentamento dos demais acionistas da companhia, estampado nas cotações da ação. Desde o anúncio do memorando de entendimentos para a fusão com a InBrands, no dia 3 de junho, a Restoque derrete na Bolsa. Em menos de duas semanas, perdeu mais de um quarto do seu valor de mercado.  Entre os investidores predomina a percepção de que a associação é um negócio, no mínimo, duvidoso. A Restoque já carrega uma dívida líquida equivalente a 3,7 vezes seu Ebitda. Ao se associar com a InBrands, vai pendurar no seu cabide uma empresa com uma relação passivo/Ebitda de quase quatro vezes. Ao mesmo tempo, herdará diversas grifes tão ou mais deficitárias quanto as suas, como Richards e Ellus. Procuradda pelo RR, a Restoque não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.06.16
ED. 5383

Daslu cabe na gaveta de InBrands e Restoque?

 Há um terceiro personagem empenhado em arrumar um lugarzinho no closet da Restoque e da InBrands, que, na última sexta-feira, anunciaram a criação da maior holding de moda do país. O investidor baiano Crezo Suerdieck, que comprou a Daslu no início do ano, tenta empurrar a empresa para dentro do negócio. A outrora mais luxuosa boutique do Brasil seria incorporada pela dobradinha Restoque/ InBrands e Suerdieck passaria a ter uma participação minoritária em um grupo com faturamento de quase R$ 3 bilhões.  Do ponto de vista estratégico e de mercado, os acionistas da InBrands e da Restoque veem sentido na incorporação da Daslu. A nova holding herdaria uma marca que, além de sete lojas, ainda tem seu valor junto ao consumidor classe A. O problema, no entanto, não é a Daslu, mas seu controlador. Crezo Suerdieck, que caiu de paraquedas no mundo da moda, traz consigo um currículo marcado por negócios controversos. Recentemente, por exemplo, foi acusado de ter dado um calote na compra de dois automóveis Porsche, modelos Panamera e Cayenne. As seguintes empresas não se pronunciaram ou não comentaram o assunto: Daslu, Restoque .

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.