Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
29.05.19
ED. 6124

Fuxicos da Candinha

Ainda que indiretamente, o duelo entre Globo e Record teve um round fora das telas. A emissora de Edir Macedo terá de pagar uma indenização de R$ 50 mil à apresentadora Fernanda Lima, da Globo. Em seu blog, hospedado no R7, portal da Record, a jornalista Fabíola Reipert fez insinuações quanto à fidelidade de Rodrigo Hilbert, marido de Fernanda.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.19
ED. 6081

Caldeirão digital

Luciano Huck estaria negociando a franquia de uma competição de games a ser realizada no Maracanãzinho. A ideia é que a disputa seja transmitida em uma megatela com efeitos especiais de última geração. Tudo indica que não faltarão patrocínios dos Googles e Facebooks da vida. Quem sabe até uma versão televisiva na Globo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.03.19
ED. 6079

Folhetim

Um novo “personagem” atravessa o caminho de Aguinaldo Silva. A escritora Bárbara Rastelli entrou com uma ação na 1ª Vara Cível da Comarca de Teresópolis, na Região Serrana do Rio, acusando o dramaturgo de plágio. Ela alega que a novela “O Sétimo Guardião” é cópia do seu livro “As Muralhas da Vida Eterna”, registrado na Biblioteca Nacional em 2014. Ela pede uma indenização de R$ 150 mil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.03.19
ED. 6069

A Globo está pronta para o que der e vier

O Grupo Globo sofre historicamente severas críticas pela amplitude da sua hegemonia de mercado ou por seu posicionamento político. São discussões válidas. Mas é indubitável que a Globo bem das pernas é bem melhor do que o contrário. Que o digam, principalmente, atores, diretores, câmeras, iluminadores, cenógrafos, músicos, jornalistas e a maioria do operariado que labora na indústria artística. A empresa tem sido vítima dos tempos e de situações atípicas, mas vem enfrentando as adversidades com galhardia. Quando se trata da Globo, diga-se de passagem, o RR faz uma ressalva: o grupo sempre manteve uma interlocução franca e produtiva com a newsletter. Dito isso, vamos aos números da empresa, que, segundo a fonte, serão anunciados nesta semana.

A Globo Comunicação e Participações (GCP), que não inclui veículos impressos e rádios, fechou 2018 com um caixa acumulado acima de R$ 10 bilhões, contra R$ 9,4 bilhões no exercício anterior. A dívida passou de R$ 2,9 bilhões para algo em torno de R$ 3,3 bilhões. A variação, ressalte-se, foi decorrente de efeito cambial – a empresa não fez novos passivos no período. O Ebitda da Globo no balanço de 2018 ficará um pouco abaixo do verificado no ano retrasado (R$ 2,3 bilhões). A queda é resultado de um efeito sazonal: o expressivo investimento na compra dos direitos de futebol, notadamente a Copa do Mundo. Por sua vez, a receita líquida será da ordem de R$ 14,6 bilhões, algo como 1% inferior à de 2017. Não gerar dívida nova parece ser uma premissa da Globo.

De acordo com a mesma fonte, a empresa planeja investir algo em torno de R$ 2 bilhões nos próximos dois anos, valendo-se de recursos próprios. A maior parte dessa cifra está “carimbada” para o desenvolvimento de novos produtos e para a área de tecnologia. O “passado” é a ponte para o futuro, dado o potencial de aproveitamento da grande audiência da TV aberta para os novos produtos do grupo. Hoje, cerca de cem milhões de brasileiros “consomem” a TV Globo ao menos uma vez por dia. Desse contingente, o grupo já conseguiu mapear os hábitos de consumo de aproximadamente 40 milhões de pessoas, algo fulcral para a oferta de conteúdo direcionado – sejam produções, seja publicidade. Um dos projetos do grupo é aumentar o número de lançamentos exclusivos no GloboPlay, que eventualmente poderão ser exibidos mais à frente na TV aberta.

O aplicativo chegou recentemente à marca de 18 milhões de downloads. Não obstante as notórias dificuldades da TV aberta, diante das mais diversas mídias que disputam a atenção do consumidor (dos canais por assinatura às redes sociais, passando pelas plataformas de streaming), a Globo permanece estável, com mais da metade da audiência no segmento. O Domingão do Faustão, por exemplo, atingiu seus melhores números no Ibope nos últimos 12 anos. Na TV fechada, por sua vez, os canais Globosat também mantêm sua primazia, somando cerca de 35% da audiência. Mesmo no segmento editorial, mais atingido pelas novas circunstâncias do mercado, a Globo tem alcançado resultados positivos. Todos os 18 produtos de origem impressa dão lucro. O Valor Econômico estabilizou nos 35 mil exemplares diários. Há ainda outras 35 mil assinaturas digitais puras. A meta é chegar a 50 mil ao fim deste ano. A circulação impressa de O Globo, por sua vez, caiu aproximadamente 10% em 2018.

Este recuo, no entanto, tem sido coberto pelo aumento das assinaturas digitais. Já são cem mil pagantes exclusivos da versão eletrônica. O target é atingir 300 mil em três anos. A publicidade impressa, como não poderia deixar de ser, é cadente: corresponde a 50% do faturamento da editora – em 2013, esse índice era de quase 90% (conforme já ressaltado, esses números não são contabilizados na GCP). Em contrapartida, esse declínio tem sido compensado pela alta da publicidade digital e pela receita com branded content, que engloba de eventos à produção de conteúdo em parceria com agências de propaganda. Portanto, mesmo em um ambiente inóspito, a Globo se mantém em forma e pronta para novos embates.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.02.18
ED. 5805

Fausto Silva é objeto de cobiça de PSDB e DEM

Como se não bastasse todo o frenesi em torno de Luciano Huck, o nome de outro campeão de audiência emerge em prestigiosos círculos políticos e atiça head hunters de diferentes partidos: Fausto Silva. O RR apurou que emissários do PSDB e do DEM já teriam feito a devida corte ao apresentador, na tentativa de atraí-lo para o seu cast. Pode ter sido apenas um anzol jogado na sua direção, já que a temporada é de pescaria.

Faustão é visto como um blockbuster, capaz de arrastar uma multidão de eleitores e ser um inigualável puxador de votos para o Congresso. Seria pule de dez em uma disputa para deputado federal. O senão fica por conta de eventuais problemas de saúde de Faustão, que podem frustrar as pretensões do PSDB e do DEM. Ontem, o apresentador foi submetido a uma intervenção no Hospital Albert Einstein para a colocação de dois stents. Ao contrário de Luciano Huck, Fausto Silva jamais manifestou publicamente qualquer intenção de enveredar pela política, não publica artigos sobre o assunto na grande mídia e não tem ou pelo menos não exibe relações de amizade no meio.

Outra diferença gritante em relação a Huck: para os padrões atuais, Faustão pouco interage com o público, noves fora, claro, seu canhão dominical – audiência média de 14 milhões de espectadores. Até hoje, não tem perfil nas redes sociais e, para uma celebridade da TV, mantém incomum privacidade sobre sua vida particular. Pois tudo o que, em outras circunstâncias, poderia afastar o dono do “Domingão” da política é justamente o que mais aumenta seu valor de mercado. Nestes tempos em que as siglas têm caçado outsiders por todos os lados – e Luciano Huck é o maior exemplo –, Faustão carrega o goodwill de ser percebido como um “antipolítico”.

Um fato, no entanto, não pode ser desprezado: se, por um lado, o apresentador nunca deixou escapar qualquer desejo de migrar para a vida pública, os discursos de cunho político em seu programa têm se tornado cada vez mais rotineiros e contundentes. O ápice, até o momento, ocorreu justamente durante um quadro com a participação do próprio Luciano Huck, que foi ao ar no dia 7 de janeiro. Ali parecia estar uma chapa “Caldeirão-Domingão”.

O mais curioso neste enredo é a crescente presença do elenco global na cena político-eleitoral. Este papel sempre coube a nomes ligados a emissoras de perfil mais popular – o caso mais célebre, a frustrada candidatura de Silvio Santos à Presidência em 1989. De toda a forma, muito antes do eleitor sacramentar a presença de Faustão no Congresso, imagina-se que seria necessário uma bênção toda especial da Globo. O animador é peça central na programação da emissora, com quem tem um contrato mastodôntico assinado, e é praticamente um ícone dos domingos. Mas será que deputado pode comandar um programa de televisão? Cartas para a redação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.10.17
ED. 5727

Presidenciável

Segundo alta fonte do DEM, as conversas com o presidenciável Luciano Huck preveem sua “desincompatibilização” da Globo já em dezembro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.10.17
ED. 5726

Crônica do pré-cárcere

Quando estava na presidência da Petrobras, Aldemir Bendine, teve uma ideia megalomaníaca em relação aos patrocínios da estatal. Tentou de todas as formas convencer o Conselho de Administração de que a empresa deveria ser a única anunciante das transmissões da Fórmula-1 na Rede Globo. Levou a proposta três vezes ao board. Em uma delas, sugeriu praticamente extinguir todos os demais patrocínios para concentrar as verbas na F-1. Levou bomba sucessivamente no Conselho, que achou o projeto excêntrico, seja pelo astronômico valor na situação de crise vivida pela companhia, seja pelo privilégio a uma única empresa. Melhor para todos que tenha sido assim. Até mesmo para a Rede Globo. Carregar um patrocínio dessa monta com a inspiração isolada de Bendine despertaria fantasias que não favoreceriam ou que não favorecem a ninguém.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.10.17
ED. 5717

Partido global

Desse jeito, a Globo corre o risco de ficar sem cast. Além de Luciano Huck, Fausto Silva também vem sendo assediado para entrar na política. A sondagem mais firme teria partido do DEM.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.09.17
ED. 5698

A volta do gordo

Jô Soares prepara seu retorno às telas. Ainda neste mês, decidirá com a Globo se a volta se dará na TV aberta ou fechada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.03.17
ED. 5575

A volta do gordo

Jô Soares pretende voltar às telas no início de 2018. Mas, a princípio, os planos da Globo para o ex-apresentador passam por trás das câmeras, com a encomenda de uma minissérie.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.