Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
29.10.19

Saúde bilionária

A Qualicorp, a administradora de planos de saúde de José Seripieri, estaria preparando uma oferta de ações em bolsa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.09.19

Acionistas da Qualicorp abrem fogo contra Seripieri

Quando José Seripieri Filho abriu negociações com a Rede D´Or para a venda de uma parcela da sua participação na Qualicorp? As tratativas com o grupo hospitalar se deram simultaneamente às ordens de compra de ações da companhia feitas pelo empresário? Estes são alguns dos questionamentos que minoritários da Qualicorp – notadamente XP Gestão de Recursos e a norte-americana Wellington Management – pretendem levar à CVM. Para as duas gestoras, Seripieri teria adquirido ações da companhia em Bolsa durante o primeiro semestre deste ano já carregando no bolso do colete a carta da posterior operação com a Rede D´Or e da consequente elevação das cotações. Ou seja: o empresário teria sido insider de si próprio, auferindo um razoável lucro ao movimentar os papéis nas duas pontas.

Entre o fim de 2018 e meados deste ano, o fundador da Qualicorp aumentou sua participação na companhia de 15% para 20% – conforme informou o RR na edição de 26 de junho. Nesse período, pagou em média R$ 15 pela ação. Pouco depois, exatamente no dia 8 de agosto, selou a transferência de 10% do capital da empresa de medicina de grupo. Na referida data, o papel estava cotado a R$ 22. Neste caso, Seripieri teve um ganho de aproximadamente 46% sobre os 5% do capital adquiridos no primeiro semestre. Consultada, a CVM informa que “Até o presente momento, não identificou o recebimento de questionamento a respeito do assunto”.

Qualicorp, XP e Wellington Management não quiseram se pronunciar sobre o assunto. Ressalte-se que José Seripieri Filho já responde a um Processo Administrativo Sancionador na CVM (PAS n° 19957.010505/2018-49). A autarquia investiga o acordo firmado entre a Qualicorp e Seriperi em outubro do ano passado, pelo qual a companhia pagou R$ 150 milhões ao empresário mediante seu compromisso de não abrir novos negócios no setor até 2026. Em abril, o superintendente de relações com empresas da autarquia, Fernando Soares Vieira, apresentou o Termo de Acusação, no qual afirma que o contrato foi lesivo à companhia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.06.19

Plano de saúde da Qualicorp não cobre disputas societárias

O empresário José Seripieri Filho, fundador da Qualicorp, está no meio de um tiroteio societário. Segundo informações filtradas da própria CVM, a XP Gestão de Recursos e a norte-americana Wellington Management, minoritárias da operadora de planos de saúde, acionaram a autarquia com o objetivo de anular o acordo formalizado entre a companhia e seu controlador. Em outubro do ano passado, a Qualicorp, ou melhor, Seripieri aprovou o pagamento de R$ 150 milhões para si próprio, mediante o compromisso de manter uma participação de 15% na empresa e não abrir novos negócios no setor até 2026. As gestoras alegam que a transfusão financeira é danosa à Qualicorp e a seus investidores. Afirmam ainda que Seripieri aprovou a medida no Conselho de Administração sem o conhecimento dos minoritários.

A reação da XP e da Wellington Management ganha força no rastro do Processo Administrativo Sancionador (PAS n° 19957.010505/2018-49) aberto pela CVM para investigar a operação. Em abril, o superintendente de relações com empresas da autarquia, Fernando Soares Vieira, apresentou o Termo de Acusação, no qual afirma que o acordo foi lesivo à Qualicorp. Todos os conselheiros, incluindo o próprio Seripieri, são responsabilizados pela operação. Segundo a fonte do RR, a companhia, Seripieri e os conselheiros já se movimentam na tentativa de encerrar o PAS antes do julgamento em definitivo e da pesada punição, tanto pecuniária quanto administrativa, que se anuncia.

A empresa sinalizou à autarquia que vai apresentar um Termo de Compromisso. Procurada, a Qualicorp não quis se manifestar. Consultada sobre o prazo para julgamento do processo e sobre as tratativas para um possível acordo, a CVM não se pronunciou. O órgão regulador disse apenas que “os temas-objeto dos questionamentos estão sendo analisados no âmbito do PAS”. O RR também entrou em contato com o head office da Wellington Management, em Boston: a gestora informou que “não se manifesta sobre empresas nas quais pode investir em nome declientes”.

Já a XP não se pronunciou. Paralelamente ao fogo cruzado na CVM, não se pode perder de vista os recentes movimentos feitos por José Seripieri na Bolsa. Desde o controverso acordo, há oito meses, o empresário vem comprando ações da própria empresa no mercado. Nesse intervalo, aumentou sua participação de 15% para algo em torno de 20%. Ao encher sua cartucheira com ações da Qualicorp, Seripieri estaria tentando ganhar força dentro da própria companhia para os embates com outros investidores – ressalte-se que a empresa tem capital pulverizado. Juntas, XP e Wellington detêm pouco mais de 15%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.10.18

Minoritários atiram contra a Qualicorp

A Qualicorp, do empresário José Seripieri Filho, está sendo alvejada por todos os lados. Além da XP, outros minoritários, a começar pela Wellington Management, preparam-se para entrar na Justiça contra a empresa. No caso da gestora norte-americana, segundo o RR apurou, serão movidas ações tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos – onde são negociados ADRs da companhia. No início da semana, a operadora de planos de saúde anunciou um acordo com o Seripieri no valor de R$ 150 milhões para que ele não venda sua participação societária e não crie negócios concorrentes. Na interpretação dos investidores, o empresário, dono de 15% da companhia, usou o caixa da Qualicorp, sem a anuência dos demais acionistas, para distribuir uma espécie de dividendo extra a si próprio. Em um único dia, a empresa perdeu quase um terço do seu valor de mercado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.09.17

Vendedor demais

Uma das variáveis que vêm atrapalhando a venda da Golden Cross é o excesso de “advisers”. Segundo o RR apurou, três diferentes interlocutores já bateram na porta da Qualicorp como mandatários da família Afonso.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.08.17

Golden Cross na mira

Após pescar diversos bagrinhos no mercado de planos de saúde, a Qualicorp quer fisgar um peixe graúdo: a Golden Cross. Com a aquisição, a operadora de José Seripieri Jr. sairia de 1,3 milhão para 1,6 milhão de clientes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.06.17

Qualicorp esbanja saúde, com ou sem Lula

A Qualicorp fechou a compra de 75% da Uniconsult, gestora de planos de saúde com 17 mil vidas. Com a aquisição, a operadora de José Seripieri Junior ampliará sua atuação no interior de São Paulo. Mais do que isso: se firma como uma consolidadora do setor. Em março, comprou a Asben por R$ 16 milhões – informação antecipada pelo RR na edição de 29 de março. Selou também um acordo para vender os planos da Unimed Fesp em São Paulo. Nem nos tempos de governo Lula, seu amigo do peito, Seripieri experimentou tamanha prosperidade. O que, aliás, sob determinada ótica, depõe a seu favor. Ao contrário dos rotineiros voos do ex-presidente no Cessna 680 do empresário.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.03.17

Qualicorp leva seus planos para onde o povo está

Em meio a insistentes especulações sobre a venda do seu controle, a Qualicorp ensaia um salto nos braços do povo. A empresa de José Seripieri Junior está fechando a compra da carteira da Asben, o que significará sua entrada no mercado de planos de saúde populares. Por ora, trata-se de uma espécie de test driver no novo segmento.

O investimento será pequeno, de R$ 16 milhões, e o que está em jogo é a transferência de 26,7 mil vidas. Para efeito de comparação, esse número equivale a apenas 2% da atual carteira da Qualicorp, de 1,3 milhão de clientes, concentrados nas classes A e B. Procuradas pelo RR, Qualicorp e Asben confirmaram o acordo.

Seripieri tem outra bala na agulha, uma operação capaz de dar maior escala a sua empresa no segmento de planos populares. Trata-se de uma parceria com a Unimed Fesp que permitirá à Qualicorp vender e operar planos de saúde da bandeira Unimed em todo o estado de São Paulo pelo prazo de cinco anos. O acordo gira em torno dos R$ 35 milhões. José Seripieri Junior tem duas prioridades neste momento: diversificar a atuação da Qualicorp e desvincular sua imagem de Lula, identificação que já lhe levou ao céu e hoje o empurra na direção do inferno.

A primeira, sem dúvida, é a mais simples. Se, por um lado, Seripieri avança sobre as camadas mais baixas da sociedade no momento em que a taxa de desemprego sobe a ladeira, por outro aproveita-se dos efeitos da recessão sobre o valuation dos ativos. O empresário tem planos, inclusive, de criar uma marca voltada às classes C e D. Complicado mesmo é apagar da história sua relação de proximidade com o ex-presidente.

O Google, o atual guardião da memória coletiva, não lhe dá descanso. Ontem à tarde, por exemplo, quem fizesse uma busca pelos termos “Qualicorp” e “Lula” encontraria 13.700 resultados. Há menções desde a contratação da G4, empresa de Fabio Luis Lula da Silva, o Lulinha, pela operadora de planos de saúde até o período de descanso de Lula na mansão de Seripieri em Angra dos Reis. Para não falar das citações aos deslocamentos do ex-presidente a bordo do Cessna 680 do empresário.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.01.17

Dono da Qualicorp esbanja saúde no réveillon

O sócio fundador da empresa de planos de saúde Qualicorp, José Seripieri Junior, comemorou a passagem do Ano Novo como se não houvesse outra. Júnior, como é mais conhecido, comandou uma queima de fogos na praia privê do condomínio Portogalo, em Angra dos Reis, de nove minutos. Foi de tirar o fôlego!

Cada um dos condôminos locais entrou com um dízimo para fazer as festas nos céus de Angra. Entre os doadores estavam ainda o ex-presidente do Banco Central Carlos Langoni e o ex-presidente do Banco Safra Carlos Alberto “Bigode” Vieira. Junior foi o grande contribuidor da vaquinha fogueteira: pagou o sétuplo de cada um dos nobres vizinhos, fração correspondente às sete casas de sua propriedade no condomínio.

Todas estão à venda, pela bagatela de US$ 2 milhões, em média, cada uma. Junior deve ter rezado com fé à Iansã para que ela ajude a transformar logo seus imóveis em liquidez, proteja seu compadre Lula e espante esse encosto curitibano para bem longe. Eparrêi!

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.10.16

Balão de gás

 O recorrente vazamento de informações sobre a venda da Qualicorp tem feito bem aos acionistas da companhia, a começar por seu fundador, José Serepieri Filho. Desde junho, quando surgiram as primeiras notícias sobre a operação, o valor de mercado da empresa de planos de saúde já subiu 40%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.