fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
25.03.22

Agricultores devem ter seu “auxílio emergencial”

O governo estuda medidas para mitigar os prejuízos impostos pela seca aos médios e grandes produtores rurais.  Uma das ideias discutidas é a concessão de uma linha de crédito emergencial do Banco do Brasil. Outra iniciativa em análise é um waiver temporário para o pagamento de empréstimos realizados no âmbito do Plano Safra 2021-22, leia-se um volume total de R$ 250 bilhões – medida similar foi adotada em 2020 por causa da pandemia. A suspensão dos pagamentos beneficiaria ruralistas das áreas mais afetadas pela estiagem, notadamente a Região Sul.

No Rio Grande do Sul, por exemplo, a quebra da safra de grãos foi a maior em dez anos. Os prejuízos apenas dos produtores de soja e milho superam os R$ 35 bilhões. No Centro-Oeste, por sua vez, as perdas somente com a soja chegam a R$ 15 bilhões. Não obstante os efeitos das secas, sob certo aspecto os agricultores estão pedindo ajuda de gulosos. O carry over é positivo: em fevereiro, por exemplo, as exportações do agronegócio subiram 65% em relação ao mesmo mês em 2021.

Ressalte-se que o governo já deu um refresco para os pequenos agricultores, com a liberação de R$ 1,2 bilhão por meio do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). No entanto, há uma grande pressão do agronegócio, potencializada pela bancada ruralista, por medidas voltadas ao médio e grande produtor. Os pleitos têm sido levados ao presidente Jair Bolsonaro notadamente pelo senador Luiz Carlos Heinze, um dos próceres da Frente Parlamentar da Agricultura.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.06.20

Falta adubo financeiro no Plano Safra

Já que a batalha maior está difícil – leia-se o aumento do crédito rural de R$ 10 bilhões para R$ 13,5 bilhões –, a ministra Tereza Cristina tenta arrancar da equipe econômica uns cascalhos a mais para o Plano Safra 2020/2021. Um dos pleitos é a redução das taxas de juros praticadas pelo Banco do Brasil e pela Caixa em suas linhas de crédito agrícola. Há uma preocupação particular no setor com a agricultura familiar, especialmente no Sul, por conta da rigorosa seca. Segundo o RR apurou, agricultores reivindicaram ao Ministério da Agricultura o aumento do teto do financiamento por meio do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), hoje de R$ 250 mil. No entanto, a Pasta informou que “a medida não está em discussão”. Sobre os demais pleitos, o Ministério diz que “não temos conclusão das negociações com o Ministério da Economia a respeito dos valores para a próxima safra agrícola”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.