fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
03.04.20

Cobrança na Justiça

A Funcef pretende acionar na Justiça seus 10 ex-dirigentes que viraram réus na Operação Greenfield, entre os quais o ex-presidente da fundação, Carlos Alberto Caser. A entidade deverá exigir uma indenização pelas supostas irregularidades cometidas pelos gestores, entre os quais o célebre investimento na Sete Brasil. Segundo as investigações do MPF, somados, os desvios na Funcef, Previ e Petros passam dos R$ 5 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.03.20

Cartografia do risco

A Previ mapeou não apenas os funcionários que estiveram no exterior, mas também em contato direto com pessoas recém-chegadas de viagens internacionais. Vão todos trabalhar de casa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.20

Postalis em revista

Depois de sair de uma intervenção, da Previ, o Postalis entrou em outra, a do general Paulo Humberto Cesar de Oliveira, presidente provisório do fundo de pensão. Os diretores da fundação, notadamente na área de investimentos, têm trabalhado com autonomia zero. Tudo passa pela revista do general da reserva. A julgar por tudo o que aconteceu no Postalis nos últimos anos, como tirar a razão do militar?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.02.20

Previ vende ativos

O novo diretor de Investimentos da Previ, Marcelo Wagner, vai acelerar a venda de participações societárias. Deve começar pela BRF e pela BR Distribuidora, nas quais o fundo de pensão detém, respectivamente, 9,4% e 3,5% do capital total.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.02.20

Desembarque triplo

Previ, Funcef e Petros reabriram discussões para a venda em bloco da sua participação na Invepar. A operação se
no bojo do processo de desmobilização de participações acionárias de fundos de pensão e bancos estatais que tem marcado o governo Bolsonaro. A trinca detém 75% do capital da holding de concessões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.02.20

O RR crava de novo

Após deixar o capital da Kepler Weber – conforme o RR antecipou em 26 de agosto do ano passado –, a Previ prepara a venda da sua participação na Fundição Tupy. Tomando-se como base apenas o valor de mercado, o quinhão do fundo de pensão está estimado em aproximadamente R$ 1 bilhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.01.20

Prioridade

Prioridade na Previ: vender a participação de 9,4% na BRF.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.08.19

Venda casada

O Banco do Brasil articula com a Previ uma oferta para a venda conjunta de suas participações na Kepler Weber. Está longe de ser um movimento arrasa-quarteirão no plano de desmobilização de ativos do BB. A valor de mercado, sua fatia gira em torno dos R$ 80 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.07.19

Arqueologia de malfeitos

A Previ também procura ossadas da era PT. Abriu investigações internas para apurar as condições dos aportes no FIP GEP entre 2009 e 2014. O objetivo é reunir munição para responsabilizar criminalmente ex-executivos por eventuais malfeitos. Segundo a Operação Greenfield, o investimento no FIP GEP gerou perdas de R$ 1,3 bilhão para o trio Previ/Funcef/Petros.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.04.19

O novo dono da Paranapanema

Ao que tudo indica, a Paranapanema vive o fim de uma era. Após comprar os 20% da companhia em poder da Previ, a Buritipar, do empresário João José de Araújo, avança sobre a participação da Caixa Econômica. O banco detém 17% da empresa. Tomando-se como base apenas a cotação de mercado, sem qualquer prêmio de controle, a fatia da Caixa está avaliada em cerca de R$ 160 milhões. A se confirmar a saída da CEF, a Petros ficaria como a última remanescente da operação de socorro montada em 1995, no governo FHC, para o salvamento da Paranapanema. E lá se foram mais de duas décadas com os fundos de pensão e a Caixa torrando centenas de milhões no alto-forno da empresa. O presente não é muito diferente do passado: só em 2018, a empresa teve mais de R$ 320 milhões em prejuízo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.