fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
10.09.21

Dívidas, suor e lágrimas

A Previc já sinalizou ao Postalis que vai dar sinal verde à proposta de redução dos benefícios dos associados. Os principais cortes deverão se concentrar no pagamento de pensões. É a cota de sacrifício dos integrantes do fundo de pensão dos Correios na tentativa de equacionar um déficit atuarial de R$ 7 bilhões. Procurado, o Postalis confirmou que o “processo de equacionamento continua sob aprovação do patrocinador, Correios, e dos órgãos superiores” e que “a aprovação da Previc é a última etapa”. Também consultada, esta última não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.03.21

O próximo da fila

Em conversas com assessores palacianos, Jair Bolsonaro tem rasgado elogios ao general Paulo Cesar Humberto de Oliveira, presidente do Postalis. Cita, sobretudo, os R$ 400 milhões recuperados para os cofres do fundo de pensão dos Correios. Já, já, Bolsonaro encontra uma “Petrobras” para o militar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.10.20

O exterminador de fraudes

O Palácio do Planalto quer dar um choque de ordem no plano de saúde dos Correios, investigado pelo Ministério Público e pela Polícia Federal por supostas fraudes. A ideia é que o general Paulo Cesar Humberto de Oliveira, presidente do Postalis, acumule também o comando da operadora de medicina de grupo. Oliveira tem como handicap a limpeza feita no fundo de pensão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.09.20

Carta bomba

O próprio Postalis tem municiado o MPF com farta documentação e informações a granel contra os 15 ex-dirigentes do fundo e gestores do mercado financeiro denunciados por fraudes. Consultada, a fundação confirma a colaboração com o Ministério Público.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.08.20

Comandante

Há nove meses como presidente “temporário” do Postalis, o general Paulo Humberto Cesar de Oliveira só sai do cargo se
Jair Bolsonaro tiver uma missão maior para ele. O presidente costuma dizer que Paulo Humberto acabou com “aquele antro de corrupção” no Postalis.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.20

Comando militar

O Palácio do Planalto deverá efetivar o general Paulo Humberto Cesar de Oliveira na presidência do Postalis. Há quatro meses como interino, o militar deu um choque de ordem no fundo de pensão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.02.20

Postalis em revista

Depois de sair de uma intervenção, da Previ, o Postalis entrou em outra, a do general Paulo Humberto Cesar de Oliveira, presidente provisório do fundo de pensão. Os diretores da fundação, notadamente na área de investimentos, têm trabalhado com autonomia zero. Tudo passa pela revista do general da reserva. A julgar por tudo o que aconteceu no Postalis nos últimos anos, como tirar a razão do militar?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.02.20

Postalis em revista

Nomeado em dezembro por Jair Bolsonaro, o presidente do Postalis, general Paulo Humberto de Oliveira, estaria preparando uma razia na diretoria do fundo de pensão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.01.20

Segurança máxima no caixa do Postalis

Jair Bolsonaro está decidido a efetivar o general Paulo Humberto Cesar de Oliveira na presidência do Postalis – a princípio nomeado para um mandato transitório de seis meses. Bolsonaro dá de ombros à prerrogativa dos Correios de indicar o nome para o cargo. Acha que os executivos escolhidos pela estatal já fi zeram estrago demais. Saqueado por diversos mãos, o Postalis acaba de sair de uma intervenção da Previc por causa de um rombo atuarial de R$ 6 bilhões. Não custa lembrar que os próprios Correios são comandados por um oficial da reserva, o General Floriano Peixoto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.01.18

Carta bomba

O pedido de abertura de processo no Brasil é só a primeira carta bomba. O BNY Mellon também deverá ser acionado nos Estados Unidos pela perdas de R$ 9,3 bilhões que teria causado ao fundo de pensão Postalis.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.