fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
22.04.20

Plano de recuperação

Termômetro

ECONOMIA

Plano de recuperação

Em reunião com a equipe ministerial hoje, o presidente Jair Bolsonaro apresentou plano de recuperação da economia pós-Covid-19. Batizado de Plano Marshall, em alusão ao programa americano para a recuperação de países aliados após a Segunda Guerra Mundial, a proposta é conter a escalada do desemprego com a retomada de obras públicas que possam ser reativadas com dinheiro do Tesouro. Nos próximos dias, a imprensa vai acompanhar de perto as listas de obras que cada Ministério apresentará ao governo nesta semana e a movimentação no Ministério da Economia.

O ministro Paulo Guedes é resistente à proposta. Ele diz que os cofres públicos não aguentam nova rodada de gastos. A previsão é de que o pacote, com a retomada de cerca de 70 obras públicas, consuma R$ 30 bilhões.

Outro plano que estará no noticiário amanhã é o de retomada gradual das atividades no estado de São Paulo. O afrouxamento do isolamento social nos municípios paulistas vai depender da taxa de disseminação da Covid-19 e da quantidade de leitos disponíveis e de mortes registradas em função da doença. Detalhamento do plano do governo de São Paulo será apresentado no próximo dia 8.

Futuro da Zona do Euro

Na Europa, a expectativa para amanhã é a divulgação mensal do Inquérito das Empresas, o chamado indicador do futuro da Zona do Euro. A pesquisa realizada pela França mostra a evolução de empresas do setor de manufatura, construção e serviços em áreas como produção, vendas e preços. Mas, a julgar pela quantidade de desempregados no país (10,2 milhões) desde o início da crise, os resultados exibidos amanhã – os primeiros após o endurecimento das medidas de combate ao coronavírus – mostrarão um futuro nada animador para o Mercado Comum Europeu, com retração estimada na casa dos  3%. Já na América Latina, a retração esperada é de 5,3%, com taxa de desemprego de 11,5%, a maior desde a Grande Depressão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.