fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
31.08.21

Bolsonaro incomoda o empresariado de cima a baixo

O manifesto “A Praça é dos Três Poderes”, que será lançado nos próximos dias, revela uma metamorfose do presidente da Fiesp, Paulo Skaf. No lugar do Mr. Hyde, apoiador de primeira hora do presidente da República, surge um Dr. Jekyll empenhado em fazer um revisionismo da sua posição de bolsonarista raiz – ainda que o comunicado tangencie a conduta e a gestão de Jair Bolsonaro. A guinada de Skaf indica a influência do futuro presidente da Fiesp, Josué Gomes da Silva, eleito para o cargo com o apoio do atual mandatário. Josué endossou o manifesto elaborado pela entidade.

Esse Skaf repaginado tenta, inclusive, dar um caráter mais plural à iniciativa. Segundo o RR apurou, emissários do presidente da Fiesp sondaram a CUT e a Força Sindical para que ambas assinem o documento. Na realidade, com a devida discrição, o próprio Josué estaria conduzindo os entendimentos para buscar o diálogo com a “esquerda”. Skaf não está tentando reinventar a roda. O Brasil tem uma história de união entre o capital e o trabalho em situações limítrofes, vide o movimento pela redemocratização nos anos 80.

O objetivo do empresariado, com esses atos, não é pautar o governo e muito menos mudar sua direção, mas, sim, apontar um novo rumo para 2022. E esse rumo não passa por Jair Bolsonaro. E tampouco por Lula. O próximo passo será a elaboração de um programa de governo. De certa forma, esse movimento já está em curso no âmbito do “Imagine Brasil”, iniciativa liderada pelo empresário Pedro Passos, que tem o ex-presidente do Banco Central Affonso Celso Pastore como um de seus principais formuladores. Feito isso, o desafio seguinte das elites empresariais será encontrar o candidato da terceira via.

O RR não arrisca palpite, mas, neste momento, as setas parecem apontar para o governador João Doria. Paulo Skaf jamais pertenceu às elites empresariais, mas entendeu o Zeitgeist. O que ele está fazendo neste momento, no crepúsculo de seu longo mandato na entidade, é guiar seu rebanho “fiespiano” na direção dos seus parceiros do andar de cima. O espírito do tempo conduz também outro segmento empresarial que até então era um reduto fiel ao presidente Jair Bolsonaro. Ontem, diversas entidades do agribusiness – entre as quais a Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Associação Brasileira dos Produtores de Óleo de Palma (Abrapalma) e Associação Brasileira dos Industriais de Óleos Vegetais (Abiove) – divulgaram uma nota conjunta em defesa da democracia e contra “aventuras radicais”.

Os produtores rurais também estão atendendo ao clamor silencioso dos mais poderosos. Essa junção entre diferentes castas do empresariado não chega a ser uma novidade no Brasil. A principal referência histórica são as Conferências Nacionais das Classes Produtoras (Conclaps), enormes congregações empresariais realizadas entre 1945 e 1977. A quarta e última Conclap reuniu mais de dois mil empresários no Hotel Nacional, no Rio, sob a coordenação técnica de Carlos Langoni. Na ocasião, a Conferência aprovou a divulgação da Carta do Rio de Janeiro, com propostas para a área econômica que foram encaminhadas ao então ministro da Fazenda, Mario Henrique Simonsen. O RR previu o óbvio: a entrada das elites no jogo – ver edição de 11 de agosto. Os manifestos dos empresários não vão se circunscrever ao documento encabeçado por Paulo Skaf ou à nota das entidades do agronegócio, que, por sua vez, se unem à peça “Eleições serão respeitadas”, lançada no início de agosto com o apoio, entre outros, de Roberto Setubal, Pedro Moreira Salles, Pedro Passos e Carlos Jereissati. Vem mais por aí, sejam manifestações multissetoriais, sejam ações conduzidas por segmentos específicos da economia. Como cravou o RR, as elites estão conversando.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.07.21

Paulo Skaf ainda sonha

Uma fonte muito próxima a Paulo Skaf garante que o presidente da Fiesp ainda não desistiu de concorrer ao governo de São Paulo. Skaf avalia que a recente pesquisa do Ipespe o relocou novamente no game dentro do MDB. Ele aparece com 10% das intenções de voto, bem à frente do atual vice-governador, Rodrigo Garcia (PSDB), com 3%, que, a princípio, disputaria a eleição com o apoio do próprio MDB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.21

Conversa fiada

Em conversa com uma fonte do RR, Paulo Skaf teria desacreditado a mobilização de empresas privadas para a compra de vacina contra a Covid-19. Acha que é muita espuma por nada, uma vez que os laboratórios só estão vendendo imunizantes para governos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.21

Lula lá?

O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, teria conversado com seu virtual sucessor, Josué Gomes da Silva, filho do ex-vicepresidente José de Alencar, sobre a possibilidade de levar Lula para palestrar na entidade. Milagre? Oportunismo?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.12.20

A “nova” Fiesp

Josué Gomes da Silva, candidato da situação à sucessão de Paulo Skaf na presidência da Fiesp, confidenciou a pessoas próximas a intenção de rejuvenescer os conselhos da entidade. Uma das mudanças já no radar seria a substituição do ex-ministro do STF Sydney Sanchez, 87 anos, no comando do Conselho de Assuntos Jurídicos e Legislativos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.11.20

Skaf vs. Roriz

Paulo Skaf tem usado da sua influência junto ao Judiciário na tentativa de barrar a candidatura do desafeto José Ricardo Roriz Coelho à presidência da Fiesp no ano que vem. Vice-presidente da entidade, Roriz recorreu ao Tribunal de Justiça do Trabalho para garantir sua participação no pleito. Sua candidatura foi impugnada pela comissão eleitoral da Fiesp. Ou seja: por Skaf.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.10.20

O dia em que Paulo Skaf virou ninguém

O sonho de Paulo Skaf de realizar uma versão moderna da Conclap (Conselho Superior das Classes Produtoras), da qual ele fosse organizador e responsável pelo documento dos empresários da indústria, vai se derretendo de maneira célere. Para onde quer que se olhe, Skaf desidrata. Não desfruta mais do apoio inconteste de Jair Bolsonaro e deixou de ser um interlocutor de Paulo Guedes. Skaf foi aparteado do debate entre a indústria e a equipe econômica, hoje liderado por nomes como Pedro Wongtschowski, Pedro Passos e Horacio Lafer Piva, que assumiram o papel de discutir políticas e medidas para o setor. A perda de prestígio do presidente da Fiesp se estende também ao MDB, seu partido. Dentro da sigla, sua candidatura ao governo de São Paulo em 2022, antes tida como certa, enfrenta crescente resistência.

Mas é dentro do próprio território que antes dominava com poderes absolutistas que o esvaziamento de Paulo Skaf talvez chame mais a atenção. Skaf rachou com o empresariado paulista e perdeu até mesmo o suporte institucional da Fiesp. A ponto, inclusive, de já ter declarado que não concorrerá à reeleição e deixará o comando da entidade no próximo ano – quem anuncia que vai sair é porque já saiu. Skaf perdeu influência até mesmo junto ao baixo clero da Fiesp, composto de sindicatos de pequeno porte e de “industriais sem indústria”, como é o seu próprio caso.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.09.20

A Pauliceia desvairada na sucessão da Fiesp

Benjamin Steinbruch, Paulo Skaf, Josué Gomes da Silva, Ciro Gomes, Iedi… Todos são personagens da pauliceia desvairada que promete ser a eleição da Fiesp, em 2021. As múltiplas combinações cruzadas, os blefes de parte a parte e os interesses em jogo fazem desta a mais estranha sucessão da história recente da entidade – mesmo porque a indústria paulista não sabe o que é sucessão há 16 anos. E saberá desta vez? A  peça central no tabuleiro é o sempre dúbio Paulo Skaf. O mandatário já anunciou que não concorrerá ao pleito. Mas, há pessoas próximas a Skaf que acreditam se tratar de jogo de cena.

O próprio vazamento da informação de que Gomes da Silva é o nome da preferência do presidente da Fiesp para ser seu sucessor é visto por muitos como parte do teatro. Outro ponto de interrogação importante é Benjamin Steinbruch. O “barão do aço” vem sendo cortejado por um grupo de empresários de oposição a Paulo Skaf para disputar a eleição. Steinbruch é visto como um nome de peso suficiente para galvanizar o apoio de figuras importantes do empresariado paulista, cooptar sindicatos dos mais diversos segmentos da indústria e, dessa maneira, cindir por dentro a poderosa máquina eleitoral montada por Skaf.

Steinbruch, ressalte-se, é vice-presidente licenciado da entidade desde 2018, quando teria rompido com Paulo Skaf. No entanto, há dúvidas dentro da própria Fiesp se o relacionamento entre ambos está realmente abalado ou não. Ou seja: Steinbruch é um enigma. Tanto pode ser o rival de Skaf ou de seu candidato como um importante aliado para que tudo fique como está na entidade. Outra incógnita: como seria a Fiesp de Benjamin Steinbruch?

O “barão do aço” manteria a instituição como base de atendimento dos pequenos sindicatos ou levaria de volta a entidade a algo mais próximo dos tempos de Horácio Lafer Piva, a última gestão que privilegiou o apoio à indústria? O primeiro significaria na prática, seguir com o modelo Skaf; já o segundo, sob certo aspecto, representaria a incorporação de uma parte do ideário do Iedi, que não deixa de ser um spinoff da própria Fiesp. E se Benjamin, a exemplo do próprio Skaf, tiver o interesse de transformar a entidade em plataforma para um projeto político? Nesse caso, todos os caminhos apontam na direção de Ciro Gomes. Em 2018, Steinbruch esteve cotado para ser o vice na chapa de Ciro. Talvez essa dobradinha não estivesse devidamente madura para ocorrer na ocasião.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.09.20

Saia justa

A articulação de Paulo Skaf, aliado de Jair Bolsonaro, para indicar Josué Gomes da Silva como candidato a sua sucessão na Fiesp não foi bem recebida no Palácio do Planalto. Bolsonaro olha para o filho de José Alencar e automaticamente enxerga o rosto de Lula.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.06.20

Monarquia

Paulo Skaf tem certeza de que já levou. Conta com o apoio mais do que suficiente de sindicatos do interior para garantir a mudança nos estatutos da Fiesp e concorrer, ou melhor, ser aclamado para o quinto mandato à frente da entidade.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.