fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
14.09.21

O inimigo número 1 do Mercosul ataca novamente

A conversa entre Paulo Guedes e a ministra da Economia do Uruguai, Azucena Arbeleche, na semana passada, ainda ecoa nos meios diplomáticos. Segundo a fonte do RR, Guedes passou toda a reunião estimulando o acordo bilateral entre o Uruguai e a China – na contramão do que prega o Itamaraty. Se é contra o Mercosul, o ministro está a favor.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.09.21

Trancos e barrancos

As relações entre o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), relator da reforma tributária, e Paulo Guedes estão em ponto de ebulição. Ribeiro joga na conta da inflexibilidade de Guedes parte expressiva da culpa pelo interminável vai-e-vem no texto da proposta.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

A equipe econômica é mais ortodoxa do que o próprio ministro Paulo Guedes. Não suporta a ideia de um novo imposto, coisa que Guedes namora não é de hoje. Se depender dos “Sachsidas” do Ministério da Economia, não sai tributo nenhum.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.09.21

“Fundo da Seca” é mais um aceno de Bolsonaro ao Nordeste

O Palácio do Planalto está mobilizando a base aliada para garantir a aprovação do projeto de lei 8894/2017, que institui o Fundo de Atendimento às Situações de Emergência e de Calamidade Pública Decorrentes de Secas (Fasec) – ou o “Fundo da Seca”, como é chamado no Congresso. O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, foi encarregado de articular com o presidente da Câmara, Artur Lira, a votação do projeto, possivelmente até o fim de outubro. Na partida, o Fasec deverá disponibilizar algo em torno de R$ 2 bilhões para o enfrentamento das secas.

Procurada, a Presidência da República informou ao RR que o assunto deveria ser tratado com o Ministério do Desenvolvimento Regional. Este, no entanto, não se pronunciou. Não faltam motivos para o esforço do governo em aprovar em dois meses um projeto de lei que dormita no Congresso há cerca de quatro anos.

Para começar, há uma razão emergencial: o país vive sua mais grave crise hídrica das últimas duas décadas. Para além disso, aliados de Bolsonaro enxergam uma mais-valia política na proposta. A maior parte dos recursos do fundo será destinada ao Nordeste, onde, sabidamente, Bolsonaro tem se empenhado em despejar verbas. E de onde virá o dinheiro para o “Fundo da Seca”? Paulo Guedes e cia. que se virem para achar água no saárico orçamento. Vai ser assim até outubro de 2022.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.09.21

É “caro” demais ser um BRIC?

Um dos fiscalistas de plantão da equipe de Paulo Guedes fez as contas e chegou à conclusão de que, do ponto de vista dos gastos públicos, seria melhor se o Brasil deixasse o Banco dos Brics. À luz da sua planilha, o país economizaria nas obrigações financeiras que tem como sócio da instituição multilateral – onde se senta em condições paritárias com Rússia, China, Índia e África do Sul. Essa é a cabeça do time de Paulo Guedes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.09.21

A conta é maior

Há mais bilhões de precatórios voando sobre o governo do que a vã ortodoxia do Ministério da Economia consegue captar – ou quer anunciar. Mas, basta Paulo Guedes consultar o ministro Luís Fux, que deve saber sobre os precatórios que estão aterrissando.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.09.21

É a natureza

A interlocução entre Paulo Guedes e o deputado Celso Sabino, relator da reforma do Imposto de Renda, vai de mal a pior. Qual a novidade? Guedes não tem a menor paciência para fazer política.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.08.21

Silêncio calculado

Os ministros do STF evitarão comentar a declaração de Paulo Guedes, pedindo, em outras palavras, que o Judiciário ande devagarinho. Essa foi a conversa que rolou ontem entre os togados. Mas, sabe como é, a língua coça.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

O governo do Rio está fazendo uma avaliação patrimonial dos imóveis pertencentes ao estado, entre terrenos, prédios e salas comerciais, a maioria na capital. Na maior parte dos casos, trata-se de um estoque que hoje representa muito custo e pouca ou nenhuma receita para os cofres públicos. Na Secretaria de Fazenda do Rio, há vozes favoráveis à criação de um fundo de ativos imobiliários do estado, mais ou menos sob a inspiração do projeto de Paulo Guedes de lançar um fundo de prédios e terrenos da União. Consultado pelo RR, o governo do Rio confirmou que a Secretaria de Planejamento e Gestão está realizando uma “avaliação e organização de todos os prédios estaduais para analisar a necessidade de mantê-los ou não. Após o resultado, será feita a modelagem para um futuro projeto”. O governo garante ainda que “até o momento, não existe qualquer projeto que envolva a formação de um fundo imobiliário ou a alienação dos imóveis”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.08.21

S de “salvação”

O ex-deputado Sandro Mabel, presidente da Federação das Indústrias de Goiás, está numa cruzada para evitar cortes nas verbas do Sistema S. Tem conversado dia sim e o outro também sobre o assunto com presidente da Câmara, Artur Lira. E tome pedrada em Paulo Guedes. Procurado, Mabel confirmou as tratativas com Lira sobre o tema.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.