fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
03.03.22

O ocaso do general Heleno

A nota sobre o general Augusto Heleno publicada pelo colunista Lauro Jardim, de O Globo, no último dia 27, diz da missa a metade. De fato, o ministro do GSI considera não permanecer no governo em um eventual segundo mandato de Jair Bolsonaro. O general cansou de falar, falar, mas ninguém ouvi-lo. Heleno queimou caravelas, dando declarações intempestivas, consideradas fora do tom até mesmo por Bolsonaro.

Relembre-se que o presidente tem a maior estima pelo general. Heleno prossegue prestando seus serviços no Palácio do Planalto. Mantém a estrutura do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) nas mãos. É o responsável por levar as informações mais reservadas ao presidente; toma conta da sua segurança e organiza suas viagens internacionais. Agora mesmo, segundo uma fonte palaciana, o GSI ocupa-se de uma missão sensível. Tem monitorado os passos de Ernesto Araújo.

O entorno de Jair Bolsonaro está preocupado com os seguidos ataques do ex-chanceler ao próprio presidente e a membros do governo, como o ministro das Comunicações, Fabio Faria. Mas há mais carinho do que espionagem nessa história toda. Um exemplo da deferência de Jair Bolsonaro ao chefe do GSI é a sua presença nas comitivas presidenciais no exterior.

Agora mesmo, na recente viagem à Rússia, o ministro estava sentado atrás de Bolsonaro como se fosse um anjo da guarda. O destempero de Augusto Heleno é conhecido desde a campanha de 2018. Mas os tempos mudaram: o núcleo político do governo quer o general fora das discussões eleitorais. O general Heleno só não coloca o pijama porque o presidente gosta de tê-lo ao lado. O ministro do GSI é um “companheiro de viagem” e Bolsonaro o considera o mais leal dos seus colaboradores.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.11.21

A integridade de um economista candidato a ministro

O colunista de O Globo, Lauro Jardim, que costuma acertar quase todas, cantou a pedra, na edição do último domingo, sobre a nova predileção da avenida que é sinônimo do rentismo no Brasil. A Faria Lima já começou a oferecer seu rico apoio a Sergio Moro. Sabe-se que um banco especializado em estar muito próximo, às vezes dentro do governo, já teria corrido para ofertar recursos de campanha Moro, especialmente devido à presença do professor Affonso Celso Pastore como futuro ministro da Economia. Pastore é um inegável chamariz para a Faria Lima, por sua respeitabilidade e laços com o mercado financeiro. Mas não pensem que ele é o caminho para essas conversas. Se forem falar com o professor de dinheiro, provavelmente vão ouvir: “Porra, que papo é esse? Não estou entendendo. Esse assunto não é comigo, porra!”. O RR acha Pastore um personagem tão íntegro que deveria ser condecorado pela República.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.08.20

Carluxo perdeu

A entrevista de Flavio Bolsonaro ao jornal O Globo foi motivo de forte dissenso no clã Bolsonaro. Segundo o RR apurou, Carlos teria ficado extremamente irritado com a estratégia de Flavio de se pronunciar sobre as investigações da “rachadinha”, com o respaldo de Eduardo e do patriarca Jair. Carluxo acha que a família está sendo excessivamente guiada pelo Judiciário e pela opinião pública.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.