fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
11.11.19

As peças da Tencent

Após comprar um pedaço do banco digital Nubank, o gigante chinês Tencent busca ativos de e-commerce no Brasil. Depois é juntar seis com meia dúzia e oferecer uma miríade de soluções de pagamento digital.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.10.19

Unicórnio

Extra! Extra! O Nubank estaria preparando uma oferta de ações de fechar o comércio para o primeiro trimestre de 2020. A fintech trabalha com um valuation de US$ 12 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.07.19

Gigante chinês avança sobre o Nubank

A chinesa Tencent, uma das maiores plataformas financeiras eletrônicas do mundo, negocia um novo aporte no Nubank. De acordo com a fonte do RR, o valor será superior aos US$ 200 milhões injetados em outubro de 2018, permitindo ao grupo asiático pular de
5% para mais de 10% de participação no banco digital. A Tencent deverá ampliar sua influência não apenas na gestão, mas na própria operação do Nubank. A fintech passaria a ser uma espécie de tubo de ensaio de luxo para os chineses testarem produtos e serviços no mercado brasileiro. A Tencent desenvolveu uma das maiores plataformas de pagamento digital do mundo. O sistema funciona no WeChat, o “WhatsApp chinês”. O WeChatPay reúne 700 milhões de clientes. Procurados, Nubank e Tencent não se pronunciaram.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.06.18

Investidor russo caça fintechs no Brasil

Sócio do Nubank, um dos primeiros bancos digitais brasileiros, o magnata russo Yuri Milner tem se movimentado para comprar novas participações em fintechs no país. Mira, notadamente, em plataformas digitais de pagamento. Milner já teria sinalizado também o interesse em aumentar sua participação no próprio Nubank, do qual é acionista por meio do fundo DST Global. Procurado, o banco brasileiro disse “não confirmar a informação”. Dono de uma fortuna estimada em US$ 4 bilhões, o investidor carrega uma biografia pautada por controvérsias em torno da origem do seu patrimônio. Entre 2009 e 2011, o DST comprou participações no Facebook e no Twitter. Na ocasião, circularam informações na mídia internacional de que Milner era uma espécie de “front” do banco estatal russo VTB e do fundo Gazprom Investholding, ligado à estatal Gazprom, que teriam entrado no negócio camuflados sob uma rede de empresas offshore penduradas na DST.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.01.18

Na direção do Nubank

O Santander partiu na direção do banco digital Nubank.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.04.17

Capitalização em série

Os acionistas do Nubank – à frente os fundos DST Global, da Rússia, e os norte-americanos Redpoint e Ribbit Capital – estariam articulando um novo aporte de capital na fintech.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.01.17

Fezinha

O fundo norte-americano Redpoint eVentures, que recentemente fez um aporte no Nubank, tem cerca de US$ 150 milhões para “brincar” no segmento de startups no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.09.16

Private label

 A gestora Tiger Global se movimenta para ampliar sua participação na startup brasileira Nubank. Os norte-americanos já colocaram mais de US$ 50 milhões na emissora de cartão de crédito.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.