fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
17.10.19

Arquivo vivo

A rádio corredor da Lava Jato informa: o MPF vai tentar novamente a extradição do advogado Rodrigo Tacla Duran, preso na Espanha. Ele é acusado de participar do propinoduto do Comperj. Tem muito a dizer

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.19

Procuradores poupam Janot

Há uma corrente hegemônica no MPF que trabalha para esvaziar a queixa do subprocurador Moacir Guimarães contra Rodrigo Janot no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). O movimento teria o apoio da própria cúpula da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR). O mais provável é que o processo aberto contra Janot pelas declarações dirigidas a Gilmar Mendes sequer vá a julgamento no CNPM. A mobilização é menos por um desagravo a Janot e mais pelo temor de que uma punição ao ex-PGR, com a suspensão dos seus proventos, crie “jurisprudência” no Conselho Nacional. O espírito de corpo dos procuradores é ainda mais acirrado quando se trata de aposentadoria.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.10.19

Um procurador sob medida para a era Bolsonaro

Uma ala “terrivelmente evangélica” (Apud Jair Bolsonaro) do MPF faz campanha para que o procurador Guilherme Schelb ocupe um cargo na cúpula da PGR. Ex-diretor da Associação Nacional dos Juristas Evangélicos, Schelb é forte opositor da ideologia de gênero, além de um entusiasta do projeto Escola Sem Partido. Seu nome já foi soprado ao pé do ouvido de Augusto Aras para a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão. Não deixaria de ser curioso. Há dois anos, ele criou um modelo de “notificação extrajudicial” destinado a proibir a discussão sobre assunto envolvendo gênero e sexualidade nas escolas. O documento foi implodido pela atual titular do órgão, a subprocuradora Deborah Duprat.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.19

Ministério Público contra Ministério Público

Os dias andam cada vez mais agitados no MPF. A procuradora regional Eliane Torelly entrou com recurso no Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF) para embargar a promoção da colega Samantha Dobrowolski ao cargo de subprocuradora da República. O argumento é que ela não poderia concorrer à função por duas eleições consecutivas. Uma vez confirmada, a ascensão de Samantha levará para a Subprocuradoria uma entusiasta dos acordos de leniência e de delações premiadas – trata-se de uma das principais especialistas nestes instrumentos dentro do MPF. O papel de árbitro neste imbróglio caberá ao futuro Procurador Geral da República, Augusto Aras, que automaticamente assumirá a presidência do CSMPF. O caso só deverá ser julgado no Conselho após a sua posse.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.08.19

Lava Jato pisa na soleira do TCU

O RR apurou que o acordo de delação do advogado Tiago Cedraz Oliveira com o MPF já está sobre a mesa do ministro Edson Fachin, a quem caberá homologar ou não a confissão. Tiago poderá empurrar a Lava Jato para dentro do Tribunal de Contas da União. O delator é filho de Aroldo Cedraz, ministro da Corte, e sempre teve acesso privilegiado a outros membros do Tribunal. Pesa sobre os Cedraz a acusação de ter recebido propina da UTC entre 2012 e 2014 para interferir em processos de interesse da empreiteira no TCU.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.08.19

Cabo eleitoral às avessas

A sucessão do Cade é um bom termômetro do momento de palidez de Sergio Moro no governo. Foram duas tentativas em branco de indicar um conselheiro para o órgão. Primeiro, o procurador do Paraná Vinicius Klein; depois a advogada Amanda Athayde Linhares, chefe do gabinete do MPF junto ao próprio Cade.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.08.19

Cobertor curto

Desafio para o sucessor de Raquel Dodge: lidar com as limitações financeiras do MPF. No órgão, já se discute o fechamento de unidades no interior do país. Para evitar o desastre, o futuro PGR terá de manejar os 85% do Orçamento já empenhados com despesas de custeio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.08.19

Boa briga

Segundo fonte do próprio MPF, o órgão vai entrar com uma ação na Justiça pedindo o desbloqueio de verbas do Orçamento para a educação. A briga promete ser boa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.08.19

Dança das cadeiras

Hoje, o Conselho Superior do MPF vai anunciar os cinco integrantes do órgão promovidos a subprocurador da República – três por antiguidade e dois por merecimento. Em tese, todos já poderão concorrer ao cargo de PGR em 2021. Em tempo: nenhuma chance para Deltan Dallagnol e demais componentes da “República de Curitiba”. Nenhum deles integra a relação de aproximadamente 200 procuradores elegíveis para o Conselho Superior.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.19

Ministério Público avança contra os brancos em “pele de negro

O Ministério Público Federal vai lançar uma ofensiva em todo o país para combater as fraudes contra o sistema de cotas das universidades federais. Além de montar uma força-tarefa para investigar o crescente número de denúncias, o MPF pretende fechar o cerco às próprias instituições de ensino. Segundo o RR apurou, o órgão determinará que as universidades publiquem nos editais de seus vestibulares os critérios utilizados para a verificação dos estudantes com direito a vagas no âmbito da política compensatória. O MPF também deverá pedir à Justiça que as instituições sejam obrigadas a criar bancas específicas para avaliar se o vestibulando atende aos requisitos da Lei 12.711/2012, que criou a reserva de vagas para negros, pardos, indígenas ou portadores de deficiência. Os casos de fraude no ensino público se acumulam. No entanto, o trabalho de fiscalização tem sido feito de forma dispersa, a critério das próprias instituições de educação. Mais de um terço das universidades federais registra processos administrativos para averiguar o fornecimento de informações falsas nas autodeclarações de matrícula. Só na UFRJ há cerca de 50 casos sob análise, número confirmado pela própria universidade. A Federal do Rio informa ainda que em junho criou uma “comissão para analisar as autodeclarações de cor.”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.