fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
29.09.20

Saúde quer 200 mil postos de vacinação contra Covid-19

Quando, ainda não se sabe ao certo, mas o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e sua equipe já começam a desenhar a operação de guerra para a maior e mais complexa campanha de vacinação da história do Brasil. De acordo com informações filtradas da própria Pasta, o Ministério planeja utilizar até 200 mil pontos simultâneos de imunização contra a Covid-19 – além de hospitais (públicos e privados) e postos de saúde, escolas, clubes, igrejas e farmácias serão arregimentados para a tour de force. Para efeito de comparação, trata-se de cinco vezes o número de locais disponibilizados em março deste ano para a aplicação da vacina contra as gripes H1N1 e H3N2. A escala tem duas razões: evitar que os postos de vacinação se tornem lugares de grande aglomeração e, paradoxalmente, uma área de risco, e a necessidade de que a imunização se dê no menor tempo possível. Dentro do ecossistema militar do Ministério da Saúde, um personagem importante nessa operação é o tenente-coronel Marcelo Duarte, braço direito de Pazuello no Departamento de Logística da Pasta. Como não poderia deixar de ser, as Forças Armadas terão um papel central na operação, seja na cessão de mão de obra para auxiliar no atendimento à população seja no apoio logístico. De acordo com a mesma fonte, uma das hipóteses já aventadas é o uso de caminhões do Exército como postos ambulantes de vacinação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.09.20

O risco da segunda onda

A área técnica do Ministério da Saúde está submersa nos números da Covid-19 pós-relaxamento social na Europa, notadamente na Espanha. O objetivo é entender o comportamento da curva de contaminação com a flexibilização do isolamento. Assim como ocorreu na Espanha, há o receio de um novo aumento dos casos da doença no Brasil no período de duas a três semanas após as medidas mais impactantes de relaxamento. O Rio de Janeiro é um dos maiores motivos de preocupação: nos últimos fins de semana, as praias ficaram apinhadas.

Em tempo: aos ouvidos da equipe técnica da Pasta da Saúde, o ministro Eduardo Pazuello jogou para a galera ao declarar que os brasileiros começarão a ser vacinados contra a Covid-19 em janeiro de 2021. A jugar pelo ritmo dos testes, não há qualquer sinal de isso ocorrerá.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.09.20

Bolívia e Venezuela são os novos “epicentros” da Covid-19 no Brasil

Como se não bastassem os casos domésticos da Covid-19, o governo está apreensivo com o risco de uma nova onda de contaminações vinda de fora para dentro do país. O ministro da Saúde, o general Eduardo Pazzuelo, já discute com os Ministérios da Defesa e da Justiça a necessidade um reforço no patrulhamento das áreas de fronteira, especialmente nas divisas com a Venezuela e a Bolívia. Há um receio de que o agravamento da pandemia nos dois países vizinhos provoque uma fuga em massa de refugiados para o Brasil. Nos últimos dias, apesar das restrições na fronteira, houve um aumento da circulação de bolivianos entre as cidades de Pando e Epitaciolândia, no Acre.

O caso da Venezuela causa ainda mais preocupação entre as autoridades das áreas de Saúde e de Defesa. A situação na fronteira voltou a atingir níveis críticos e não apenas na divisa entre a cidade brasileira de Pacaraima e a venezuelana de Santa Elena de Uairén – único trecho onde a travessia rodoviária é possível. O Exército monitora o risco de um novo êxodo em larga escala de venezuelanos por meio de rotas clandestinas, notadamente ao norte de Pacaraima. A Venezuela, assim como a Bolívia, figura entre os países sul-americanos suspeitos de carregarem os maiores índices de subnotificações da Covid-19.

O receio do governo brasileiro é alimentado por uma combinação inflamável comum tanto à Bolívia quanto à Venezuela: o alastramento do novo coronavírus vis-à-vis as precárias condições da rede pública de saúde dos dois países. No caso venezuelano, há ainda um agravante: a crescente crise energética. A escassez de combustíveis nos postos da Venezuela tem provocado um efeito-dominó, com a paralisação de parte da frota de caminhões e o desabastecimento de produtos essenciais. Outro fator preocupa o governo: já existe uma concentração excessiva de venezuelanos nas cidades de Roraima próximas à fronteira.

Por conta da pandemia, o governo brasileiro precisou frear o processo de interiorização dos venezuelanos. Em janeiro e fevereiro, por exemplo, mais de três mil venezuelanos foram instalados em outros estados no âmbito da Operação Acolhida. No entanto, a partir de março, os números teriam descido para não mais do que mil imigrantes por mês. Consultado, o Ministério da Defesa informa que “as Forças Armadas mantém sua atuação rotineira nas regiões de fronteira com os países vizinhos”. A Pasta diz ainda que “a interiorização de imigrantes venezuelanos continua em andamento”, mas reconhece que “o processo foi reduzido devido à pandemia”. O governo criou a Área de Proteção e Cuidados (APC), para atender os venezuelanos que permanecem em Boavista.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.09.20

Balança comercial

O Ministério da Saúde tem consultado países vizinhos – a exemplo de Paraguai e Equador – na tentativa de desovar parte dos seus estoques de hidroxicloroquina. São mais de três milhões de compridos. Isso porque outros cinco milhões já foram distribuídos pelo Brasil e agora estorvam os estoques de secretarias municipais e estaduais de saúde.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.09.20

Casa de ferreiro…

O Ministério da Saúde terá de redobrar os cuidados na próxima edição do programa “Ações de Educação em Saúde em Defesa da Vida”, marcada para o dia 18, em Belo Horizonte. Na última sexta-feira, no Ceará, o evento, com a presença do ministro Eduardo Pazuello, foi um pandemônio. O auditório do Centro Universitário Christus ficou lotado e várias pessoas estavam sem máscara. A Vigilância Sanitária foi chamada e multou a instituição. Em Fortaleza, eventos com mais de 100 pessoas estavam proibidos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

O empresário Carlos Wizard, que há pouco tempo quase assumiu um cargo no Ministério da Saúde, negocia a entrada de dois fundos internacionais no capital da fintech Hub. A empresa de Wizard acaba de ser autorizada pelo Banco Central para atuar como plataforma de pagamentos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.08.20

“Gripezinha”…

O Ministério da Saúde costura a vinda de uma equipe da AstraZeneca ao Brasil para acompanhar o processo de produção da vacina contra a Covid-19 na Fiocruz. A parceria com o laboratório inglês prevê a fabricação de cem milhões de doses a partir de dezembro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.08.20

Receituário olavista

O médico Helio Angotti Neto, que assumiu há dois meses a secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos d Ministério da Saúde, tem provocado altas doses de desconforto junto ao corpo técnico da Pasta. Angotti é um fervoroso defensor do uso da hidroxicloroquina contra a Covid-19. “Olavista” de carteirinha, o médico se notabiliza pelas seguidas referências ao guru da Virgínia nas redes sociais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.08.20

Honra ao mérito

A indicação como novo líder do governo na Câmara foi um prêmio de consolação para o deputado Ricardo Barros. Desde a saída de Henrique Mandetta, ele vinha trabalhando nos bastidores para reassumir o Ministério da Saúde, cargo que ocupou no governo Temer.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.08.20

O alto custo da saúde

O Conselho Nacional de Política Fazendária já fez sua parte, autorizando os estados a zerar a alíquota de ICMS para o medicamento Zolgensma. Agora, vem a etapa mais dura: o Ministério da Saúde garantir junto à equipe econômica verba para a importação e a disponibilização do remédio no SUS. Usado no tratamento da atrofia muscular espinhal, que afeta um em cada 10 mil recém-nascidos no mundo, o Zolgensma é considerada a droga mais cara do mundo. Basta uma única dose para impedir a progressão da doença. Ao custo de US$ 2 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.