fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
24.02.21

Efeito colateral

A nomeação de João Roma para o Ministério da Cidadania vai trazer de volta ao cenário político a figura de Tia Eron. Suplente do parlamentar, ela teve passagem polêmica pelo governo Bolsonaro. Em maio de 2019, foi demitida da Secretaria de Política para Mulheres do Ministério da Família. O que se diz na Pasta é que não fez nada em cinco meses no cargo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.02.21

Prêmio ou castigo? Lorenzoni tem a resposta

Um interlocutor privilegiado de Onyx Lorenzoni revelou ao RR que ele encarou a mudança do Ministério da Cidadania para a Secretária-Geral da Presidência como um castigo. Lorenzoni considera o cargo burocrático e de baixa visibilidade. No quesito orçamento, então, é covardia: na Cidadania, ele tinha sob si os R$ 35 bilhões do Bolsa Família. E ainda tem a proximidade com Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, que pode ser um prêmio ou uma punição.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.01.21

Programa eleitoral

O Ministério da Cidadania planeja lançar um programa nas redes sociais. Convidados escolhidos a dedo vão debater projetos e entrevistar membros da Pasta, a começar pelo próprio Onyx Lorenzoni. Nos corredores do Ministério, o programa já é ironicamente chamado de “horário eleitoral”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.11.20

DEM que não tem I

Surpreende que o Programa de Aquisição de Alimentos do Ministério da Cidadania até hoje não tenha sido lançado no Amapá, um dos estados com mais baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil. Lá o governador é Waldez Góes (PDT), mas também é a terra do todo-poderoso Davi Alcolumbre, presidente do Senado. Ele e o ministro Onyx Lorenzoni são filiados ao DEM.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Onyx Lorezoni tem propalado aos quatro cantos de Brasília que, se deixar o Ministério da Cidadania, no dia seguinte assume uma Secretaria no governo de Eduardo Leite, no Rio Grande do Sul. Ninguém que ouve a história leva muita fé.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.11.20

Chave do cofre

Uma raposa política de Brasília espalhava ontem que Jair Bolsonaro cogita transferir a gestão do Bolsa Família do Ministério da Cidadania para a Pasta da Família. Seria uma forma humilhante de demitir Onyx Lorenzoni com ele ainda no cargo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

O deputado Arthur Lira, unha e carne de Jair Bolsonaro, é forte candidato a assumir o Ministério da Cidadania caso o presidente decida detonar Onyx Lorenzoni, como se diz em Brasília. Lorenzoni já sabe e está se mexendo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.08.20

O pastor de Damares

O raio de influência do procurador da Fazenda e pastor evangélico Sergio Queiroz vai além do Ministério da Cidadania, onde ele ocupa a Secretaria Especial de Desenvolvimento Social. Ele foi o responsável pela recente indicação da advogada Emilly Coelho para o comando da Secretaria Nacional da Juventude, vinculada ao Ministério da Família. Está tudo em casa: durante sua formação religiosa, Queiroz foi discípulo da ministra Damares Alves.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.07.20

Alça de mira

O TCU investiga a denúncia de que a B2T, da área de TI, voltou a se credenciar para licitações no Ministério da Cidadania. Um contrato de R$ 6,9 milhões com a Pasta foi suspenso após a empresa ser acusada de participar de um esquema de desvio de recursos do antigo Ministério do Trabalho. Procurada, a B2T informou que todos os seus contratos com a administração pública “são regulares e estão sujeitos a apreciação dos órgãos de controle.”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.06.20

Vidas secas

O Ministério da Cidadania ainda não distribuiu um centavo dos R$ 23 milhões de reforço orçamentário que recebeu da União para beneficiar trabalhadores rurais de baixa. No sul do país, tem agricultor que mal consegue botar comida na prória mesa devido à seca.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.