fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos

Reunião de comitê da OMS, amanhã, determinará se será declarada situação de emergência global em função do coronavírus. A decisão vai pautar não apenas o noticiário como o próprio Ministério da Saúde, que, salvo surpresa, se manifestará às 16h, com balanço e entrevista coletiva. A iniciativa, conforme anunciado hoje, será repetida diariamente, com atualizações sobre casos suspeitos – detectados e confirmados – e medidas em curso.

Alguns pontos serão abordados com maior ênfase, amanhã:

1) A preocupação com a proliferação nacional do vírus, já que, hoje, são nove casos suspeitos, em diversos estados (Rio, São Paulo, Santa Catarina, Paraná e Ceará);

2) O Sistema para a realização de triagens, em diversos centros no país, e troca de informações com a Fiocruz, que centralizará o diagnóstico final, com apoio, nos próximos dias, de mais dois laboratórios nacionais;

3) A previsão para o desenrolar da situação, caso o contágio se aprofunde e demande maior agilidade na avaliação e tratamento de casos, localmente. Essa questão irá além do Ministério e levará a questionamentos sobre a capacidade dos sistemas públicos de saúde estaduais e municipais de lidarem com a doença;

4) As possíveis iniciativas a serem tomadas para enfrentar o contágio da doença durante o carnaval, em função da grande quantidade de viagens e aglomerações;

5) O planejamento para o controle de viagens e aeroportos. Por enquanto, não há maiores restrições, no entanto, se casos se espalharem pelo país, haverá cobrança mais detida nesse âmbito.

A linha de Regina Duarte na cultura

As primeiras medidas de Regina Duarte na secretaria de Cultura, bem como sinalização de linha política e de nomeações para espaços-chave da Pasta estarão em foco amanhã. Além de indicações de Regina, deve se delinear quadro mais claro de correntes que a apoiam e que tendem a combatê-la, tanto no âmbito de apoiadores do presidente (dentre eles o “guru” Olavo de Carvalho) quanto na classe artística.

De qualquer forma, a tendência é de que a nova secretária crie, amanhã, fato positivo para o governo, com boa aceitação da maior parte da mídia, especialmente a televisiva.

Protagonismo do presidente em Minas Gerais

O presidente Bolsonaro e o governo federal assumirão protagonismo, amanhã, no combate a efeito das chuvas em Minas Gerais, que já deixou mais e 35 mil desabrigados. Entrada mais forte no tema, ainda que se antecipe a possível desgaste, será faca de dois gumes: o presidente mostrará mobilização, mas vão se acelerar cobranças sobre o governo federal. Também será posta em teste a relação com o governador Romeu Zema.

O ministro Weintraub acuado

O MEC e o ministro Weintraub continuarão em “inferno astral”, amanhã, com afirmação (em off) de funcionários do próprio Ministério de que resultados do Enem não são 100% confiáveis e indícios de falhas do Sisu na oferta de vagas para deficientes, segundo o MPF.

BNDES: o fim da caixa-preta?

Há expectativa por posicionamento definitivo do presidente Bolsonaro amanhã sobre explicações dadas hoje pelo presidente do BNDES, Gustavo Montezano, a respeito de auditoria de mais de R$ 40 milhões, que não encontrou irregularidades em operações do banco. Permanência de Montezano é a hipótese mais provável, mas não está garantida.

Agenda de privatizações e EBC

Exposição do secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Salim Mattar, hoje, indicando cronograma de privatizações, alimentará pauta, amanhã: 1) Sobre capacidade que o governo terá para acelerar o processo; 2) Particularmente, acerca de privatização da EBC (Empresa Brasil de Comunicação).

Os serviços e o IGP-M de janeiro

Saem amanhã a Sondagem de Serviços e o IGP-M de janeiro, ambos da FGV. Projeta-se que a primeira sondagem do ano confirme avaliação positiva do setor, detectada em dezembro de 2019, que trouxe salto importante no Índice de Situação Atual (avanço de 1,8 ponto) e, em menor medida, no de Expectativa (+0,4 ponto), apesar da ligeira queda (–0,1 ponto) no Nível de Capacidade Instalada.

No IGP-M, estima-se número entre 0,55% e 0,65%, com forte desaceleração frente ao final do ano passado (2,09%).

O PIB dos EUA e as tendências na Europa e na China

Internacionalmente, será divulgado amanhã o PIB do quarto trimestre nos EUA, que deve confirmar crescimento, anualizado, de 2,1%. Destaque ainda para: 1) Pedidos de auxílio desemprego nos EUA em janeiro, que devem trazer pequeno aumento, sem maiores impactos; 2) Taxas de desemprego em janeiro na Zona do Euro (mantendo-se na faixa de 7,5%) e na Alemanha (também estável, em 5%); 3) PMI Industrial e de Serviços de janeiro na China. Ainda sem levar em conta efeitos do coronavírus, se projeta equilíbrio na indústria, com número em torno de 50,0 pontos e crescimento nos serviços, passando-se de 53,0 para 53,5 pontos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.01.20

Depois da casa arrombada

O caso da contaminação da Belorizontina, que já deixou quatro mortos, vai chegar ao Congresso Nacional. Na reabertura da Câmara, em fevereiro, a bancada mineira vai apresentar um projeto de lei com normas mais rígidas para a produção de cervejas artesanais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.19

“Menos Belo Horizonte e mais Minas Gerais”

O governo de Minas Gerais está promovendo uma espécie de “black friday fiscal”. Até o momento, 846 prefeituras mineiras já aderiram ao programa que autorizou municípios a realizarem empréstimos dando como garantia créditos a receber do próprio estado. A meta da Secretaria de Fazenda é fechar acordo com todas as 853 cidades até o fim da semana. O valor total da dívida do estado com os municípios gira em torno dos R$ 6 bilhões – valor referente a atrasos no repasse de ICMS, IPVA e de recursos do Fundeb. Consultado pelo RR, o governo de Minas Gerais confirmou que 788 adesões já foram homologadas e outras 58 estão em processo final de habilitação. O programa parece feito sob medida para um ano eleitoral. As prefeituras terão um volume de recursos que não estava no script. Não se sabe exatamente a que custo. Uma das críticas feitas pelos opositores do governo Zema é falta de clareza quanto ao responsável pelo pagamento dos empréstimos bancários em um cenário radical, leia-se um eventual duplo calote, da Prefeitura e do Estado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.11.19

“Bolsa Nióbio”

O 13º salário do funcionalismo público de Minas Gerais está indexado ao nióbio. O pagamento só deverá sair se o governo do Estado conseguir fechar a captação de aproximadamente R$ 5 bilhões que negocia com um pool de bancos estrangeiros. O lastro para a operação são os royalties da venda de nióbio da CBMM, na qual a estatal Codemig é sócia dos Moreira Salles.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.08.19

Monitoramento às cegas

Minas Gerais está onde sempre esteve, assim como o seu ecossistema, mas a gestão pública conseguiu perder o meio ambiente de vista. Literalmente. Há cerca de cinco anos, o governo mineiro contratou os serviços de um satélite alemão para produzir um mapeamento agrícola e florestal do estado. Gastou R$ 12 milhões só pelas imagens. Em nome da “soberania mineira”, o levantamento de dados de campo, fundamental para a correta interpretação das fotografias, ficou a cargo do poder público. Resultado: até hoje, o trabalho não foi concluído. É mais um episódio da perda de conhecimento sobre o meio ambiente no Brasil, que tem provocado a reação de outros países – vide a edição de ontem do RR.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.