fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
21.08.20

Barão de Munchausen

Os advogados de Lula vão entrar nos próximos dias com o pedido de anulação da delação premiada de Antonio Palocci. A defesa do ex-presidente vai se agarrar com unhas e dentes ao inquérito da PF conduzido pelo delegado Marcelo Daher. Segundo a investigação, as “revelações” de Palocci contra Lula não passam de um “corta e cola” do noticiário.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.08.20

Perda de prestígio

Lurian da Silva, filha de Lula, já esteve mais em alta. Ela vai coordenar o programa de governo do candidato do PT à Prefeitura de Itabaiana (SE), Olivier Chagas. Entre outras missões, dentro e fora do partido, Lurian integrou o comitê de campanha de Gabriel Chalita, candidato derrotado à Prefeitura de São Paulo. Por sinal, a jornalista não é exatamente uma pé quente: não se elegeu vereadora em São Bernardo do Campo mesmo no auge da popularidade do pai.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.07.20

Nem a Covid-19 contamina a reeleição de Bolsonaro

Nem o novo coronavírus está se mostrando capaz de deter a marcha firme do presidente Jair Bolsonaro rumo à reeleição. É o que mostra sondagem realizada pelo RR na semana passada junto a 78 nomes da sua base de assinantes. Os resultados são muito próximos aos verificados no levantamento do Paraná Pesquisas, divulgado na última sexta-feira em parceria com a revista Veja. Bolsonaro ganha de todos candidatos, em todas as simulações eleitorais, no primeiro e no segundo turno. Ressalte-se as diferenças entre ambos os levantamentos.

Por exemplo: a sondagem do RR é mais modesta e não incluiu diversos potenciais candidatos, tais como João Amoedo, Guilherme Boulos e Wilson Witzel. A conclusão é que, pelo menos por enquanto, Bolsonaro é invencível. Mesmo com a inclusão de Lula na simulação eleitoral estimulada, o presidente se distancia do petista em nove pontos na sondagem do RR para o primeiro turno, 31% a 22%, uma diferença ainda maior do que a verificada pelo Paraná Pesquisas (27,5% a 21,9%). No segundo turno, de acordo com o levantamento do RR, o intervalo entre o atual e o antigo presidente é ainda mais amplo, 47% a 34% (placar maior do que o do Paraná Pesquisas, 45,6% a 36,4%).

Lula, diga-se de passagem, tem uma base de eleitores permanentes da ordem de 30%, praticamente igual à de Bolsonaro. Quando a comparação é com Sérgio Moro, em simulação igualmente estimulada, Bolsonaro dá uma goleada: o presidente ganha do ex-juiz e ex-ministro por 32% a 16% na sondagem do RR para o primeiro turno, com Lula listado. Segundo o Paraná Pesquisas, o score é de 29% a 17,1% a favor de Bolsonaro, sem Lula listado, e de 27,5% a 16,8%, com Lula. Em uma terceira simulação estimulada, a competição direta é com Fernando Haddad. De acordo com o levantamento junto aos assinantes do RR, a diferença chega a 20 pontos percentuais pró-Bolsonaro – 33% a 13%. O resultado é ainda superior aos mais de 16 pontos atestados pelo Paraná Pesquisas (30,7% a 14,5%). Nessa mesma listagem de perguntas também consta o governador Flavio Dino, novo darling das esquerdas.

De acordo com o RR, o abismo entre Bolsonaro e Dino é de 33 pontos percentuais: 34% a 1%. Segundo o Paraná Pesquisas, o presidente receberia 30,7% dos votos em primeiro turno contra apenas 1,6% para o governador do Maranhão. O Paraná Pesquisas incluiu o “Mr. Pandemia”, Henrique Mandetta, na competição. Resultado: diferença de 25 pontos pró Capitão, 30,7% a 5,7% (o RR não adicionou Mandetta). E vamos ao segundo turno.

A enquete do RR apontou os seguintes resultados: na disputa contra Fernando Haddad, 45% a 36% a favor de Bolsonaro (46,6% a 32% no Paraná Pesquisas); contra Ciro Gomes, 47% a 30% (48,1% a 31,1% no Paraná Pesquisas); contra Sérgio Moro, 46% a 35% (44,7% a 35% no Paraná Pesquisas); contra João Dória, 54% a 22% (51,7% a 23% no Paraná Pesquisas); e, finalmente, o celebrado Luciano Huck: no RR, 47% a 29% a favor de Bolsonaro (50,8% a 27,6% no Paraná Pesquisas). Segundo um cientista político que colaborou com o RR na sondagem, haveria um fator de fortalecimento eleitoral do “mito”: o auxílio emergencial, que angariou gratidão junto a segmentos e regiões mais pobres, a exemplo do Nordeste, que era um feudo exclusivo do PT. O auxílio vai virar permanente, transformando-se no programa social “Renda Brasil”. Mesmo assim, com tudo que o presidente faz para envergonhar os brasileiros, os números assustam pela sua distância em relação aos virtuais candidatos. Será que Jair Bolsonaro está se tornando imbatível?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.06.20

Bicudos

A exemplo de José Dirceu, o economista Eduardo Moreira também tenta costurar uma aproximação entre Lula e Ciro Gomes. Vai gastar saliva para nada. Conselheiro emergente do campo da esquerda, Moreira é fundador do movimento Somos 70, de oposição a Jair Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.06.20

Gabinete do amor

Ideia soprada ao pé do ouvido de Lula por um velho marqueteiro do PT: encapsular toda a sua comunicação nas redes sociais com o termo “gabinete do amor”. É cada uma…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.05.20

Ligação direta

Maria Fernanda Coelho, presidente da Caixa na gestão Lula, é hoje uma das principais pontes entre os estados do Nordeste e Rogério Marinho, ministro do Desenvolvimento Regional. Subsecretária do Consórcio Nordeste, Maria Fernanda negocia diretamente com Marinho a fatia que caberá à região na nova versão do “Minha Casa Minha Vida”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.05.20

O mais inimaginável encontro da República

Pode parecer nonsense e talvez até seja, mas circula em rodas do PT que o comandante José Dirceu anda pensando em voz alta sobre um possível encontro entre Lula e Sergio Moro. Ambos se despiriam das vestes de condenado e juiz em nome da causa maior do Brasil. Dirceu é um pragmático elevado à enésima potência. Antes da posse de Lula, articulou o Ministério junto a personagens como Mario Garnero, Jorge Serpa e até Dick Cheney, então vice-presidente dos Estados Unidos e CEO da Halliburton até 2000. Não custa lembrar que a loucura tem precedente. Nos idos de 1966, Carlos Lacerda e João Goulart, antes inimigos figadais, uniram-se na Frente Ampla. A pergunta que não quer calar não é nem mesmo a questão do timing e a disposição de ambos para um evento desses. Mas, sim, o que Moro teria a ganhar com isso?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.05.20

Um processo a menos?

A defesa de Lula prepara-se para arguir a extinção dos processos contra o ex-presidente no âmbito da Operação Zelotes. A base para o pedido é a absolvição de diversos réus acusados de participar, ao lado do petista, de um suposto esquema de corrupção na “venda” de Medidas Provisórias. Entre os já alforriados pelo TRF1 estão os lobistas Mauro Marcondes e Alexandre Paes dos Santos, bem próximos a Lula.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.04.20

Mudanças

Parece que Jair Bolsonaro mudou a bandeira da distribuidora (de ideias) do seu “Posto”. Aderiu à Petrobras. Mas a escolha é por aquela estatal de antes do governo Lula.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.03.20

Há algo de podre…

A linha de montagem de fake news não para. Circula em grupos de WhatsApp um vídeo que mostra Lula saindo de um hotel de luxo com o seguinte texto: “Só luxo e riqueza: o malandro livre na Dinamarca, zero de contaminação”. As imagens são, sim, de uma viagem do ex-presidente ao país europeu. Só que em 2009.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.