Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
22.10.18
ED. 5978

Assim é se lhe parece

O empresário Flavio Rocha tem se apresentado entre seus pares como futuro ministro de Jair Bolsonaro. Já deixou até o irmão Elvio Gurgel Rocha, vice-presidente do Conselho da Lojas Riachuelo, de sobreaviso para assumir seu lugar como chairman do grupo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.10.18
ED. 5970

A rentrée de Bolsonaro

Flávio Rocha, das Lojas Riachuelo, articula um jantar entre Jair Bolsonaro e empresários paulistas ainda para esta semana. Se os médicos liberarem, será um dos primeiros atos na retomada da campanha do Capitão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.09.18
ED. 5958

“Rochanaro”

O ex-presidenciável Flavio Rocha encabeça um grupo de empresários que, nos próximos dias, divulgará um manifesto de apoio a Jair Bolsonaro. Em círculos reservados, o dono da Riachuelo tem dito, inclusive, que já foi sondado pelo Capitão para assumir um Ministério em 2019.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.07.18
ED. 5915

Flavio Rocha à espera de um milagre

Mesmo após anunciar sua saída da disputa presidencial, o empresário Flavio Rocha ainda não retornou de vez à gestão executiva da Lojas Riachuelo. Pode ser um indicativo de que Rocha ainda tem alguma pontinha de esperança de participar do jogo eleitoral.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.05.18
ED. 5871

Revolução digital

Antes de sair da presidência da Lojas Riachuelo, Flavio Rocha deixou um alentado plano de investimento para reformular a área de e-commerce da empresa. Segundo o RR apurou, o aporte gira em torno dos R$ 10 milhões. De repente, dá tempo de Rocha retornar ao comando da rede varejista em outubro para colocar a estratégia em execução. Procurada pelo RR, a Riachuelo informou que “não abre seus investimentos por área”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.05.18
ED. 5866

O “Riquinho” da campanha eleitoral

Em conversa na semana passada, Flavio Rocha confirmou à direção do PRB que não pretende usar um centavo do fundo partidário e financiará sua campanha à Presidência com “recursos próprios”. O empresário garante que manterá uma estrutura de custos “enxuta” – as estimativas giram entre R$ 50 milhões e R$ 60 milhões. No que diz respeito à capacidade de bancar a própria campanha, ressalte- se, o herdeiro da Riachuelo é quase imbatível. Entre os presidenciáveis, só encontra paralelo no ex-ministro Henrique Meirelles.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.03.18
ED. 5834

Passado e futuro disputam o comando da Riachuelo

A sucessão de Flavio Rocha no comando da Lojas Riachuelo traz a reboque uma espécie de “conflito de gerações”. O fundador do Grupo Guararapes, Nevaldo Rocha, pende pela indicação do sobrinho, Newton Rocha Jr., vice-presidente da rede varejista. Seria a permanência da segunda geração do clã à frente da empresa. No entanto, no que depender do próprio Flavio, o substituto será o seu rebento, Felipe Rocha, de 31 anos. Também vice-presidente da Riachuelo, Felipe tem se destacado no comando do departamento de moda masculina da rede varejista. Em tempo: o curioso é que o processo de sucessão da companhia pode durar não mais do que sete meses. Vai depender do desempenho de Flavio Rocha nas urnas, em outubro

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.02.18
ED. 5801

As prévias de Flavio Rocha nas redes sociais

Flavio Rocha está sentindo na pele o quanto é difícil dissociar a política dos negócios, sobretudo nestes tempos de ânimos tão exacerbados. Nos últimos dias, a Lojas Riachuelo se viu forçar a montar uma operação de guerra nas redes sociais. A rede varejista teve de intensificar o monitoramento nas mídias digitais por conta dos seguidos ataques feitos por internautas. Os rótulos contra a Riachuelo se multiplicaram: “homofóbica” e “intolerante” figuram entre os mais suaves.

Hashtags foram criadas para pregar um boicote às lojas. Em parte, o ódio digital foi alimentado por declarações feitas por Rocha à Folha de S. Paulo na semana passada. Na ocasião, o herdeiro da Riachuelo disse que o Brasil precisa de um presidente “conservador nos costumes”. Na ponta do lápis, nada que justificasse a reação desmedida dos internautas. No entanto, houve método na loucura. A campanha cibernética contra a Riachuelo ganhou ingredientes adicionais que funcionaram como pimenta do reino e dendê no caldo das redes sociais. Muitos lembraram que Rocha é ligado à igreja Sara Nossa Terra, que, entre as suas bandeiras, desaprova a união homoafetiva.

Houve até quem recordasse da propaganda da Riachuelo para o Dia dos Namorados em 2017, exibindo apenas casais heterossexuais. Procurada pelo RR, a Riachuelo confirmou ter identificado nas redes sociais um “aumento de menções associadas ao seu presidente Flavio Rocha, em função da distorção de uma entrevista dada pelo empresário”. A rede varejista disse ainda que “está respondendo aos questionamentos” e classifica informações atribuídas a ela como “fake news”, reafirmando ser uma empresa “plural, democrática e que apoia a diversidade em todas as suas faces”. Um dado relevante: a Riachuelo afirma ser a maior empregadora de transexuais do Brasil. São mais de 500 colaboradores que usam os nomes sociais que escolheram em seus crachás. De toda a forma, o episódio é didático do quanto o político em construção Flavio Rocha – ele descarta a candidatura, mas já foi apontado como o nome dos sonhos do MBL para a Presidência – pode ser instrumentalizado para contaminar a imagem do empresário Flavio Rocha.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.10.17
ED. 5730

The big star

O empresário Flavio Rocha, herdeiro das Lojas Riachuelo, será a grande estrela do 3º Congresso Nacional do MBL, no dia 11 de novembro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.10.17
ED. 5716

“Partido da Riachuelo”

Funcionários das Lojas Riachuelo estão organizando uma manifestação nacional – e, ao que consta, espontânea –em apoio aos acionistas da empresa, leia-se a família Rocha. O motivo é o mesmo que levou empregados da holding, o Grupo Guararapes, a fazerem uma passeata em Natal na semana passada: a ofensiva do Ministério Público do Trabalho (MPT) contra a companhia. O MPT pede à Justiça que o Guararapes seja multado em R$ 37 milhões por supostas ilegalidades em oficinas de costura que prestam serviços ao grupo. Em uma dessas manifestações, periga o empresário Flavio Rocha, cortejado pelo Partido Novo, cair nos braços do seu povo e lançar em praça pública sua candidatura à Presidência da República.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.08.17
ED. 5678

Flávio Rocha livre para voar

Se a Guararapes e a crise no varejo eram um impeditivo à carreira política de Flavio Rocha, ele já pode se filiar ao Partido Novo e preparar sua candidatura ao governo de São Paulo. Os resultados da companhia no primeiro semestre, que serão divulgados amanhã, vão referendar a recuperação da holding controladora das Lojas Riachuelo. Segundo o RR apurou, o balanço indicará uma margem Ebitda projetada para este ano da ordem de 26%, contra uma estimativa de 15% para o varejo em geral. Entre janeiro e junho, a Riachuelo aumentou as vendas em aproximadamente 6% no conceito de mesmas lojas – há dois anos, esse índice patinava em 0,2%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.07.17
ED. 5672

Espelho, espelho meu

João Doria tem feito de tudo para convencer Flavio Rocha, herdeiro da Lojas Riachuelo, a desistir da ideia de se filiar ao Partido Novo e entrar no PSDB. São 10% de amizade e o restante, puro pragmatismo. Rocha corre na mesma raia do “político-gestor”. Em outro partido, pode vir a ser um adversário incômodo numa eventual disputa ao governo de
São Paulo, caso sobre apenas esta alternativa a Doria em 2018.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

O apartidário MBL monta sua chapa

O Movimento Brasil Livre (MBL) que se diz, ou se dizia, apartidário e sem fins eleitorais começa a colocar suas cartas na mesa para 2018. Já existem articulações para um apoio à virtual candidatura de Flavio Rocha, herdeiro da Lojas Riachuelo, ao governo de São Paulo. Além disso, o MBL tem a meta de fazer uma bancada de dez a 20 parlamentares.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Flavio Rocha, da Lojas Riachuelo, saiu na frente. Já está em campanha junto ao empresariado paulista pela candidatura de João Doria à presidência.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.01.17
ED. 5538

Sucessão emperrada

O octogenário Nevaldo Rocha já gostaria de ter passado definitivamente a gestão executiva do Grupo Guararapes e da Lojas Riachuelo para o filho, Flavio Rocha. Mas não vai coroá-lo enquanto ele não se decidir entre os negócios da família e a política. O rebento dá sinais de que poderá ser seduzido pelo canto que vem do PSDB. Consultado, Flavio Rocha disse “desconhecer as informações”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O empresário Flavio Rocha, herdeiro da Lojas Riachuelo, é considerado pule de dez para integrar o secretariado de João Doria. Aliás, foi em um jantar na residência de Rocha que Geraldo Alckmin lançou a candidatura de Doria à Prefeitura.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.11.15
ED. 5251

Sucessão é a palavra da vez no Grupo Guararapes

 Com a experiência de quem escapou da seca no sertão do Rio Grande do Norte e, décadas mais tarde, resistiu a uma concordata que quase incinerou todos os seus negócios, Nevaldo Rocha sabe que, nessa vida, há tempo para se vencer quase tudo, menos o próprio tempo. Aos 88 anos, o fundador do Grupo Guararapes e dono da Lojas Riachuelo tem um encontro marcado com a palavra “sucessão”. Na Guararapes, é grande a expectativa de que o empresário deixe a direção executiva do grupo em 2016, mais precisamente em agosto, quando se encerra seu atual mandato. A partir de então, Nevaldo permaneceria apenas na presidência do Conselho, entregando a gestão a um de seus filhos. Procurada pelo RR, a Guararapes nega mudanças na gestão.  Salvo algum fato novo, que ninguém espere por uma disputa fratricida: todas as evidências apontam que o eleito será Flavio Rocha. Aos olhos do próprio patriarca, trata-se do único de seus herdeiros realmente com pendor para a gestão executiva. Seus outros filhos, Elvio e Lisiane, acumulam passagens pela diretoria das empresas, como a área de marketing da Riachuelo, mas hoje a atuação de ambos está concentrada no Conselho do grupo. Já Flavio é CEO da rede varejista e vice-presidente da Guararapes. Nas horas vagas, dedica-se também a bombardear o governo Dilma Rousseff e a fazer o proselitismo do impeachment junto ao empresariado, mas isso é outra história.  O fato de o nome do sucessor de Nevaldo Rocha ser considerado uma barbada dentro do próprio grupo não reduz a complexidade do processo. A troca de guarda na Guararapes tem suas sutilezas. Interlocutores privilegiados de Nevaldo sabem que o empresário vez por outra flerta com a ideia de vincular a passagem de bastão a uma reestruturação societária. Por trás da operação, estaria o cuidado do criador em proteger sua criatura de eventuais trepidações no relacionamento entre os herdeiros. A blindagem envolveria a criação de uma empresa de participa- ções que aglutinaria as ações pertencentes a Nevaldo e aos filhos. A nova holding seria amarrada a um rigoroso acordo de acionistas. Nenhum dos herdeiros poderia vender separadamente parte ou muito menos a totalidade de suas ações sem oferecê-las primeiramente aos demais acionistas. A maior preocupação de Nevaldo reside na Lojas Riachuelo, o grande negócio do grupo. Reza a lenda que, no passado recente, fundos norte-americanos acionistas da Lojas Renner teriam sondado isoladamente Elvio e Lisiane Rocha com o propósito de comprar suas participações na rede varejista da família. Encontraram a porta fechada. Mas o episódio serviu de alerta para o patriarca dos Rocha. Ao longo de tantas décadas, Nevaldo já viu muitos impérios empresariais ruírem por dentro

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.09.15
ED. 5216

Muy amigo

O empresário Flavio Rocha, herdeiro das Lojas Riachuelo e defensor declarado do impeachment de Dilma Rousseff, flerta com a ideia de entrar na política. O amigo Aécio Neves já lhe abriu as portas do PSDB. Consultado, Rocha não quis se pronunciar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.