fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos

Grandes editoras já fazem fila na porta da Livraria Cultura. Esperam que Sergio Hertz, dono da companhia, cumpra o acordo de usar os R$ 31 milhões amealhados com a venda do site Estante Virtual para o pagamento de entregas atrasadas, algumas desde o fim de 2018.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.01.20

Monólogo

O leilão de venda da Estante Virtual, plataforma de e-commerce da Livraria Cultura, é uma obra de ficção. Segundo o RR apurou, o Magazine Luiza é o candidato único à aquisição.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.11.19

Encalhou na prateleira

O prazo para a entrega de propostas (14 de novembro) chegou ao fim sem que a Livraria Cultura tenha recebido uma mísera proposta pela Estante Virtual. Conforme o RR informou em 1 de novembro, a empresa não tem de onde tirar dinheiro para pagar os credores. A separação entre a recuperação judicial e a falência já é uma linha imaginária.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.11.19

… uma livraria que vai

Se esse livro com as aberrações do presidente Bolsonaro já estivesse nas prateleiras, vendendo feito água, talvez a Livraria Cultura tivesse melhor sorte. No entanto, os credores da companhia já temem pelo pior. Com uma dívida em torno de R$ 280 milhões, a Cultura não tem conseguido honrar o acordo homologado na 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, em abril. Desde agosto, vem atrasando os pagamentos a diversos credores. A situação tende a se agravar ao longo de novembro. A rede de livrarias da família Hertz já teria comunicado a credores que a quitação de parcelas com vencimento no próximo dia 15 está na dependência da venda da plataforma de e-commerce Estante Virtual, operação que dificilmente será consumada em um espaço de tempo tão curto. Segundo o RR apurou, algumas editoras já cogitam entrar com protestos em cartório, pedindo a falência da Cultura.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.09.19

Páginas rasgadas

Após arrancar a família Saraiva da gestão, os credores da rede de livrarias já trabalham no próximo movimento: a venda do controle da empresa.

Também em recuperação judicial, a Livraria Cultura está tentando empurrar a Estante Virtual, sua plataforma de vendas online, para a Amazon.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.09.19

Saneamento

Os ventos da Saraiva sopram na direção da Livraria Cultura, também em recuperação judicial. A exemplo do que ocorreu na primeira, com o afastamento da família Saraiva, dois bancos credores da Cultura se mobilizam para tirar o acionista Sergio Herz da presidência. Recentemente, a Justiça suspendeu a transferência de dois apartamentos do empresário para a esposa, considerando o repasse uma fraude contra os credores.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.07.19

Credores da Cultura fecham o cerco

A recuperação judicial da Livraria Cultura ainda vai acabar rendendo um best seller. Os credores da companhia pediram à Justiça um pente-fino no patrimônio de Sergio Herz, controlador da empresa, e de seus familiares. Bancos e editoras tentam rastrear outras transferências de bens que eventualmente tenham sido feitas por Herz. Há cerca de duas semanas, a Justiça suspendeu o repasse de dois apartamentos e três automóveis em nome do empresário para a sua mulher, Catarina Machado Capela Herz. Os credores acusam o dono da Cultura de agir deliberadamente para ocultar patrimônio. Na paralela, três meses após a aprovação do plano de recuperação judicial pelos credores, a empresa ainda não começou a quitar os débitos trabalhistas, que somam cerca de R$ 15 milhões. Segundo a proposta homologada na 12ª Vara de Recuperações Judiciais e Falências de São Paulo, a Livraria Cultura tem até abril de 2020 para honrar o pagamento integral das dívidas com seus funcionários e ex-funcionários.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.03.19

Na mira dos credores

Dois bancos credores da Livraria Cultura têm se movimentado para convencer outras instituições financeiras e fornecedores a votarem contra o plano de recuperação judicial da empresa na assembleia marcada para amanhã. O motivo é a figura do “credor incentivador” incluída na proposta: os credores que quiserem receber sua dívida com deságio menor terão de continuar injetando dinheiro na Cultura.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.02.19

Recuperação judicial “sub judice”

Em recuperação judicial, com um passivo de R$ 285 milhões, a Cultura vem propondo a algumas editoras receber livros em consignação, com a garantia de que pagará após a venda das obras. Vai além, ao oferecer como contrapartida ao gesto, colocar esses “parceiros” numa condição de “credor incentivador”. O mais provável é que a própria Justiça barre a proposta. A Lei de Recuperação Judicial prevê uma ordem para o pagamento do passivo, a começar pelos créditos trabalhistas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.01.19

Plano da Cultura enfrenta resistências

Amanhã, um grupo de aproximadamente 20 credores da Livraria Cultura vai se reunir para analisar o plano de recuperação judicial apresentado pela companhia. Segundo o RR apurou, duas grandes editoras já se mostraram contrárias aos termos da proposta. O executivo de uma destas empresas chega a classificar o plano como uma “chantagem” contra os credores. O motivo é o escalonamento sugerido pela Cultura. Na proposta feita pela empresa, o pagamento das dívidas com menor deságio (de zero a 25%) ficaria restrito aos fornecedores que mantiverem a entrega de produtos para a livraria. Estes credores seriam os “incentivadores”, os parceiros do soerguimento da rede. Por sua vez, as editoras que se negarem a fornecer mercadorias para a Cultura receberiam, no máximo, 30% do valor de face da dívida. Para os credores que desde já rechaçam a proposta, este modelo teria como objetivo escancarado constranger as editoras, forçando-as a refinanciar a rede de livrarias para receber uma parcela maior de seus créditos. Apesar da resistência de grandes fornecedores, a Cultura joga suas fichas na estiagem alheia: a aposta é que o plano será aprovado pela maioria dos credores, editoras que também estão com a corda no pescoço e precisam receber o quanto antes. Os próximos capítulos começarão a ser escritos a partir de amanhã.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.