Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
17.03.16
ED. 5329

Cimento fresco

 A tailandesa Siam City Cement surge como candidata à compra de cimenteiras no Brasil. Na mira, os ativos que a dupla Lafarge e Holcim terá de vender por determinação do Cade. A Siam City fatura por ano US$ 15 bilhões. Para efeito de comparação, dá umas quatro Votorantim Cimentos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

O iminente avanço de empreiteiras chinesas no Brasil é parte de uma operação ainda mais abrangente. A grande marcha sobre o setor de construção pesada prevê também o desembarque no país de algumas das maiores cimenteiras do mundo – no âmbito dos acordos bilaterais assinados entre os governos Dilma Rousseff e Li Keqiang em maio deste ano. A ponta de lança deste projeto é a Citic, braço de investimentos do governo chinês, um potentado com mais de US$ 700 bilhões em ativos. Discretamente, o grupo já montou um pequeno cluster na indústria cimenteira no Brasil. Uniu-se à paranaense Companhia Vale do Ribeira para a construção de uma fábrica na cidade de Adrianópolis, um investimento da ordem de US$ 150 milhões. Trata-se apenas de um embrião, a proxy de um projeto de ocupação do mercado brasileiro que se consumaria com a associação entre a Citic e grandes fabricantes de cimento chineses para a compra de ativos no país. A fila seria puxada pela China National Building Material (CNBM). Até o ano passado, o grupo era o maior produtor mundial do insumo, com 350 milhões de toneladas por ano, mas perdeu o posto após a fusão entre a Holcim e a Lafarge. Outro nome dado como certo é o da Anhui Conch, quarto lugar no ranking global do setor, com capacidade instalada de 215 milhões de toneladas. O momento não poderia ser mais propício para a investida dos asiáticos – noves fora as recentes ranhuras diplomáticas entre os dois países por conta da demora do governo brasileiro em reconhecer a China como economia de mercado. Sobram atrativos para as cimenteiras chinesas: o Brasil está baratinho; todos os segmentos ligados à área de construção no país enfrentam um momento extremamente complicado, seja por aspectos jurídicos, regulatórios ou mesmo pela conjuntura econômica; e, para completar, o que não falta na prateleira é ativo. No caso da indústria cimenteira, o Cade é o principal responsável pela superoferta. Para que sua fusão fosse aprovada no país, a dobradinha Lafarge/Holcim comprometeu-se a vender quase um terço de sua capacidade instalada – algo em torno de 3,6 milhões de toneladas. Por sua vez, Votorantim, Camargo Corrêa, Cimpor, Itabira e Itambé , todas condenadas pelo órgão antitruste por formação de cartel, terão de se desfazer de até 20% da sua produção. No caso da Camargo Corrêa, a decisão do Cade nem seria necessária. A disposição vendedora dos herdeiros de Sebastião Camargo vai muito além do percentual imposto pelo conselho de defesa da concorrência. O grupo já iniciou o processo de venda de ativos na área de concreto. Dependendo da oferta, a Camargo Corrêa entrega o controle da InterCement porteira fechada. Seria uma oportunidade de ouro para um grande grupo chinês desembarcar no Brasil assumindo, logo na partida, a segunda posição no ranking do setor, com uma produção de quase 13 milhões de toneladas por ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.03.15
ED. 5079

Há fendas no cimento do Grupo João Santos

Das duas uma: ou os herdeiros do industrial pernambucano João Santos deixam suas veleidades de lado e selam um pragmático armistício ou correm o risco de brigar até o último de seus dias por um punhado de farelo de calcário. Enquanto os filhos e netos do saudoso empresário se estapeiam pelo controle dos negócios, o Grupo João Santos mergulha num lento, gradual e nada seguro processo de erosão. O que está em jogo é o futuro de uma das maiores sagas empresariais do Nordeste e, mais especificamente, da sua operação de cimento, leia-se a Itabira Agro Industrial, responsável por quase 60% do faturamento do conglomerado – em torno de R$ 3 bilhões. Nos últimos dois anos, a companhia, fabricante do cimento Nassau, teria perdido algo perto de dois pontos de market share, em grande parte devido a atrasos na execução de investimentos e projetos de expansão – efeitos colaterais das disputas societárias travadas desde 2009, ano da morte do patriarca. Os pilares do Grupo João Santos são sólidos, não há dúvida alguma. No entanto, a situação da empresa no mercado tende a se complicar nos próximos meses com a esperada dança das cadeiras na indústria cimenteira nacional, uma coreografia executada sob a trilha sonora do Cade. Os herdeiros de João Santos estão ameaçados de acabar o baile sem lugar para sentar e com os pés pisoteados. Além da condenação por formação de cartel e da obrigatoriedade de vender ativos, o grupo foi abalroado pela fusão entre Lafarge e Holcim. A operação representou uma dupla derrota para os pernambucanos. A primeira delas veio com o próprio anúncio da associação: a dobradinha franco-suíça tomou o terceiro lugar no ranking do setor, empurrando a Itabira Agro Industrial para fora do pódio. O segundo revés veio com a decisão do Cade, que condicionou a fusão entre Lafarge e Holcim a  venda de 30% da capacidade instalada das duas empresas. Quem comprar estes ativos passará a ter aproximadamente 6% do mercado. Na hipótese de que um novo competidor entre em cena, fala-se na mexicana Cemex, ele já chegará triscando nos calcanhares do Grupo João Santos, detentor de 9% de market share – número este que cairá para menos de 8% quando a empresa se desfizer de ativos para atender a  punição imposta pelo Cade. O RR fez diversos contatos com o Grupo João Santos, mas a companhia não retornou até o fechamento da edição. Se, no front externo, as condições de mercado são cada vez mais hostis ao Grupo João Santos, dos muros para dentro os conflitos se acirram. O embate entre os acionistas seria protagonizado por Fernando Santos, filho mais novo e sucessor de João Santos na presidência das empresas, e sua irmã Ana Maria. Consta que a terceira geração da família defende a venda da operação do cimento do grupo, temendo uma depreciação dos ativos no médio prazo. Ocorre que as condições atuais do setor não favorecem o negócio. Além das amarras impostas pelo Cade para que os grandes grupos façam novas aquisições – o próprio Grupo João Santos também é um dos penalizados -, as vendas de cimento têm caído sucessivamente. No passado recente, quando as circunstâncias eram mais oportunas, Camargo Corrêa e a própria Cemex chegaram a manifestar interesse na Itabira (ver RR nº 4.493). Teriam esbarrado numa parede de concreto chamada Fernando Santos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.