fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
25.06.21

Lemann pode ter um sócio nota 10 na Eleva Educação

A britânica International Schools Partnership estaria em conversações para se associar à Eleva Educação. Os nomes por trás das duas empresas dão uma ideia da dimensão que o negócio pode alcançar. De um lado, está Jorge Paulo Lemann; do outro, Marcel Erni, Urs Wietlisbach, Alfred Gantner, fundadores do suíço Partners Group e listados entre os 25 maiores gestores de private equity do mundo.

A partir desse enlace, o Brasil pode se tornar o laboratório para um grande projeto de educação voltado à população de alta renda, com ramificações no exterior. De acordo com a fonte do RR, International Schools Partnership e Eleva seriam sócias em escolas não só no Brasil, mas em outros países do mercado latino-americano. Ressalte-se o grupo britânico já atua no Chile, Equador e Peru.

É apenas um pedaço da ampla cartografia de negócios da empresa. O International Schools Partnership está presente na Europa, Europa, no Oriente Médio, nos Estados Unidos e no Canadá, com escolas voltadas a “clientes” triple A. Trata-se da essência da Eleva Educação, ainda que, mais recentemente, a empresa tenha ampliado seu portfólio de ativos – entre outros negócios, com a compra de 51 escolas da Cogna. Mas, a marca Eleva está reservada para enricados alunos. Procurada pelo RR, a empresa não quis se pronunciar, assim como a International Schools Partnership.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.05.21

Minoritários no caminho da Americanas e da B2W

Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles terão de enfrentar alguns percalços para concluir a fusão entre a B2W e a Lojas Americanas. Minoritários pesos-pesados da Americanas, a exemplo do BlackRock – uma das maiores gestoras do mundo, com quase US$ 9 trilhões em ativos -, estariam se mobilizando para entrar com um recurso junto à CVM com questionamentos à operação. Segundo fonte de mercado, o ponto central da contestação seria a relação de troca das ações vis-à-vis o esvaziamento da empresa. Pelo acordo, para cada papel que detêm da Americanas, os atuais acionistas da companhia receberão 0,18 ação da B2W. O entendimento é que essa proporção não compensaria as perdas impostas pela transferência de todos os ativos da Americanas para a B2W – o chamado “acervo cindido”, no valor de R$ 6,2 bilhões. Na avaliação dos minoritários, também não se trata de uma relação de troca justa considerando-se a redução do capital social da rede varejista, de R$ 12,5 bilhões para R$ 7,3 bilhões. Bom mesmo só para o trio Lemann/Sicupira/Telles, que manterá o controle da B2W, inflada pelos ativos da Americanas, somando 53,4% entre participações diretas e indiretas.

Procurada pelo RR, a CVM comunicou que, “até o presente momento, não recebeu denúncia ou reclamação a respeito do tema”. E aos olhos do órgão regulador, a engenhosa arquitetura societária é prejudicial aos minoritários? A CVM diz que a operação “está sendo analisada no âmbito do processo 19957.003703/2021-51″. Também consultado, o BlackRock disse que não comenta sobre casos específicos. A Americanas não quis se pronunciar. Ressalte-se que a contestação ao órgão regulador poderá se estender aos Estados Unidos após a já anunciada listagem da nova companhia no mercado norte-americano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.21

Aportes em série

Os acionistas do aplicativo esportivo Strava estariam preparando um novo aporte na empresa. Na última capitalização, em novembro de 2020, foram injetados US$ 100 milhões. A startup reúne um condomínio de investidores, entre os quais a Go4It, de Marc Lemann, filho de Jorge Paulo Lemann.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.04.21

Educação é o novo alvo

O Centrão voltou a fazer carga pela saída de Milton Ribeiro do Ministério da Educação. O nome indicado seria o do ex-deputado Mendonça Filho, do DEM, que comandou a Pasta no governo Temer. Atualmente, Mendonça é consultor da Fundação Lemann, pertencente a Jorge Paulo Lemann. Aliás, Lemann é candidato à compra da participação da Petrobras na BR Distribuidora.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.03.21

Governo Bolsonaro lança dúvidas sobre o futuro da BR

A BR Distribuidora virou uma bola de pingue-pongue, rebatida de um lado para o outro da rede entre estratégias e interesses conflitantes entre si. Do Palácio do Planalto, surgem vazamentos sobre a ideia de reestatização da companhia. Nesse caso, a Petrobras, que mantém uma participação de 37,5% na distribuidora de combustíveis, seria usada pelo governo para a recompra de ações da BR em mercado. Essa hipótese quica sobre a mesa como um rebote da raquetada do presidente Jair Bolsonaro na governança da
petroleira.

Se é possível interferir na Petrobras, por que não na BR, ainda que a participação do governo na companhia se dê de forma indireta? Pelo silogismo bolsonarista, se a Petrobras é sócia da empresa, está resolvido: “La BR c ́est moi” No sentido contrário, está o projeto de privatização completa da BR, com a venda do restante das ações ainda em poder da Petrobras. Os fundos que coabitam o capital da empresa pressionam por esta solução. Esta, inclusive, seria a principal missão de Wilson Ferreira Junior, que as-
sumiu a presidência da distribuidora de combustíveis na semana passada. Ferreira tem o perfil de embalador de empresas para a privatização, ainda que não tenha alcançado sucesso na Eletrobras.

Na estatal, ele perdeu a viagem. Já na BR, o executivo vem calejado pela arritmia decisória do governo Bolsonaro. No meio dessa troca de bolas de um lado para o outro, o RR recebeu também a informação do interesse da Americanas em ter uma participação expressiva na BR. A rede varejista, ressalte-se, já enxerga o negócio por dentro: firmou recentemente um acordo operacional com a distribuidora no segmento de lojas de conveniência. A compra das ações da Petrobras faria da Americanas o principal acionista individual da BR. A operação significaria o ingresso do trio Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira em um setor extremamente disputado.

Além do varejo per si, com a gestão das lojas de conveniência, Lemann e cia. passariam a competir com Raízen, Ultra/Ipiranga, entre outros menos votados. No mercado especula-se também que a ida de Marcos Lutz para o conselho do Grupo Ultra teria como objetivo a aquisição da BR. Lutz, enquanto esteva na Cosan, era o executivo dedicado a uma operação de compra da estatal. Mas tudo ainda está no campo das conjecturas. Os 37,5% do capital nas mãos da Petrobras indexam o destino da BR aos humores de Jair Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.03.21

Eleva não para

O RR tem a informação de que a Eleva, de Jorge Paulo Lemann, está em negociações para a compra de mais duas empresas de educação básica. O grupo adquiriu recentemente 51 colégios da Cogna, um negócio de R$ 1 bilhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.02.21

Abertura de capital 1

R$ 2 bilhões. É este o valor que a Eleva Educação, controlada por Jorge Paulo Lemann, planeja levantar com o seu IPO. A operação deve ocorrer até maio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.09.20

As lojas das Americanas

Mesmo com o investimento intensivo no e-commerce, a Americanas aposta alto no comércio físico. A rede varejista de Jorge Paulo Lemann e cia. estuda abrir cerca de 200 lojas em 2021. Vai servir para tirar o atraso provocado pela pandemia: no primeiro semestre deste ano, a Americanas abriu apenas nove pontos de venda, contra 41 no mesmo período em 2019.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.08.20

Fintech da Americanas

Após lançar a plataforma de pagamentos AME, a Americanas estuda criar sua moeda eletrônica. Não demora muito e Jorge Paulo Lemann e cia. criam o próprio banco digital da rede varejista.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.08.20

Nem a elite escapa

A inadimplência na Eleva, a escola triple A de Jorge Paulo Lemann, subiu 15% desde o início da pandemia. As mensalidades chegam a R$ 10 mil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.