fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
14.10.20

Não é nada, não é nada…

Indicador recém-fechado pelo INPI que sugere um suspiro na atividade econômica: mesmo com a pandemia, o número de pedidos de registros de patentes cresceu 17% de janeiro a agosto, se comparado a igual período em 2019.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.09.20

Feitiço do tempo

Pedidos de patente classificados como “prioritários” estão levando, em média, um ano e um mês para serem analisados pelo INPI. A letargia inclui medicamentos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.01.20

O INPI sob controle empresarial

Observatório

Daniel Valente, entidades empresariais.

O governo, ao que tudo indica, vai fazer privatizações pela via direta, mas também pela indireta. Um exemplo da segunda via, é a solução que está sendo costurada para o Instituto Nacional de Propriedade Industrial ( INPI ), órgão estatal tradicionalmente pertencente ao Ministério da Indústria e Comércio, que se tornou agora uma secretaria do Ministério da Economia. O INPI é a agência responsável, entre outros serviços, pela concessão de patentes e marcas. No momento, correm na pole position duas propostas. A primeira, do deputado Luiz Philippe de Orleans e Bragança ( PSL/SP ), que defende que as atividades do INPI passem a ser de responsabilidade dos cartórios privados. Uma curiosa ideia que amplia o espectro da cartelização do tabelionato que ainda reina no país.

A segunda proposta, bem mais palatável, transfere o INPI com armas e bagagens para Sistema S, através do qual ficaria vinculado à Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Não custa rememorar do que se o Sistema S. Ele é constituído por quatro organismos criados por dispositivo constitucional com o intuito de prover,  gratuitamente, formação profissional e acesso a lazer e cultura aos trabalhadores brasileiros. É a maior instância de treinamento de profissionais de nível médio  do país. Cumpre, portanto, função meritória indiscutível. Quem controla o Sistema S são instituições como o SESCOOP, SENAR, SEST e SENAT. Todas elas são financiadas por entidades patronais. Trata-se portanto de entidade de direito privado de caráter social.

O Sistema S fatura uma “baba” em contribuições. Essa montanha de dinheiro arrecadada do setor privado tem sido cobiça de diversos ministros da Fazenda, que gostariam de transferir parte dos recursos para combater o famigerado déficit público. Na gestão de Fernando Haddad, do PT, no Ministério da Educação, o governo reverteu 66,6% das verbas em cursos e ações gratuitas para toda a população. Grande também foi o apetite do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que tentou reter 30% dos repasses ao Sistema S para contribuir no ajuste das contas públicas. Agora mesmo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, trouxe a privatização da organização  à baila. Pode-se afirmar, portanto,  que a gestão e a maior parcela dos recursos do Sistema S são privados e de utilidade pública. É a maior escola profissionalizante do país.

A transferência do INPI para o Sistema S redesenharia  a função da agência, dotando-o a de nova importância estratégica. Além da redução dos gastos de custeio, a gestão privada reduziria os riscos de corrupção, que em outros tempos rondaram a agência. Tenderia também a reduzir o tempo de aprovação dos pedidos de marcas e patentes. A medida abriria um interessante precedente: permitiria que o governo pensasse na privatização de outros órgãos, a exemplo do Instituto Nacional de Metrologia ( INMETRO ).

Se por um lado faz sentido transferir o INPI para o Sistema S, que tem receita e vocação para diversificação das suas atividades na área pública, por outro é necessário adequar as características do órgão, que tem seu corpo de pessoal altamente especializado e aprovado por concurso. A mudança de esfera administrativa não deveria alterar essa característica de comprovada especialização dos colaboradores. Mas nem por isso o quadro deveria ser imutável ou com crescimento acima do seu orçamento e necessidade. Mas essa é uma questão que a reforma administrativa do governo poderia dar conta. Melhor o INPI privado e atrelado às entidades empresariais do que mantendo-se como uma autarquia do setor público.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.01.20

Uma “parceria público-privada” pela extinção do INPI

Há um frentão público-privado contra o INPI. CNI, Fiesp, entidades do agronegócio, Ministérios da Economia e da Agricultura e bancada ruralista, entre outros atores, estão se unindo em uma forte campanha pela extinção do Instituto Nacional de Propriedade Industrial. A coalizão – articulada pelo próprio ministro Paulo Guedes e pelo Secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos Costa – tem como objetivo a aprovação da Medida Provisória em gestação no Ministério da Economia que dá um ponto final ao INPI. A MP prevê a transferências das atribuições da autarquia para uma revigorada Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), do Sistema S. Além da indústria – a mais atingida pela letargia do Instituto –, chama a atenção o peso com o que o agronegócio entrou na campanha pela extinção da autarquia. Os produtores rurais enxergam no INPI um vilão, que, ainda que por vias oblíquas, tem feito o jogo das grandes multinacionais de agrociência. A barafunda de consultas e processos que não raramente se arrastam por mais de uma década é uma das principais razões para o crescente grau de judicialização do agronegócio na esfera da propriedade industrial. Os tribunais estão apinhado de ações de produtores rurais contra empresas como Bayer, Syngenta etc etc. O agronegócio acusa esses grupos de cobrarem royalties por patentes que já caducaram. O contencioso mais grave diz respeito à semente de soja transgênica Round Up, produzida pela Monsanto, adquirida pela Bayer em 2018. As disputas judiciais relativas aos royalties do produto somam mais de R$ 15 bilhões.

Talvez seja apenas coincidência; talvez, não. Em meio às articulações para o fim do INPI, o RR tem a informação de que o governo brasileiro não pretende apresentar candidatura própria para o cargo de diretor-geral da Organização Mundial da Propriedade Industrial (OMPI) – a eleição será realizada em setembro. Roberto Jaguaribe, ex-presidente do próprio INPI no governo Lula, era o nome mais cotado para disputar o cargo. De acordo com a mesma fonte, José Graça Aranha, atual representante da OMPI no Brasil, também vinha trabalhando sua candidatura dentro do Itamaraty. Deve ficar para a próxima…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.