fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
08.01.21

Conab calibra sua balança

A Conab começa a testar, neste mês, novas ferramentas de geotecnologia para as estimativa de safras. O trabalho de monitoramento satelital será feito em parceria com o INPE. No mercado, a expectativa é que, enfim, a estatal consiga reduzir a crescente dispersão entre suas projeções e os números reais de produção, verificadas nos últimos anos. O curioso é que a Conab joga parte da culpa pelos erros na conta do agronegócio. A alegação é que muitos produtores se negam a compartilhar informações precisas sobre o que cultivam.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.20

Morte ao carteiro

Há apenas dois meses no cargo, o presidente do Inpe, Clezio de Nardin, já está na corda bamba. No início do mês, não custa lembrar, o Instituto anunciou que o desmatamento da Amazônia atingiu o maior nível em 12 anos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.05.20

Os neros da Amazônia no banco dos réus

A Amazônia vai voltar a “arder” na ordem do dia. Quase um ano depois do INPE registrar 30 mil focos ativos de incêndio na região e de toda a convulsão global que o assunto gerou, a AGU prepara-se para entrar na Justiça contra um seleto grupo de pecuaristas, agricultores, madeireiros, entre outros. Segundo o RR apurou, a lista de acusados reúne mais de 60 nomes. Entre eles figura um ex-governador e familiares, sócios de grandes fazendas no Pará e já denunciados por crime de lavagem de dinheiro na compra de terras. Além da possibilidade de prisão, os processos envolverão cobranças de pesadas multas e reparos das áreas devastadas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.02.20

Devastação

O novo Conselho da Amazônia, comandado pelo vice-presidente, General Hamilton Mourão, já iniciará seus trabalhos com uma estatística incendiária. O próximo levantamento do INPE deverá apontar um aumento das queimadas na Região Amazônica superior aos 30% no acumulado dos últimos 12 meses.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.02.20

Ciência e Tecnologia tenta afastar a ameaça de um bug financeiro

O discreto, quase opaco, ministro Marcos Pontes vai tentar buscar fora o dinheiro que não vem do próprio governo para a Ciência e Tecnologia. O RR tem a informação de que Pontes anunciará nos próximos dias uma reformulação na estrutura do Ministério, com a conversão de boa parte das 16 Unidades de Pesquisa em Organizações Sociais (OS). Trata-se de uma tentativa de evitar um apagão financeiro em alguns dos principais foros de ciência do país – como o Observatório Nacional, o Instituto Nacional de Tecnologia e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o INPE, que esteve no centro de uma das maiores crises do governo Bolsonaro ao revelar o tamanho do desmatamento da Amazônia. Segundo o RR apurou, Pontes se reunirá hoje com seus auxiliares para discutir detalhes do projeto. A mudança da natureza jurídica é uma roleta russa. Por um lado, essas instituições passarão a ter maior autonomia na gestão e captação de recursos – poderão, por exemplo, prestar serviços para terceiros; por outro, não terão mais garantia de repasse de recursos do governo federal. Pensando bem, já não têm mesmo. O Orçamento da Ciência e Tecnologia para este ano é 15% inferior ao do ano passado. Pior: cerca de 40% do valor, algo como R$ 5 bilhões, estão contingenciados. Não há grana suficiente para investir nos institutos e projetos da Pasta e pagar bolsas de estudo, como as do CNPq. Procurado, o Ministério confirmou que “está em andamento estudo para reestruturação e alinhamento das unidades vinculadas do MCTIC considerando o novo planejamento estratégico da gestão”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.01.20

Má notícia…

O Palácio do Planalto tem informações de que Ricardo Galvão, defenestrado da presidência do INPE, vem prestando uma espécie de consultoria informal à Noruega e à Alemanha sobre a política ambiental do Brasil – ou a falta dela. São justamente os dois países que contribuem para o Fundo Amazônia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.11.19

Os novos “incêndios” da Amazônia

A moratória da soja está se transformando em um contencioso corporativo de razoável proporção no agronegócio brasileiro, insuflado pelo próprio governo Bolsonaro. Com o apoio do Palácio do Planalto e do Ministério da Agricultura, a Aprosoja (Associação Brasileira de Produtores de Soja) vai descarregar munição de grosso calibre nos tribunais. De acordo com a fonte do RR, um cardeal da bancada ruralista no Senado, a entidade acionará a Justiça para derrubar as restrições à compra de soja produzida em áreas de desmatamento na Amazônia.

Do outro lado da mesa, estão grandes tradings agrícolas como ADM, Cargill e Louis Dreyfus, reunidas sob a égide da Abiove (Associação Brasileira da Indústria de Óleos Vegetais). Segundo a mesma fonte, os produtores acusam as tradings internacionais de distorcer deliberadamente indicadores do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) utilizados como base para classificar áreas de cultivo na Amazônia. Os ruralistas defendem o uso como parâmetro do Cadastro Ambiental Rural (CRA).

Elaborado com base em dados do Ministério da Agricultura, o Cadastro é tido, digamos assim, como mais benevolente no tratamento de informações ambientais. Procurada, a Aprosoja não quis se pronunciar. Por sua vez, a Abiove não comentou sobre o possível enfrentamento na Justiça. Disse que “defende a moratória com objetivo de preservar os mercados consumidores da soja brasileira conquistados ao longo de uma década”.

A confirmação da presença do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (CoP-25), em Madri, está longe de tranquilizar os governadores da Amazônia, principais interessados no assunto. Pelo contrário. Salles recebeu do Palácio do Planalto a missão de, mais uma vez, bater duro contra as tentativas de interferência de governos internacionais e ambientalistas na Região Amazônica. Guardadas as devidas proporções, os governadores temem uma reedição do discurso de Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU. O receio é que o Brasil receba apenas farelos da partilha dos US$ 100 bilhões que a CoP-25 promete dividir entre os países em desenvolvimento.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.10.19

Uma licitação envolta em fumaça

Em vez de inimigos imaginários e brigas com o Greenpeace, talvez seja melhor o ministro Ricardo Salles começar a se preocupar com o Ministério Público Federal. O órgão deverá solicitar à Justiça a suspensão da licitação aberta pelo Ministério do Meio Ambiente para contratar uma empresa privada de monitoramento de queimadas. A concorrência foi instaurada às pressas no auge da crise amazônica. Em depoimento ao MPF, Ricardo Galvão, defenestrado do comando do INPE, levantou suspeitas sobre a concorrência, que, segundo ele, estaria sendo direcionada para a norte-americana Planet. Consultado, o Ministério garante que não “há nada de irregular” na licitação. O curioso é que a própria Pasta informou ao RR que a “contratação está sendo reformulada e está sendo feita com participação do INPE”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.10.19

Macron

A orelha de Jair Bolsonaro vai arder tanto quanto a selva amazônica. O ex-presidente do Inpe, o cientista Ricardo Galvão, tem convite de ONGs franceses para palestras sobre o desmatamento no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.09.19

As cinzas da Ciência e Tecnologia

Em meio às queimadas na Amazônia, o orçamento para a área de Ciência e Tecnologia tende a ser ainda mais desmatado em 2020. A ideia do governo é centralizar no Ministério da Ciência e Tecnologia (MCTIC) todas as verbas para o setor, tirando autonomia de órgãos vinculados à Pasta. Os recursos seriam gradativamente distribuídos ao longo do ano, dentro da disponibilidade do Ministério. A primeira sinalização neste sentido veio discretamente embutida no Projeto de Lei Orçamentária Anual do ano que vem, encaminhada ao Congresso no dia 30 de agosto. Na peça, a rubrica dos recursos destinados às 16 Unidades de Pesquisa do MCTIC aparece com o valor zerado. Entre estes órgãos, figuram o Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE) e o Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA), que estão na ordem do dia por razões óbvias. Em tempo: nem é preciso esperar por 2020 para se verificar o clima saárico na área de ciência e tecnologia. Até o momento, o Ministério da Economia não cumpriu o compromisso de transferir R$ 330 milhões para o CNPq. Se nada pingar, a partir de outubro o pagamento de bolsas de estudo será suspenso.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.