fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
30.04.20

Prova final

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, está na linha de tiro do ministro da Educação, Abraham Weintraub. Lopes tem se mostrado favorável ao adiamento do Enem. Weintraub não quer nem ouvir falar na proposta. O ministro, ressalte-se, é uma máquina de moer auxiliares. Em pouco mais de dois meses, dois secretários da Pasta foram defenestrados após bater de frente com Weintraub.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.04.19

Nota baixa

O Inep, ao que tudo indica, não passou na prova do novo ministro da Educação, Abraham Weintraub. Após nomear o delegado da Polícia Federal Elmer Coelho Vicenzi para a presidência, Weintraub vai trocar toda a diretoria do Instituto, responsável pela realização do Enem.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.12.18

A nova “matemática” do INEP

Tratado como nome certo para o time de Paulo Guedes na Fazenda, o pesquisador do Ipea e integrante da equipe de transição Adolfo Sachsida poderá ter outra missão no governo. Sachsida está cotado para assumir a presidência do INEP, segundo cargo em importância na área da Educação. O Instituto é responsável pela elaboração dos exames que avaliam a educação básica (Prova Brasil e Enem) e superior (Enade), além da produção de pesquisas e indicadores de todo o sistema educacional brasileiro. Não custa lembrar que Bolsonaro já fez críticas públicas à “ideologização” do Enem. Logo após a eleição, classificou a prova como um “vexame” e uma “doutrinação exacerbada”. Adolfo Sachsida é co-autor de um estudo polêmico que relaciona o ensino de sociologia com a piora do desempenho dos alunos em matemática no Brasil. Publicado em abril deste ano, o trabalho analisou o efeito da obrigatoriedade da inclusão das disciplinas de filosofia e sociologia no ensino médio, estabelecida por lei em 2008. Segundo o estudo, alunos que passaram a estudar essas áreas tiveram notas piores em outros campos em comparação aos estudantes não afetados pela lei. O trabalho gerou controvérsia no meio acadêmico. À época, foi criticado por especialistas, que consideraram que a relação causal da inserção das disciplinas como motivo isolado da piora em matemática não se sustenta.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.