Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
06.08.19

O case às avessas de Ilan Goldfajn

O ex-presidente do BC Ilan Goldfajn encabeça a lista de palestrantes coroados do seminário “Futuro do Trabalho”. O evento será realizado pelo Massachusetts Intitute of Technology (MIT), no dia 29 de agosto, em São Paulo. A esfinge, ávida leitora de dilemas cognitivos, apresentaria de bate pronto enigma: o que faz Goldfajn palpitando sobre uma categoria que, muito antes do porvir, sofreu seus golpes de foice enquanto autoridade monetária. O ex-presidente do BC sempre digladiou contra a tese de que o banco deveria ter uma dupla meta: a emissão de moeda e a geração do emprego. Com sua política de juros desnecessariamente altos, a taxa de desocupação da mão de obra escorreu como água do balde de roupa suja chamado Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.03.19

Rito de passagem

O ex-presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, pode aterrissar no Insper. Ilan tem uma quarentena a cumprir. Ficaria na universidade o tempo necessário para retornar ao mercado financeiro. Ilan deixou o BC com ares de um Paul Volcker tupiniquim.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.01.19

Venceu, venceu

Ilan Goldfajn atravessou seu mandato no Banco Central personificando um dilema: teria mantido os juros altos demais em um momento que a inflação já imbicava para baixo, provocando desemprego e queda da atividade econômica; ou segurado os juros para reforçar a ancoragem das expectativas, queda firme da inflação e uma redução das taxas feita de forma consistente? Com a queda da inflação e a perspectiva de juros estáveis a perder de vista, Ilan ganhou a parada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.11.18

Resiliência

Foram iniciadas gestões para que o general Sergio Etchegoyen permaneça no Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Caso Etchegoyen continue no cargo e Ilan Goldfajn aceite prosseguir no BC, os dois serão os únicos náufragos sobreviventes do governo Temer. Bem, pelo menos até agora.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.09.18

Inflation target fora do alvo

Quem avisa amigo é. O presidente do BC, Ilan Goldfajn, deveria ter escutado o conselho do economista Sérgio Werlang, contrário à redução da meta de inflação. O alerta era sobre a probabilidade do BC ter que subir os juros em qualquer sacolejo sofrido pela economia. Dito e feito: com as eleições e o cenário internacional sombrio, a projeção de inflação para o ano que vem já está em 4,5%. Como a meta desceu para 4,25%, a pressão sobre os juros já começou na reunião do Copom de setembro. Em tempo: Sérgio Werlang foi diretor do BC e implementador do sistema de inflation target no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.07.18

O Bem-amado Ilan Goldfajn

Já somam três os presidenciáveis favoráveis à manutenção de Ilan Goldfajn à frente do Banco Central. Integram o bloco pró-Ilan Geraldo Alckmin, Henrique Meirelles e Jair Bolsonaro – apud Paulo Guedes. A permanência do atual presidente do BC se encaixaria também nos planos de Marina, o “poste de Lula” e Ciro Gomes, em ordem decrescente de entusiasmo com a ideia.

Os três candidatos da centro-esquerda utilizariam o prosseguimento do mandato de Ilan como um recado ao mercado sobre a disposição de dar continuidade à política monetária de ancoragem da inflação. É difícil Ilan aceitar a proposta dos candidatos da direita. É dificílimo topar qualquer convite da esquerda. No entanto, não se pode desprezar fatores como ambição, vaidade e vontade de poder na combinação de elementos que levarão à escolha.

A princípio Ilan quer cumprir a quarentena e retornar ao seu cantinho de economista-chefe do Banco Itaú, certamente com o passe mais valorizado. O presidente do BC é extremamente bem visto pelo mercado. Mas não é consenso entre os economistas. Há uma corrente que o crítica por ter sido hawkish em um momento desnecessário, quando a inflação já embicava para baixo. Alguma parcela da lentidão da recuperação econômica estaria debitada na sua conta. Ilan foi responsável pela ancoragem firme das expectativas e manutenção implacável da inflação dentro da meta. Com a sua política de juros foi também causador de alguns milhões de desempregados que vagam desesperançosos à procura de uma ocupação. A história julgará se suas decisões foram acertadas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.06.18

Esclarecimento

Na edição de ontem, o RR atribuiu um papel superior ao presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, nas decisões do Conselho Monetário Nacional (CMN). Foi um ato falho. Os ministros da Fazenda e do Planejamento, respectivamente Eduardo Guardia e Esteves Colnago, também dão seus palpites no CMN. Mas, na prática, é Ilan quem conduz o barco. Todo mundo sabe.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.06.18

Conselho Monetário Nacional empurra redução da meta de inflação para a campanha eleitoral

O Conselho Monetário Nacional (CMN) achou por bem intervir no governo prestes a se iniciar e criou um fato mais político do que monetário, na reunião de ontem: reduziu a meta de inflação para 3,75%, em 2021. A medida não tem impacto na inflação do curto prazo – pressionada pela paralisação dos caminhoneiros -, e pouco altera as expectativas, já que o Banco Central não é formalmente independente e daqui a seis meses terá outro presidente, com poder para detonar o novo centro da meta. Mas sinaliza para uma até
então improvável elevação da Selic na próxima reunião do Copom, que ocorre nos dias 31 de julho e 1o de agosto.

Os juros poderiam subir de 6,5% para 6,75%. O BC em seu último comunicado deixou aberta essa possibilidade, ao não se pronunciar sobre nenhum caminho. Os juros futuros projetam 69% de probabilidade desse cenário acontecer. As chances da Selic aumentar para 7% seriam de 31%, ainda de acordo com o mercado futuro. Ilan Goldfajn e seus bluecaps vêm promovendo reduções consecutivas da meta inflacionária. O objetivo anunciado é trazer a meta para 3%, que seria o padrão internacional.

A proposta foi devidamente metralhada por economistas pesos-pesados. O argumento contra a mudança é que o patamar mais baixo poderia instar mais facilmente o BC a levantar os juros. O melhor para o manejo das políticas fiscal e monetária seria a manutenção da meta atual de 4,5% até 2021 – o governo já tinha alterado esse percentual para 4,25%, em 2019, e 4%, em 2020. Para Ilan, um conservador exacerbado, o preço de esticar o elástico do inflation target vale a pena. A medida é uma resposta de Ilan à corrente contrária, que torce por um pouco menos de juros e um tiquinho mais de inflação, dentro da faixa de tolerância, é claro.

O grupo pró-inflação quase que festeja a greve dos caminhoneiros. A paralisação e o câmbio puxarão os preços um ponto percentual para cima – a taxa anualizada deverá ficar em torno de 4%, talvez um pouquinho mais – o que ajudará a equilibrar as contas públicas, ainda que de forma farisaica. Mas a atividade produtiva sofrerá na carne e o desemprego mais uma vez pagará o pato da história.

Menos juros teria mitigado essa parte mais sofrida.Ilan Goldfajn voltará para casa com a dúvida dolorosa de que poderia ter poupado milhões de empregos se não fosse tão renitente com a Selic alta quando a inflação já embicava para abaixo do piso da meta, um mergulho enxergado por todo o mercado. Ah, mas o presidente do BC poderia dizer que sua política de austeridade com os juros e a obsessão com uma inflação demasiadamente baixa permitiram enfrentar uma repentina pressão sobre os preços sem que ter de elevar os juros. A próxima reunião do Copom dirá se o argumento é honesto e de boa cepa. Por enquanto, o que existe de mais concreto são os 12,5% de desemprego,cevados com uma política monetária de arrocho. É com esse número de desesperados que Ilan terá de dormir todas as noites.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.05.18

Contagem regressiva

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e seus bluecaps do Copom ainda têm cinco reuniões em 2018 para mostrar se houve coerência na decisão de manter os juros da taxa Selic. É o prazo para se saber se haverá ou não a necessidade de uma nova carta envergonhada da autoridade monetária, justificando-se pela inflação abaixo do piso da meta.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.04.18

Ilan Goldfajn e a pedra filosofal

“Uma recuperação gradual é melhor do que uma forte recessão”, diz o presidente do BC, Ilan Goldfajn, ao descobrir a pedra filosofal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.