Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
20.03.19
ED. 6076

A maré do INSS não está para pescador

O pagamento de um dos mais importantes benefícios sociais do país tornou-se um caos. Segundo o RR apurou, cerca de 300 mil pescadores artesanais ainda não teriam recebido o seguro-defeso do INSS. Trata-se de mais da metade dos cadastrados no programa, uma rede de proteção social para o período de proibição da pesca no Brasil. Em algumas áreas, o problema ganha proporções maiores. Os governadores do Pará e do Maranhão, respectivamente Helder Barbalho e Flavio Dino, e parlamentares dos dois estados têm feito pleitos ao governo federal na tentativa de agilizar a liberação dos recursos. Pará e Maranhão concentram 302.370 dos 573.473 beneficiários do seguro-defeso. O governo Bolsonaro transferiu o pagamento do seguro-defeso para a alçada do INSS – até dezembro, ele ficava no então Ministério do Desenvolvimento. Três meses se passaram e até o momento somente 252 mil requerimentos do benefício foram processados. Consultado sobre os atrasos, o INSS disse que “essa é uma nova sistemática para as suas rotinas. Assim, é natural que haja o contínuo aprimoramento do batimento de dados, assim como a atualização de bases governamentais”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.01.19
ED. 6042

Barbalho passa o chapéu

O governador do Pará, Helder Barbalho, bateu à porta de Paulo Guedes. Busca recursos para garantir a pavimentação da BR-163 e as obras de Pedral do Lourenço, fundamentais para a navegação e cabotagem na Bacia do Tocantins-Araguaia. Foram duas das principais promessas de campanha do filho de Jader Barbalho. Mas Guedes não tem nada a ver com isso.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.07.16
ED. 5419

Caros amigos

 Um animado convescote reuniu no fim de semana o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, e George Sadala, famoso lobista ligado a Fernando Cavendish e Aécio Neves. O encontro ocorreu no restaurante Mr. Chow, em Miami. Poucas vezes se viu tanta alegria junta.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Paulo Rocha está cantando de galo que vai barrar as pretensões de Jader Barbalho de ter o apoio do PT para fazer o próximo prefeito de Belém e lançar seu filho, o ministro Helder Barbalho, como candidato a governador do Pará em 2018. O senador petista diz que já tem maioria no diretório da capital paraense para barrar a aliança com Jader. A ver se é só gogó.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Enquanto Jader Barbalho deriva para o grupo pró-Michel Temer, Helder Barbalho promete cerrar fileiras com o governo mesmo após deixar a Secretaria de Portos – sua saída do cargo está prevista para amanhã. Ou seja: há método e sintonia entre as famílias do PMDB. Sem qualquer vergonha do plágio, os Barbalho seguem rigorosamente o script assinado pelos Picciani – no qual Jorge morde e Leonardo assopra. Dessa maneira, os dois clãs peemedebistas cravam um duplo na loteria do impeachment. Se Dilma ficar, Helder e Leonardo arrastam seus pais de volta para o governo. Se Temer levar, caberá aos patriarcas fazer as honras da casa e conduzir o embarque dos rebentos na nova gestão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.15
ED. 5229

Capitania

 Helder Barbalho não tira o Pará da cabeça. A prioridade do ministro dos Portos é a licitação de três terminais no Porto de Belém em 2016, ano eleitoral. Pura coincidência. O PMDB não elege o prefeito da cidade desde 1988

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Na semana passada, Dilma Rousseff, que não é de afagar ninguém, fez desmedidos elogios ao ministro Helder Barbalho na frente de um grupo de parlamentares, entre os quais seu pai, Jader Barbalho. Poucos dias depois, o governo praticamente confirmou a extinção do Ministério da Pesca.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.