fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos

O general Hamilton Mourão tem feito seguidas aproximações de grandes produtores rurais do Rio Grande do Sul, notadamente por meio da Federação da Agricultura do estado. O apoio do agronegócio virou uma de suas grandes apostas na disputa pelo Senado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.05.22

“Brasil em 2035” divide Forças Armadas em 2022

Engana-se quem pensa que o documento “Projeto de Nação – o Brasil em 2035”, divulgado na última quinta-feira, dia 19, representa um ideário uníssono nas Forças Armadas. Pelo contrário. Sua publicação teve uma repercussão divisionista dentro do meio castrense, de acordo com dois oficiais de alta patente da ativa ouvidos pelo RR. O paper revela fissuras na visão dos militares em relação ao futuro do Brasil. O estudo – elaborado pelo Instituto General Villas Bôas (IGVB), do ex-comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas, pelo Instituto Sagres, leia-se o general Luiz Eduardo Rocha Paiva, e pelo Instituto Federalista, do ativista de direita Thomas Korontai – caminha na contramão do pensamento de uma parcela expressiva das Forças Armadas. Olhando-se para o regime militar, o projeto divulgado na semana passada aproxima-se mais do modelo econômico do governo Castello Branco.

Por outro lado, o “Villasboísmo” é a antítese do “Geiselismo”. Se o governo do general Ernesto Geisel defendia um forte papel estatizante e uma intervenção permanente do Estado na economia, o documento apresentado na semana passada tem nítidos contornos neoliberais. O antagonismo entre ambos se reflete também nos segmentos econômicos tidos como ponta de lança de um projeto de desenvolvimento nacional. Se o II PND (Plano Nacional de Desenvolvimento), elaborado na gestão Geisel, tinha como objetivo estimular a indústria, notadamente de bens de capital, o “Projeto de Nação – o Brasil em 2035” tem um caráter “agrocêntrico”, propondo uma espécie de “colonialismo rural”. Mesmo que, em sua apresentação, o “Projeto de Nação – o Brasil em 2035” se coloque como uma mistura entre cenários fictícios e reais – um hedge para dentro das próprias Forças Armadas -, o conteúdo do documento e o peso de seus signatários são relevantes demais para que o estudo seja tratado como um mero passatempo intelectual de oficiais da reserva.

Não se pode desprezar o fato de que o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, esteve presente ao evento de lançamento. Ou seja: o estudo não vocaliza apenas o pensamento de um grupo de militares que ganhou proeminência a partir do governo Temer – pontificado pelo próprio general Villas Bôas e pelo ex-ministro do GSI general Sergio Etchegoyen, muito próximo ao ex- comandante do Exército. “Projeto de Nação – o Brasil em 2035” encontra eco em um recorte significativo das Forças Armadas. Nesse sentido, há um ponto fundamental, ressaltado pelas fontes ouvidas pelo RR. Antes que alguém faça ilações mais radicais, o documento não deve ser interpretado como a manifestação de uma disposição golpista.

Trata-se, sim, de um instrumento de pressão de oficiais majoritariamente da reserva, com o objetivo de influenciar o programa de governo do presidente Jair Bolsonaro. De certa forma, Bolsonaro e Paulo Guedes já representam parte desse projeto de caráter fundamentalmente ideológico. Ressalte-se que nem tudo é divisão dentro das Forças Armadas. Segundo um dos integrantes do corpo permanente da ESG, se há um ponto compartilhado pelos militares é o anti-comunismo e o anti-lulismo. Essa aversão não está no documento – ao menos de maneira expressa. Mas há outros “inimigos” citados nominalmente. O estudo ataca  pauta ambientalista, ONGs, ativismo judicial político partidário etc. E arrola algumas instituições como atores ideológicos desse complexo ativista, tais como o Ministério Público e a Defensoria Pública. Há ainda uma estranha geleia que o documento chama de “globalismo internacional”, uma zona cinzenta que separa o capitalismo mundial do sistema financeiro nacional. Das 93 páginas de “Projeto de Nação – o Brasil em 2035” emerge uma pergunta que não quer calar: a quem esse documento interessa nas Forças Armadas? Pelo que o RR ouviu, certamente não é àqueles que decidem.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.05.22

União Europeia reforça imagem do Brasil como pária ambiental

Vem aí mais um abacaxi ambiental para o governo Bolsonaro descascar. Trata-se do relatório que está sendo produzido pelo comissário de Meio Ambiente, Oceanos e Pescas da União Europeia, Virginijus Sinkevicius. O documento será apresentado à Conferência das Partes sobre Biodiversidade (COP15), programada para o segundo semestre, na China. Segundo um diplomata que esteve com Sinkevicius, o comissário não terá o menor comedimento nas críticas à política ambiental do Brasil.

O governo ajudou na péssima impressão. Em sua recente visita ao país, Sinkevicius tentou audiências com o presidente Jair Bolsonaro e o vice-presidente e presidente do Conselho da Amazônia, Hamilton Mourão, sem êxito. Desceu vários degraus e se encontrou com o então ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque – que pouco tinha a ver com meio ambiente e muito menos com oceano e pesca – e com parlamentares.

Se voltasse hoje, talvez não fosse nem recebido pelo novo ministro, Adolfo Sachsida. A repercussão do relatório pode ser ainda mais negativa na medida da intenção da União Europeia de realizar uma discussão bilateral sobre o assunto com o governo do presidente norte-americano, Joe Biden. Para piorar o ambiente de desagradáveis coincidências, isso ocorre no momento em que um grupo de empresários e organizações brasileiras tem feito gestões junto ao presidente Biden pedindo a aprovação de um fundo de US$ 9 bilhões para a conservação de florestas tropicais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.05.22

Rompantes do capitão

“Vou acabar com esse Conselho”. Essa teria sido a reação de Jair Bolsonaro ao saber das duras declarações do general Hamilton Mourão, presidente do Conselho da Amazônia, classificando os novos dados sobre o desmatamento da região de “horrorosos”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.04.22

O papel de Geraldo Alckmin no governo Lula

A terceira via já foi escolhida, tem nome e função. Chama-se Geraldo Alckmin e estará tanto na campanha quanto em um eventual terceiro mandato de Lula com missão definida: tratar dos assuntos com maior fricção entre o PT e o mercado. Alckmin não será um companheiro de chapa e muito menos um vice “picolé de chuchu”, tampouco um bonachão feito José de Alencar ou um regra três sem função, como é o general Hamilton Mourão. Caberá a ele um papel que, guardadas as devidas proporções, em outras circunstâncias foi bem exercido pelo ex-ministro Delfim Netto: servir de costas largas para o presidente.

A ideia é que tenha poderes para isso. As reformas, que serão um carry over do governo Bolsonaro – com as atuais ou outras denominações, com mudança do conteúdo, afinamento etc – ficarão na esfera de atuação de Alckmin. O eventual vice-presidente estará à frente dessas negociações não “para revogar”, mas “para revisar”. Isso já foi dito. Vale o mesmo para privatizações e decisões já tomadas que o PT bravateia que mudará de chofre. Alckmin não entraria na ópera petista para representar somente o caricaturado leguminoso, destituído 100% de carisma.

Esta é uma visão inteiramente equivocada. O vice já tem seu script acordado com Lula e enfeixado com cláusulas pétreas. Não ficará sem função executiva. A indicação de que ele é quem irá negociar com os sindicatos a “revisão” da reforma trabalhista revela a dimensão das missões reservadas a Alckmin. O ex-tucano tem feito seguidos movimentos de aproximação com as principais entidades de representação dos trabalhadores. Um de seus interlocutores mais regulares é o vice-presidente da Força Sindical, Sergio Leite.

Alckmin pretende ter um gabinete de assessores de alto calibre para entrar em campo com forte munição. O nome do economista Pérsio Árida no rol dos seus colaboradores é um indicativo do peso da turma. Pérsio já teria, inclusive, trocado ideias com Aloizio Mercadante, contribuindo para a construção do programa de governo. Ao levar para perto o ex-presidente do Banco Central, Alckmin atrai, praticamente por força gravitacional, outros quadros da Casa das Garças, originalmente ligados ao PSDB. Uma das pautas que o ex-governador de São Paulo pretende incluir na sua jurisdição é a desburocratização, um item emprestado da agenda liberal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

O Palácio do Planalto trabalha nos bastidores para minar a possível aliança entre o senador Luiz Carlos Heinze, candidato ao governo do Rio Grande do Sul, e o general Hamilton Mourão, que vai disputar uma vaga no Senado. Não se sabe se é mais para ajudar Onyx Lorenzoni, que também concorre ao governo gaúcho, ou para atrapalhar o general Mourão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.04.22

Na fronteira

O senador Luiz Carlos Heinze, pré-candidato ao governo gaúcho,tenta fazer uma aposta dupla – e de risco. Aliado de Jair Bolsonaro, tem se aproximado também do general Hamilton Mourão, que vai disputar vaga no Senado pelo Rio Grande do Sul.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.03.22

Monitorando Mourão

Após a declaração de apoio ao presidente da Petrobras, general Joaquim Silva e Luna, o entorno de Jair Bolsonaro já dá como praticamente certo que a próxima provocação pública do general Hamilton Mourão venha no dia 29 de março. Mourão fará uma palestra no seminário “O Brasil em Transformação”, que inaugura a Escola de Formação de Magistrados da Justiça Militar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.03.22

General Silva e Luna pode ser o “Pujol da Petrobras”

O general Joaquim Silva e Luna se mantém firme em cumprir rigorosamente a política de preços da Petrobras. Mas cada vez mais se torna solitário. Apesar da manifestação pública de apoio de Hamilton Mourão, chamando a atenção para o fato de Silva e Luna ser um colega de caserna e justificar sua “resiliência” no cargo em função das suas raízes militares, o fato é que o vice-presidente não falou de general para generais. O Alto Oficialato não está preocupado com questões da burocracia do Estado.

Mourão falou para os holofotes. A pressão do governo para a retirada de Silva e Luna do comando da petroleira não deverá arrefecer na medida que o general permanecer fiel as suas convicções. Ontem mesmo, o presidente Jair Bolsonaro disse que “com toda a certeza” a Petrobras vai reduzir os preços dos combustíveis, jogando mais peso sobre os ombros do presidente da companhia.

Guardadas as devidas proporções, trata-se de um replay do ocorrido com o então comandante do Exército, general Edson Pujol. Ou seja: não há patente que segure a sanha intervencionista de Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.03.22

Batalha por Mourão

Aos 45 do segundo tempo, o PTB vem tentando cooptar o general Hamilton Mourão, que está com um pé no Republicanos. O partido ofereceu ao vice-presidente e pré-candidato ao Senado pelo Rio Grande do Sul poder para decidir sobre as alianças no estado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.