Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
11.08.17
ED. 5681

Siga o mestre

Novo chefão da Telecom Italia, Amos Genish começa a moldar a TIM Brasil a sua imagem e semelhança. O nome de Gustavo Gachineiro, VP de Assuntos Corporativos da Telefônica, está cotado para desembarcar na concorrente. O executivo é braço direito e esquerdo de Genish desde a GVT.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.01.17
ED. 5530

Efeito cascata

Com a rumorosa saída de Amos Genish da presidência da Vivo, é incerta a permanência do vice-presidente de assuntos corporativos e relações institucionais da companhia, Gustavo Gachineiro. O executivo era o braço direito – e esquerdo – de Genish desde os tempos da GVT.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.06.16
ED. 5401

L’état c’est moi

 A nova estrutura administrativa da Vivo foi feita para espanhol ver. Na prática, Amos Genish passou a “acumular” a presidência da companhia com o comando das áreas de marketing e de relações institucionais – para todos os efeitos entregues a Christian Gebara e Gustavo Gachineiro. Genish quer personificar ao máximo a comunicação da Vivo, replicando o que fez na GVT.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.15
ED. 5104

Despedida da Vivendi dura apenas um verão

A Vivendi se foi, mas já está voltando. Seis meses após a venda da GVT para a Telefônica, o grupo francês trabalha na retomada de seus investimentos no Brasil. Por ora, os planos não remetem diretamente ao setor de telefonia – embora ele esteja no caminho traçado pela empresa. A intenção dos franceses é montar uma base de operações na área de entretenimento, um de seus principais negócios na Europa. O ponto de partida será a distribuição de vídeos, filmes e músicas por meio de plataformas digitais. Ou seja: por ora, a Vivendi pendura no cabide o figurino de empresa de telefonia para reaparecer no mercado brasileiro como uma provedora de conteúdo, inclusive para as próprias operadoras celulares. Segundo fonte próxima ao grupo, a estratégia dos franceses prevê aquisições no país – o Citi teria sido contratado para prospectar ativos. A Vivendi já saiu também em busca de um executivo para comandar suas operações no Brasil. Um dos nomes cotados seria o da presidente da B2W, Anna Christina Saicali. O cardápio de operações que os franceses pretendem servir no Brasil é dos mais sortidos. A Vivendi, que está fechando a compra do controle mundial do Dailymotion, pretende trazer o negócio para o Brasil. Trata-se de uma das grandes empresas internacionais de distribuição de entretenimento via web.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.